Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right ‘A Vida que Mereces’, o primo espanhol de ‘Parasitas’

‘A Vida que Mereces’, o primo espanhol de ‘Parasitas’

Filme dos irmãos David e Àlex Pastor, em cartaz na Netflix, exibe a consistência, o vigor e a qualidade do cinema que é produzido no país vizinho.

Filme, Cinema, A Vida Que Mereces (2020)
©Quim Vives A Vida Que Mereces de David Pasto e Àlex Pastor
Por Eurico de Barros |
Publicidade

★★★☆☆

Muitos de nós já ouviram esta história, ou conhecem pessoas que a viveram. Um profissional com muitos anos de trabalho na sua área, e grande sucesso, vê-se subitamente despedido, porque apesar da longa experiência e do excelente currículo, deixou-se desactualizar, o seu tempo já passou, tem que dar lugar aos mais novos e dinâmicos, ou simplesmente deixou de ter qualquer utilidade para a empresa.

Foi uma destas coisas que sucedeu a Javier Muñoz, o veterano e respeitável publicitário protagonista de A Vida que Mereces (já disponível na Netflix), a terceira longa-metragem dos irmãos espanhóis David e Àlex Pastor, que no início do filme aparece a candidatar-se a um emprego numa agência, mostrando alguns dos anúncios que o celebrizaram e marcaram uma geração. Mas embora os dois jovens directores que o estão a entrevistar lhe elogiem o trabalho e digam que cresceram a ver aqueles anúncios, não há lugar para Javier ali. É que lhe falta “ousadia”.

O desemprego significa que Javier, a mulher e o filho têm que deixar o magnífico apartamento em que habitam em Barcelona, abdicar do seu estilo de vida desafogado, igual à das famílias prósperas e felizes dos anúncios premiados que ele filmava, e irem morar para o andar modesto que o publicitário ainda mantém numa zona mais popular, mais feia, e muito menos in da cidade. Javier talvez tenha mesmo que ser obrigado a vender o seu BMW topo de gama e resignar-se a usar o utilitário da mulher. E o filho terá que sair do caro colégio privado que frequenta e ir para uma escola pública.

Javier acha que não merece o que lhe sucedeu, que tem todo o direito ao moderno e luxuoso apartamento a que se habituou a chamar a sua casa, que é uma injustiça perder o estatuto económico e social que alcançou. Um dia, quando vem de mais uma humilhante entrevista de emprego, passa pelo antigo prédio e vê que o andar que deixou já está ocupado por uma jovem família: pai, mãe, filha pequena.

É então tomado por uma raiva calada, por um ressentimento sem fundo, por uma autocomiseração perversa. Que o vai levar a insinuar-se, lenta e maquiavelicamente, junto dos novos inquilinos da antiga casa, para conseguir recuperá-la, e à vida confortável e privilegiada que perdeu. Passa-se que Javier, sob o seu aspecto inofensivo, além de moralmente defeituoso, é um sociopata obsessivo, e não vai recuar perante nada, sendo mesmo capaz de deixar a mulher e o filho para trás e recorrer ao crime, para conseguir aquilo a que se propõe. A Vida que Mereces (cujo título original é apenas Hogar) é a história de um náufrago social dobrado de andróide amoral.

Remotamente aparentado com Parasitas, de Bong Joon-ho, embora não tenha a complexidade, a inventividade e a capacidade de surpreender deste, mas se centre também numa casa, A Vida que Mereces é um bom aproveitamento cinematográfico de uma situação que, infelizmente, é cada dia mais comum nas sociedades desenvolvidas modernas. Os irmãos Pastor pegam na sua dimensão de drama social e envolvem-na num embrulho de thriller psicológico (já agora, o subenredo do zelador pedófilo está a mais e dispensava-se), desenrolando-se sob o olhar de uma câmara fria e impassível.

Falta referir a interpretação de Javier Gutiérrez Álvarez, um dos mais activos, trabalhadores e versáteis actores espanhóis, já vencedor de dois prémios Goya, discretamente primoroso no papel de Javier Muñoz, o manipulador implacável com ar de pião das nicas, modos modestos e falinhas mansas. Nada mais perigoso do que menosprezar um homem que está convencido de que tem todo o direito a viver na versão da vida real de um dos anúncios passados em mundos ideais que criou.

Uma foto da Time Out Magazine

A Time In Portugal já está disponível

Pode ler a última edição no conforto do seu sofá

Ler a revista

Mais para ver na Netflix

Unorthodox
Foto: Netflix
Filmes

Sete novas séries da Netflix que vale a pena ver

Não é possível falar de séries sem falar da Netflix. Afinal, é muito graças à forte aposta deste serviço de streaming na produção audiovisual que o panorama televisivo melhorou nos últimos anos. É a nova era dourada da televisão e todas as semanas se estreiam séries e filmes que só se encontram na Netflix. O difícil muitas vezes é, na verdade, acompanhar o ritmo. 

A Irmandade
Netflix
Filmes

Dez conteúdos em português que tem de ver na Netflix

A ideia, inicialmente, era fazer uma lista com os conteúdos portugueses disponíveis na Netflix, mas rapidamente se percebeu que a oferta continua a ser inexistente. E a situação não deve melhorar muito nos próximos tempos, embora não faltem promessas de que a seu tempo as produções portuguesas cheguem ao serviço. Assim sendo, dizemos-lhe antes o que vale a pena ver na língua de Camões, do lado de lá do Atlântico. 

Publicidade
The Two Popes
©IMDB
Filmes

Os filmes originais Netflix que tem de ver

Era quase impossível encontrar melhor timing para lhe darmos conteúdo deste. Sim, deste que requer pouco mais do que agarrar no comando, sentar-se ou deitar-se, ajeitar as almofadas, escolher o conteúdo e carregar. Fácil ao nível do exercício físico, talvez não tanto ao do psicológico. É que são 22 filmes originais Netflix, o que quer dizer que há muita coisa à qual deitar o olho e, depois de começar, dificilmente vai querer voltar atrás.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade