Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Sete plantas para ter em casa e como cuidar delas

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Superbotânica
Manuel Manso Superbotânica

Sete plantas para ter em casa e como cuidar delas

Sabia que há espécies que se dão melhor nos interiores? Deixe de lado as plantas e flores de plástico e aposte nestas

Por Francisca Dias Real
Publicidade

“Ter plantas é como jogar um jogo de níveis, vai-se aumentando a dificuldade à medida que vai cuidando delas”, quem o diz é Roberta Gontijo, dona da loja Superbotânica juntamente com Márcio Orsi. A arquitecta paisagista ajudou-nos a perceber que espécies se devem ter em casa e como cuidar delas, e aponta o caminho para uma grande tendência de decoração e design: o urban jungle. Há quem queira replicar o conceito em casa, mas não sabe bem como fazê-lo, até porque há espécies que não são aconselháveis para interiores. “Qualquer planta dá ambiente a uma casa, mas também é preciso ter em conta as condições para que ela sobreviva”, afirma Roberta, que aconselha a que comece com plantas de manutenção mais simples, e “ir subindo progressivamente de nível de dificuldade.”

Descubra aqui sete espécies que pode ter em casa e os cuidados que deve ter com elas. 

* Devido ao novo coronavírus, a Superbotânica encontra-se fechada mas continua a oferecer o serviço de delivery de plantas.

Recomendado: Os melhores sítios para comprar plantas em Lisboa

Cinco plantas ideais para ter em casa

Cahamedorea elegans

É considerada uma planta purificadora do ar, tal como a Phlebodium ‘Blue Star’, espécies testadas num estudo feito pela NASA para filtrar toxinas comumente encontradas nos espaços que habitamos, como resinas ou tintas. Como a maioria das plantas de interiores, aguarde até que a superfície do solo tenha secado para regar novamente, aplicando fertilizante líquido uma vez a cada dois meses.

Phlebodium 'Blue star'

Tal como a planta anterior, o famoso feto azul (como é chamado) também é uma planta purificadora do ar. O solo deve permanecer húmido, mas não demasiado para a raiz não apodrecer. Uma rega por semana e fertilizante uma vez por mês é suficiente.

Publicidade
Zamioculcas zamiifolia
Zamioculcas zamiifolia

Zamioculcas zamiifolia

Esta planta africana tolera a seca ocasional e não quer muita luz. Regue-a uma vez a cada dez dias na Primavera/Verão, e a cada duas semanas no Inverno, para não apodrecer as raízes.

Monstera deliciosa
Monstera deliciosa

Monstera deliciosa

Mais conhecida como costela de adão, esta planta do Sul do México requer pouca atenção e cresce rápido. Limpe o pó das folhas, regue quando a terra estiver seca no topo e mantenha-a exposta a uma luz indirecta brilhante.

Publicidade
Ficus lyrata
Ficus lyrata

Ficus lyrata

É semelhante a uma árvore, por isso as maiores são as mais bonitas. Lidam bem com situações menos favoráveis e ainda filtram toxinas do ar, mas se começarem a aparecer manchas avermelhadas nas folhas pode ser sinal de pouca luz ou excesso de água.

Calatheas
Calatheas

Calatheas

Cresce bem em áreas de pouca luz e é famosa pelas texturas das suas folhas, ora onduladas, ora listradas ou com padrão zebra. Regue uma a duas vezes por semana no Verão e limpe as folhas – estas mexem-se consoante o movimento do Sol para captarem mais luz.

Publicidade
Pilea-peperomioides
Pilea-peperomioides

Pilea peperomioides

Ou Pilea para os amigos – é conhecida pela planta de dinheiro chinesa. Evite a luz solar directa e fertilize mensalmente nas estações quentes. A planta prefere um solo bem drenado, por isso veja se as folhas começarem a ficar caídas: é sinal de que precisa de água.

