Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Oito filmes sobre drogas – da caricatura à dura realidade
Delírio em Las Vegas
©IMDB Johnny Depp em Delírio em Las Vegas

Oito filmes sobre drogas – da caricatura à dura realidade

Canábis, cocaína, LSD, MDMA, ecstasy: o catálogo é grande e o cinema tem se debruçou sobre ele. Veja com moderação.

Por Tiago Neto
Publicidade

Os sessentas, o amor nas ruas, ácidos e charros e um senso inegável de que a força da juventude havia, de alguma forma, de derrotar o poder instituido e fundar uma sociedade mais justa. A década de 1960 foi o desaguar de todas as tensões e contra-culturas num só, e o que dali sobrou, perpetuar-se-ia até hoje. O consumo de drogas disseminou-se e mediatizou-se, mas o ponto de partida aconteceu milhares de anos antes. No cinema o retrato nem sempre foi justo. Easy Rider, por exemplo, pintou a dependência numa quase caricatura. Mas, com o tempo, a sétima arte percebeu como desconstruir a adição, e como construir histórias à volta da mesma, sem que precisassemos de apontar o dedo. O Clube De Dallas é exemplo disso, retratando uma perspectiva oposta ao consumo recreativo. A lista que se segue dá-nos oito bons exemplos de como o consumo de drogas pode ser bem retratado. São os filmes sobre drogas que precisa de ver.

Recomendado: Os melhores filmes de carros que o cinema nos deu

Oito filmes sobre drogas que precisa de ver

1. "Christiane F.", Uli Edel (1981)

Com banda sonora a cargo de David Bowie, Christiane F. – baseado na história real de Christiane Felscherinow – leva-nos à Berlim dos anos 70 e à queda de uma jovem rapariga num perigoso circuito de consumo de droga (seguido de prostituição). O filme chocou as audiências europeias e foi decisivo na construção de um retrato sobre a epidemia de heroína que varreu a Europa nas décadas de 70 e 80.

2. "Trainspotting", Danny Boyle (1996)

Mark Renton (Ewan McGregor), um viciado em heroína, tropeça sistematicamente em tentativas infrutíferas de sobriedade juntamente com os seus amigos – Sick Boy (Jonny Lee Miller), Begbie (Robert Carlyle), Spud (Ewen Bremner) e Tommy (Kevin McKidd). A juntar a isto, Renton tem uma namorada menor de idade Diane (Kelly Macdonald). Depois de se tratar e de se mudar de Edimburgo para Londres, Mark descobre que não pode escapar da vida que deixou para trás quando Begbie lhe aparece à porta. E logo atrás vem Sick Boy. 

Publicidade

3. "Delírio em Las Vegas", Terry Gilliam (1998)

Raoul Duke (Johnny Depp) e o seu advogado Dr. Gonzo (Benicio Del Toro) seguem a alta velocidade num descapotável pelo deserto de Mojave até Las Vegas com uma mala cheia de ilegalidades para cobrir uma corrida de motociclos. À medida que o consumo de drogas aumenta a um ritmo alarmante, a dupla destrói o quarto de hotel e teme repercussões legais. Duke decide voltar a L.A., mas depois de um estranho encontro com um polícia (Gary Busey), o regresso à "Sin City" é o passo mais sensato. O filme, realizado pelo Monty Python Terry Gilliam, teve a supervisão de Hunter S. Thompson, o jornalista e autor do livro Fear And Loathing In Las Vegas, figura incontornável da literatura americana.

4. "A Vida Não É Um Sonho", Darren Aronofsky (2000)

Evocando imaginativamente a paisagem interior dos seres humanos que procuram conexão e amor, o filme é uma parábola de felicidade gloriosamente encontrada e tragicamente perdida. Requiem For a Dream conta histórias paralelas ligadas à relação entre a viúva e solitária Sara Goldfarb (Ellen Burstyn) e seu filho, Harry (Jared Leto), num misto de desespero drug fueled, de negação e de benevolência.

Publicidade

5. "Profissão de Risco", Ted Demme (2001)

Na turbulenta década de 1970, o comércio internacional de droga sofreu uma revolução rápida, violenta e lucrativa – no centro dessa revolução estava um americano aparentemente normal, George Jung (Johnny Depp). Mas, em apenas alguns anos, Jung tornou-se o principal importador mundial de cocaína do cartel de Medellin, na Colômbia, mudando o curso de uma geração inteira. Blow é uma visão em alta velocidade da espectacular ascensão e queda de George Jung.

6. "Gangster Americano", Ridley Scott (2007)

Frank Lucas (Denzel Washington), um traficante de droga do Harlem, chega ao poder na corrupta Nova Iorque dos anos 70, igualando e superando as notórias famílias da Máfia italiana com o alcance do seu império. Do outro lado da lei está Richie Roberts (Russel Crowe), um polícia empenhado em levar à justiça "o homem mais perigoso que anda pelas ruas". Enquanto isso, Lucas age impunemente, contrabandeando heroína para os EUA nos caixões de soldados americanos mortos no Vietname. 

Publicidade

7. "A Ressaca", Todd Phillips (2009)

Empenhados em passar um despedida de solteiro memorável em Las Vegas, três padrinhos (Bradley Cooper, Ed Helms, Zach Galifianakis) e o noivo (Justin Bartha) embarcam numa viagem de excessos, iniciada com uma dose de Rohypnol, também conhecida como roofies ou "droga da violação". Contudo, no dia seguinte, o cenário é catastrófico: não há lembrança do que aconteceu e, pior, não há sinal do noivo.

8. "O Clube De Dallas", Jean-Marc Vallée (2013)

Depois de lhe ser diagnosticado um quadro positivo de VIH/Sida, Ron Woodroof (Matthew McConaughey), um cowboy de rodeo, descobre uma droga proibida em solo americano que pode ajudar os pacientes a sobreviver por mais tempo. Para contornar o sistema, Woodroof forma um clube para contrabandear o medicamento para aqueles que mais precisam. Com a ajuda da Dra. Eve Saks (Jennifer Gardner), a médica que o acompanha, e com Rayon (Jared Leto), um travesti também infectado em busca de cura, o Dallas Buyers Club nasce, mas não sem despertar a atenção das farmacêuticas que prometem dificultar-lhes a vida. O filme, inspirado na verdadeira história de Woodroof, valeu ao texano McConaughey a sua primeira estatueta dourada em 2014.

Mais cinema

Filme, Cinena, O Bom, o Mau e o Vilão (1966)
©IMDB

Clássicos de cinema para totós. Os melhores filmes dos anos 60

Filmes

A década dos sonhos mais floridos, extravagantes e idealistas, também teve o seu lado violento. Bem comprovado pelo desfecho que Manson e a sua "família" haviam de trazer, em 1969. O cinema atravessou uma das suas épocas mais curiosas e experimentalistas em que parecia valer tudo, desde que fosse contra a corrente dominante. E os melhores filmes dos anos 60 foram contra a dita.

Apocalypse Now
©DR

Clássicos de cinema para totós. Os melhores filmes dos anos 70

Filmes

Na década de 1970 o olhar de Hollywood mudou. E o sistema dos estúdios foi substituído por um cinema mais estético e politicamente atrevido, por um lado, enquanto, por outro, começava a era dos blockbusters e o triunfo do cinema de entretenimento e efeitos especiais. Estes são alguns dos melhores títulos.

Publicidade
Platton - Os Bravos do Pelotão
©DR

Clássicos de cinema para totós. Os melhores filmes dos anos 80

Filmes

Na bilheteira, os anos 80 foram a década de Steven Spielberg e George Lucas. O cinema de grande espectáculo, sem vergonha de efeitos especiais, afirmou-se logo no início da nova era de Hollywood. Nem sempre para pior. Mas como não há acção sem reacção, ao lado ou noutras paragens, singrava uma outra maneira de entender a sétima arte A lista que se segue oferece bom cinema, independentemente da profundidade artística, e garante umas boas horas de ficção.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade