Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Jude Law: “Sempre adorei a maldição mortal”

Jude Law: “Sempre adorei a maldição mortal”

Jude Law é Dumbledore de "Monstros Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald". Falámos com o actor

Jude Law em Monstros Fantásticos
DR
Publicidade

J.K. Rowling continua a expandir o universo de Harry Potter, aliás, o seu passado, em Monstros Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald, com realização de David Yates. E Jude Law é um jovem Albus Dumbledore no novo filme. Aproveitámos e falámos da magia de encarnar um personagem que faz parte do imaginário dos seus filhos. 

Como é que te sentes agora que és um feiticeiro?

Houve alturas – como quando entrei na sala de aulas de Hogwarts ou discuti o tipo de varinha que mágica que queria usar – em que dei por mim a pensar: “Meu deus, estou mesmo neste mundo.” É um mundo com que os meus filhos cresceram, li os livros e vi os filmes, por isso é tudo muito familiar. Agora estou cá dentro e posso dizer que é uma experiência estranha e maravilhosa.

Isso quer dizer que escolheste mesmo a varinha mágica que querias usar, como se estivesses no mundo do Harry Potter?

Sim, escolhi uma Ollivander. Disse: “Quero aquela” [risos]. Na verdade não foi bem assim. Eles tinham umas quantas que eu podia escolher e disse só qual é que preferia.

Qual é o teu feitiço favorito?

Vou parecer um psicopata, mas sempre adorei a “Avada Kedavra”.

O que é isso?

É a maldição mortal. É a pior. Mas o nome tem qualquer coisa… Não sei. Quando a li no livro pela primeira vez passava o tempo todo a dizer, num tom de voz maligno, “Avada Kedavra”. Achei que uma pessoa tinha de ser uma escritora do caraças para se lembrar disso. E também há aquele feitiço que o Snape inventou, que te faz sangrar... Não me lembro do nome, mas é incrível.

Gostas dos feitiços mais violentos, é isso?

Acho que sim. Não devia estar a revelar isto...

O lado negro do Dumbledore...

Não, não, não. O meu.

Estavas a dizer que leste os livros e viste os filmes com os teus filhos – eles estão a azucrinar-te para revelares detalhes sobre
o enredo?

Bom, eles já são adolescentes, portanto não é o mesmo que teria sido quando eram pequenos. Mas estou muito nervoso. Descobrimos as histórias do Harry Potter juntos e agora eu entro nelas. Espero que os meus filhos achem que sou um Dumbledore decente.

Ficaste contente por não teres de ter aquela longa barba branca, por estares a interpretar um jovem Dumbledore?

Não sei. Por acaso pensei que ia estar assim no filme. Quando fiz os testes de câmara tentei levar as coisas nessa direcção e ficou toda a gente tipo “não… ainda faltam 90 anos para isso”.

Estavas preparado para andar de barba branca?

Estava curioso por ver o que é que fazíamos. Aqui entre nós, gostava de andar de kaftan [uma espécie de túnica] quando chegasse a altura do último filme. Adorava aparecer pelo menos uma vez num kaftan de seda. E talvez deixe a barba crescer e crescer.

Um bocadinho maior em cada filme.

Sim. A ver vamos. Mas não vou chegar a ter uma barba pelos joelhos.

Fala-se muito da orientação sexual do Dumbledore. Abordam isso no filme?

A Jo Rowling deixou claro há muitos anos que ele era gay, e quando lhe perguntei isso, ela confirmou-o. Aqui nem é tanto uma questão de ser gay ou não. Tem mais a ver com a pessoa por quem ele se apaixona. Começamos a falar disso neste filme, mas ainda está muito mais para vir.

Conversa filmada

Joe Cole
Andy Parsons
Filmes

Joe Cole: "Nunca pensei que ia ser actor"

É difícil imaginar uma coisa mais dura de fazer do que Prece ao Nascer do Dia, que estreia esta quinta-feira nas salas portuguesas. Filmado numa prisão de Banguecoque e baseado na história verdadeira do boxer toxicodependente Billy Moore, o filme realizado por Jean-Stéphane Sauvaire precisou de um actor principal preparado para ser ferido em combate em nome da arte. Esse actor é Joe Cole, o inglês de 29 anos que ficou conhecido com a personagem de John Shelby na série Peaky Blinders. Como Cole explica à Time Out, não foi preciso pensar duas vezes para alinhar.

Saoirse Ronan
Photograph: Ben Rayner
Filmes

Saoirse Ronan: "O amor é importante, mas não é tudo"

Saoirse Ronan ainda se lembra de quando levou a mãe aos Óscares e quase perderam o discurso de abertura. Era a segunda vez que Ronan estava na cerimónia, nomeada pela sua participação em Brooklyn, de John Crowley. Enquanto a maior parte dos actores passam uma vida inteira sem cheirar um Óscar, ela foi nomeada pela primeira vez com 13 anos, pelo seu papel em Expiação, realizado por Joe Wright a partir de um romance de Ian McEwan. Agora com 24 anos, volta a entrar numa adaptação de um livro de McEwan: Na Praia de Chesil, dirigido por Dominic Cooke.

Publicidade
Joaquin Phoenix
Mathew Brazier
Filmes

Joaquin Phoenix: “Os clichés dos filmes de acção deixam-me nervoso”

Joaquin Phoenix ainda mal acordou quando abre a janela e começa a fumar. É sábado de manhã em Londres, muito cedo, mais ainda mais para ele, meio abananado pelo jet lag – um homem no seu próprio fuso horário. Na verdade, ele parece estar assim desde que o vimos em Lar, Doce Lar... às Vezes (1989), de Ron Howard, quando tinha apenas 14 anos. É uma anti-estrela de cinema que faz as coisas à sua maneira, sempre um pouco desalinhado e com o mundo a girar à sua volta.

Publicidade