Cuidados a ter com plantas

Exposição solar

Afaste a ideia de que todas as plantas precisam de estar na varanda ou junto a uma janela, até porque muitas delas preferem luz indirecta. “As plantas tropicais são as que se dão melhor com a luz de interiores, portanto são mais fáceis de ter em casa”, refere, dando o exemplo da Alocasia zebrina ou da Espada de São Jorge. A exposição solar é relativa e depende de cada planta, por isso Roberta aconselha a que no acto de compra de cada espécie peça ajuda para saber os cuidados a ter. “Há plantas que ganham manchas nas folhas e isso pode ser uma ajuda para perceber que algo está errado com a luz.” Ah, e limpe as folhas das plantas, o pó impede-as de fazer bem a fotossíntese.

Rega

 

“Não afogue as plantas!”, alerta Roberta. “A maioria delas precisa de ser regada apenas uma vez por semana, e se acumula muita água no vaso pode apodrecer a raiz.” O ideal é deixar secar o substracto em cima (cerca de 8 cm) antes de voltar a regar a planta – sendo que nos meses mais frios a rega deve ser feita de duas em duas semanas, na maioria das vezes. Na altura de mudar a terra e o vaso da planta – quando as raízes começam a sair do vaso por baixo –, Roberta aconselha ainda a que use argila expandida no fundo do vaso, antes da terra, para ajudar a drenar a água. No Verão, é importante que fertilize a planta com adubo líquido diluído em água da rega cerca de uma vez por mês.

Publicidade

Plantas no quarto

Quem nunca ouviu o mítico “ter plantas no quarto faz mal” que atire a primeira pedra. A verdade, diz Roberta, é que tudo depende das condições das divisões, mas que há plantas melhores do que outras para ter na divisão onde dorme – as melhores são as chamadas purificadoras, que têm mais qualidades filtrantes. É o caso da  Epipremnum pinnatum, da Spathyphylum, da Sanseveria laurentii, da Hedera helix ou da Chlorophytum comosum.

Plantas não venenosas para animais

Os animais de estimação são muitas vezes uma preocupação na hora de ter plantas  – e caso não tenha pensado nisso tenha cuidado com os verdes que tem em casa. “A grande maioria das plantas são venenosas para os animais e para as pessoas, só que os cães e os gatos não têm o discernimento para não as comer”, refere, apontando a Chamaedoria elegans, as Calatheas, as Stromanthes, a Platycerium bifurcatum ou a Howea forsteriana como exemplos de algumas daquelas que pode ter à vontade sem correr riscos.

Mais verde em Lisboa

Colvin
DR

Os melhores serviços de entrega de flores ao domicílio

Compras Floristas

Um ramo de flores bem arranjadinho é um presente que nunca sai de moda. Para assinalar o nascimento do bebé da amiga, o aniversário da mãe, o dia dos Namorados ou simplesmente para pedir desculpa ou surpreender alguém no local de trabalho. Para ajudar a resolver o problema da falta de tempo para ir escolher o bouquet mais bonito, há serviços de entrega de flores ao domícilio prontinhos a ajudarem (abençoados motoboys). Há opções singelas, mais em conta, ramos com flores secas e outras de todas as cores e feitios que impressionam qualquer um, independentemente da efeméride. 

Microgreens, Horta do Amigo
Microgreens/Facebook

Estes serviços de entrega ao domicílio de produtos frescos são uma ajuda para os próximos tempos

Compras

Nunca é demais lembrar que para superarmos esta pandemia é preciso ficar em casa, mas não vale açambarcar prateleiras de supermercados para encher a despensa. É verdade que, para que a quarentena corra bem, não convém que falte nada em casa, mas felizmente têm aparecido várias soluções para nos ajudar nas compras. Foram vários os novos projectos que surgiram e outras tantas entidades que mudaram o seu modus operandi para ajudar a fazer chegar a todas as casas produtos frescos. Para quê? Para que o menor número de pessoas tenha de sair à rua e deslocar-se a superfícies comerciais, sobretudo grupos de risco. Já tínhamos uma lista completa de cabazes de frutas e legumes em Lisboa, mas em alturas críticas como a que vivemos agora são necessárias medidas drásticas, onde a solidariedade parece comandar as frentes. Conheça estes serviços de entrega ao domicílio de produtos frescos em Lisboa. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade