Dez séries de espionagem que fizeram história da televisão

As séries de espiões já vêm de longe na televisão, desde o seu início, e sempre tiveram muita popularidade. Eis dez que fizeram história – e passaram quase todas em Portugal

Os Vingadores

Mr. Solo, Olho Vivo, Missão: Impossível, O Santo ou Os Vingadores fazem parte desta dezena de séries de espionagem que marcaram este género na televisão e conquistaram várias gerações de telespectadores.

Dez séries de espionagem que fizeram história da televisão

‘Danger Man’

Ainda antes de James Bond existir, já havia na televisão, no início dos anos 60, o "Danger Man", mais precisamente John Drake (Patrick McGoohan), um agente secreto que trabalha para a NATO e viaja por todo o mundo nessa condição. Ian Fleming, o criador de 007, colaborou brevemente nesta série britânica (que foi logo exibida pela RTP), abandonando-a para transportar Bond para o cinema, mas deixou visível a sua marca nas aventuras deste espião pioneiro do pequeno ecrã.

‘O Santo’

Um pé está assente no policial, mas como o outro está assente na espionagem, faz sentido que O Santo, a série de culto que celebrizou Roger Moore nos anos 60, faça parte desta lista. A personagem criada por Leslie Charteris é um ladrão de alto coturno que rouba outros criminosos, e foi trabalhada pelos autores da série para poder protagonizar enredos típicos de thriller mas também outros de espionagem, passados no Reino Unido ou no estrangeiro, em países reais ou imaginários.

Publicidade

‘Olho Vivo’

Uma série clássica da comédia televisiva que é também uma paródia genialmente nonsense aos filmes e séries deste tipo, tendo sido criada por Mel Brooks e Buck Henry. Maxwell Smart (Don Adams) é o agente secreto 86, o mais tapado e trapalhão da história, sendo acompanhado nas suas missões pela agente 99 (Barbara Feldon), com a qual se virá a casar. O vilão é o ridículo Siegfried (Bernie Koppel), da KAOS, organização maléfica que quer, está claro, controlar o mundo.

‘Mr. Solo’

Esta foi uma das muitas séries de espionagem inspiradas por James Bond, e também uma das melhores. Aliás, foi Ian Fleming que a concebeu, criando inclusivamente duas das personagens. De título original The Man From U.N.C.L.E, a série centra-se num agente americano, Napoleon Solo (Robert Vaughn) e noutro russo, Illya Kuriakin (David McCallum). Ambos estão integrados na U.N.C.L.E., uma agência de espionagem internacional, de que são os melhores elementos.

Publicidade

‘Missão: Impossível’

Uma equipa de agentes super-secretos do governo americano leva a cabo missões aparentemente impossíveis de concretizar, que são comunicadas ao seu líder no início de cada episódio através de uma gravação que se auto-destrói. Interpretada por Peter Graves, Martin Landau, Barbara Bain, Greg Morris e Peter Lupus, o seu “núcleo duro”, Missão:Impossível acabou por se transformar numa série de culto e gerar mais tarde uma série de filmes homónimos com Tom Cruise.

‘Os Vingadores’

Patrick Macnee no papel de John Steed (a guiar um Rolls-Royce) e Diana Rigg no de Emma Peel (ao volante de um Lotus Elan) contribuíram decisivamente para imortalizar esta mítica série britânica nos seus anos de ouro, entre 1965 e 1968, já que foi criada em 1961, com Ian Hendry e Macnee nos papéis principais e ainda sem uma personagem principal feminina. Uma combinação inspiradíssima e originalíssima de espionagem, ficção científica e humor excêntrico.

Publicidade

‘Sou Espião’

Outra das séries da década de 60 inspirada por James Bond, Sou Espião fez história da televisão ao ser a primeira a ter um actor negro (Bill Cosby) num papel principal. Cosby e Robert Culp são Alexander Scott e Kelly Robinson, dois agentes secretos que, sob a capa de jogadores profissionais de ténis, desempenham missões internacionais para o governo dos EUA, tendo vários dos episódios sido filmados nas cidades americanas e nos países onde o enredo se passa, uma coisa rara na altura.

‘A Toupeira’

Adaptada pela BBC do celebrado livro de John Le Carré em 1979, eis uma das séries de espionagem mais realistas de sempre, que nos mostra o verdadeiro rosto do conflito que foi travado nas sombras entre o Ocidente democrático e o Leste comunista nos tempos da Guerra Fria. Sir Alec Guinness é fabuloso no papel de George Smiley, um espião veterano que tem de deixar a reforma para descobrir um agente soviético infiltrado (uma “toupeira”) no coração dos serviços secretos britânicos.

Publicidade

‘Reilly- O Ás dos Espiões’

É pouco habitual uma série de espionagem inspirar-se em factos e personagens reais. É o que sucede em Reilly-O Ás dos Espiões, de 1983. Sam Neill personifica Sidney Reilly, que trabalhou para os serviços secretos britânicos no início do século XX, e terá sido também agente quádruplo. Reilly conseguiu infiltrar-se no Estado Maior alemão durante a I Guerra Mundial e tentou derrubar o governo bolchevique em 1918. Foi um dos modelos de Ian Fleming para criar 007.

‘The Equalizer’

Uma série interpretada por um actor inglês, Edward Woodward, e produzida e filmada nos EUA, entre meados e finais dos anos 80. Woodward é Robert McCall, um antigo operacional da CIA, na qual terá levado a cabo operações clandestinas. McCall torna-se investigador particular e dedica-se a casos envolvendo inocentes que correm perigo, fazendo justiça pelas suas próprias mãos. The Equalizer combina elementos de espionagem, do thriller de acção e do policial clássico.

Publicidade

Espiões para toda a obra

Os rivais de James Bond no cinema

O actor Daniel Craig disse que preferia cortar os pulsos a fazer mais um James Bond, mas afinal vai voltar a encarnar o agente secreto mais famoso da história do cinema. Aqui, recordamos os grandes rivais de 007 no cinema. 

Ler mais
Por Eurico de Barros

O verdadeiro James Bond

Ele foi mais Bond do que o próprio James Bond. Dusco Popov inspirou o agente secreto mais famoso do mundo da literatura e do cinema e ainda assim era muito melhor do que ele, garante Larry Loftis, autor de Na Toca do Lobo, o novo livro sobre o jugoslavo e playboy, agente duplo e triplo durante a II Guerra Mundial. 

Ler mais
Por Eurico de Barros
Publicidade

Comentários

0 comments