A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Barbarians
DRBarbarians

‘Barbarians’ lembra os filmes históricos romanescos de antanho

Se fosse um exame de História, ‘Barbarians’, da Netflix, tinha um bom menos.

Escrito por
Eurico de Barros
Publicidade

Se tivesse sido feita há 30 ou 40 anos, Barbarians (Netflix) seria não uma produção para streaming e televisão, mas uma longa-metragem. Só que o filme histórico de aventuras está quase extinto e o formato mudou de meio. Esta série alemã segue um modelo clássico: pega num acontecimento histórico e embrulha-o num enredo com personagens e situações verdadeiras e ficcionais. Barbarians recorda a Batalha de Teutoburgo, travada na floresta do mesmo nome no ano IX d.C., e em que três legiões romanas foram massacradas por várias tribos germânicas.

A história centra-se na figura real de Armínio, um germânico tirado aos pais e à tribo ainda criança e romanizado, e nos seus dois grandes amigos de infância (inventados), que se reencontram para derrotar os opressores romanos. Uma das boas ideias da produção foi pôr os romanos a falar latim e os germânicos alemão. A recriação da época é aceitável, as personagens familiares e o enredo reconhecível mas absorvente, com um agradável travo aos filmes históricos romanescos de antanho. A batalha final decepciona, envolvendo umas magras centenas de participantes, longe das mais de 100 mil que a travaram, e filmada numa câmara lenta irritante de tão solene. Se fosse um exame de História, Barbarians tinha um bom menos, mas à justa.

Mais que ver

  • Filmes

★★★★☆

São duas famílias bascas, unidas por antigos e fortíssimos laços de amizade. A violência terrorista da ETA e a reacção repressiva do Estado espanhol vêm dividi-las, fazer com que voltem costas uma à outra e até obrigar uma delas a abandonar a cidade natal. Baseada no bestseller de Fernando Aramburu, Pátria (HBO) centra-se em duas mulheres, Bittori (Elena Irureta) e Miren (Ane Gabarain), que deixam de ser grandes amigas quando o marido da primeira, um empresário, é assassinado pela ETA, e o filho da segunda, que poderá ser o assassino, é preso.

  • Filmes

★☆☆☆☆

As personagens são gatafunhos de caricaturas, os actores mexem-se e falam ainda com mais exagero do que se estivessem num quadro de revista do Parque Mayer, e é mais fácil Nossa Senhora voltar a aparecer em Fátima do que aqueles textos provocarem uma gargalhada. Ver um prego enferrujar tem mais graça que Ai a Minha Vida.

Publicidade
  • Filmes

★★★★☆

A série preserva o essencial da estrutura de The Turn of the Screw e, sobretudo, é fiel aos preceitos da tradição da ghost story à inglesa. O terror é de pavio longo, de elaboração pausada, dependente da exposição narrativa e do desenvolvimento da intriga, quase sempre sugerido e elíptico, que se pressente mas pouco se vê, manifestando-se nas sombras dos enquadramentos ou em fundo nos planos. E é um terror ligado aos ambientes da história e incarnado nas personagens, que elas arrastam consigo, surdo e torturado, de gerar incómodo e calafrios, e não choques e estrondos. A qualidade homogénea das interpretações e a consistência inquietante das atmosferas, reforçam a recomendação da visita a esta mansão assombrada.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade