Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez filmes na Amazon Prime que vai gostar de ver

Dez filmes na Amazon Prime que vai gostar de ver

Nem só séries se faz a plataforma de streaming. Fomos à procura dos melhores filmes na Amazon Prime

Shutter Island
DR Shutter Island
Por Sebastião Almeida |
Publicidade

A Amazon Prime chegou a Portugal em 2016 e desde então que disponibiliza um catálogo de filmes e séries variados. É verdade que as séries originais do serviço de streaming são o grande chamariz – não fossem O Homem no Castelo Alto, Fleabag ou A Maravilhosa Senhora Maisel das melhores séries da actualidade. Mas os filmes no catálogo da gigante de Jeff Bezos tem surpresas bem guardadas à espera de serem descobertas. Fomos à procura dos melhores filmes na Amazon Prime e descobrimos algumas novidades e clássicos que merecem ser vistos. Aproveita e faça um programa cinematográfico em casa. Ao subscrever, a Amazon oferece seis meses de desconto, com a mensalidade a metade (2,99€).

Recomendado: Séries para ver na Amazon Prime

Uma foto da Time Out Magazine

A Time In Portugal já está disponível

Pode ler a última edição no conforto do seu sofá

Ler a revista

Dez filmes para ver na Amazon Prime

Assassinos Natos

Realizado em 1994 por Oliver Stone e escrito por Quentin Tarantino, conta a história de um casal que se une pelo gosto e desejo de violência. Woody Harrelson e Juliette Lewis fazem par romântico matando quem lhes aparece à frente e deixando uma pessoa viva para contar a história. Robert Downey Junior é um repórter que faz deles estrelas ao incluí-los no programa American Maniacs.

Clube de Combate

Aos fins-de-semana, homens de todas as cidades reúnem-se em parques de estacionamento para lutar. O clássico de David Fincher de 1999 conta com um elenco de luxo (Brad Pitt, Edward Norton e Helena Bonham Carter). Tyler Durden (Brad Pitt) é o cérebro do clube, querendo vingar-se do mundo. O seu carácter leva as pessoas a lutar, mas com regras. A primeira regra é: não se fala do clube de combate. E a segunda é: não se fala do clube de combate.

Publicidade

O Lado Selvagem

Este biopic realizado por Sean Penn é uma adaptação do livro de Jon Krakauer, que conta a história de Christopher McCandless, um jovem que deambulou pelos Estados Unidos até chegar ao Alasca. O jovem formou-se na universidade e logo rejeitou a vida convencional em sociedade. Acabou por morrer num autocarro abandonado nesta região inóspita. O autocarro é, agora, uma atracção turística.

Este País Não É Para Velhos

O romance de Cormac McCarthy originou um dos melhores filmes dos anos 10. Os irmãos Cohen tiveram a tarefa de adaptar ao pequeno ecrã o romance do escritor norte-americano e fizeram um grande trabalho. Javier Bardem e Josh Brolin contracenam num filme que se passa no Oeste texano nos anos 1980. Um caçador (Josh Brolin) depara-se com um negócio de droga mal sucedido e leva uma mala com dinheiro. Javier Barden veste a pele de um assassino contratado que percebe o homem que levou o dinheiro que não devia.

Publicidade

Shutter Island

Há dez anos, Martin Scorsese realizou um dos filmes mais aclamados pela crítica na época. Leonardo DiCaprio é Edward Daniels, um detective enviado para uma prisão psiquiátrica para desvendar o desaparecimento de uma prisioneira. À medida que passa tempo no estabelecimento prisional, Daniels fica cada vez mais confuso e desconfia que são realizadas experiências de controlo da mente. O final do filme mostra que tudo pode não passar de uma ilusão da mente.

Jogada de Risco

Brad Pitt encarna o dirigente de uma equipa de beisebol em Oklahoma que quer conseguir obter melhores resultados. Para isso contrata um jovem recém-formado em Yale (Jonah Hill) que desenvolve um método revolucionário de avaliação de jogadores. O treinador, contudo, não é adepto das técnicas empregues e resolve usar jogadores com reputação mas cujos resultados ficam aquém. O filme mostra o confronto e o subir de tensões entre os funcionários de um clube quase caído em desgraça.

Publicidade

Novos Amigos Improváveis

Escrito por Jon Hartmere e realizado por Neil Burger, este filme de 2017 é uma adaptação do original francês Intouchables (2011). Um milionário paralisado, protagonizado por Bryan Craston, desenvolve uma improvável amizade com um homem em liberdade condicional ( Kevin Hart) que contrata para ser seu cuidador. Este é o terceiro remake do sucesso de bilheteiras francês, depois de uma versão indiana e outra argentina.

Beautiful Boy

Realizado por Felix van Groeningen é um dos mais recentes filmes no catálogo. Protagonizado por Steve Carell e Timothée Chalamet, conta a história de adição do filho do  jornalista do New York Times, David Sheff. Nicholas (Timotheé Chalamet) começa a apresentar sinais de toxicodependência gradualmente e a sua condição vai-se agravando. O filme mostra como o problema afecta o funcionamento de uma família e como, aos poucos e poucos, vai destruindo tudo à sua volta. 

Publicidade

The Report

As técnicas de tortura usadas pela CIA nos interrogatórios pós-11 de Setembro ainda hoje ecoam. Scott Z. Burns baseou-se no artigo publicado pela Vanity Fair e realizou um filme sobre a investigação à destruição de cassetes de interrogatórios da agência norte-americana. Adam Driver protagoniza o funcionário escolhido pela senadora Diana Feinstein para liderar a investigação. À medida que a informação vai sendo desvendada, os bloqueios à sua publicação são cada vez mais agressivos. Inspirado em factos reais.

One Child Nation

Este original Amazon Prime recebeu o prémio de melhor documentário no festival de Sundance em 2019. Os realizadores nasceram durante os anos 1980, quando vigorava esta política de natalidade chinesa. Depois de um deles emigrar e voltar ao seu país, os documentaristas vão à procura do resultados destas medidas e de que forma afectam hoje em dia a sociedade chinesa. 

Mais Filmes

The Irishman
©Netflix
Filmes

19 filmes originais Netflix que tem de ver

Já lá vai o tempo em que a Netflix só nos fazia colar aos monitores e ecrãs pelas séries. Não que tenha deixado de o fazer, mas a gigante do stream apontou baterias a outras paragens e a aposta tem compensado. A mudança de paradigma no cinema, as burocracias dos estúdios e a insistência da rentabilidade nas bilheteiras sobre a história fizeram com que muitos projectos nunca vissem a luz do dia.

Publicidade