Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Nathalie Emmanuel: “A televisão deve parecer-se com o mundo e ser diversa”
Nathalie Emmanuel
Jay Maidment Nathalie Emmanuel em ‘Quatro Casamentos e Um Funeral’

Nathalie Emmanuel: “A televisão deve parecer-se com o mundo e ser diversa”

‘Quatro Casamentos e Um Funeral’, série inspirada na célebre comédia romântica de Richard Curtis, estreou-se em Portugal a 19 de Maio. Falámos com a protagonista, a actriz inglesa Nathalie Emmanuel.

Por Mariana Duarte
Publicidade

Conhecemo-la da série A Guerra dos Tronos e dos filmes Velocidade Furiosa. Agora vamos vê-la em algo completamente diferente, mas a encarnar uma personagem que tem tudo a ver com ela. Nathalie Emmanuel é Maya, figura central de Quatro Casamentos e Um Funeral, série inspirada no filme homónimo (1994) de Richard Curtis, mago das comédias românticas britânicas.

Criada por Mindy Kaling e Matt Warburton, esta série faz uma actualização do filme através de um olhar millennial e progressista, numa Londres como ela realmente é, multirracial, e com um elenco diverso a condizer. De resto, os ingredientes seguem a típica receita rom com: dramas amorosos, amizades complicadas, emoções à flor da pele e canções foleiras. “Toda a gente precisa de comédias românticas nas suas vidas”, diz Nathalie Emmanuel.

Esta é a sua primeira comédia romântica. O que foi mais desafiante?
Toda a comédia tem um tempo próprio. Muitas vezes, o instinto é fazer comédia, mas na verdade jogar contra ela é o que pode ter mais piada. Aprendi muito ao observar os outros actores, que já tinham feito várias comédias. E o facto de ter de fazer sotaque americano foi, só por si, um desafio. Todos os trabalhos são desafiantes, mas nunca tinha feito um papel com tanta sensibilidade.

Não tem nada a ver com a Missandei, de A Guerra dos Tronos.
Não poderia estar mais distante. A Missandei era muito calada, muito resguardada, enquanto a Maya fala abertamente e sente que tem de o fazer. Nunca se cala [risos].

O que considera mais interessante e refrescante na abordagem de Mindy Kaling ao formato da comédia romântica?
A minha coisa favorita na escrita da Mindy, no geral, é a forma como representa as mulheres. Normalmente, nas comédias românticas, as mulheres têm de ser a mulher ideal, o que significa que tendem a não causar muitos problemas e que têm de agir de uma certa maneira. A representação das mulheres nesta série é bastante complexa. Têm muitos traços de personalidade, que nem sempre são bons. Gosto que tenha criado pessoas reais e não arquétipos. Estamos a ver um reacender da popularidade das comédias românticas e, na sua maioria, estão a ser escritas por mulheres. Elas estão a representar as mulheres como nós as queremos ver.

Faz diferença ter mulheres na equipa de argumentistas, portanto.
Definitivamente. Para ser honesta, também há argumentistas homens incríveis na série. Mas a Mindy, a par das outras e dos outros argumentistas, fez aquelas mulheres extraordinariamente interessantes e relacionáveis. Mesmo quando elas fazem coisas desagradáveis, queres torcer por elas. Acreditas que existem, ao contrário das personagens que vias nas comédias dos anos 80 e 90.

A série tem um elenco etnicamente diverso e aborda temas como o racismo, a imigração, o feminismo, a masculinidade e as políticas conservadoras, o que é uma diferença abismal em relação ao filme. Isto foi importante para si?
É sempre importante para mim. Apreciei imenso o cuidado no que toca às decisões sobre que tipo de série fazer e o que dizer. Só a decisão de ter um elenco inclusivo e diverso é incrível. Quando vês pessoas como tu no ecrã é um momento enorme. Eu lembro-me de quando isso me aconteceu. A televisão actual deve parecer-se com o mundo que vemos lá fora: um mundo diverso.

É uma defensora activa dos direitos das mulheres e da igualdade social. A Maya também luta por essas causas no seu trabalho, enquanto redactora de discursos políticos. Viu-se reflectida nela?
Absolutamente. Adoro o facto de ela falar sobre essas coisas e de acreditar nelas, porque eu também sou assim. Uma coisa muito interessante é que ela não vê como adversário o político conservador com quem acaba por trabalhar. Vê-o como um desafio, e talvez possa ajudá-lo a mudar, a empatizar com o que ela diz. A relação deles remete-nos para algo que o mundo precisa: o diálogo entre duas visões do mundo muito diferentes. Devíamos trabalhar nisso.

Várias pessoas dizem que a série tem muito pouco a ver com o seu ponto de partida, ou seja, o filme. Qual é a sua opinião?
Boa parte da estrutura é a mesma. Tem a ver com pessoas a negociar o amor, o casamento, a família, a amizade. Mas é um re-imaginar destes temas, com novas personagens e novos enredos. É uma carta de amor às comédias românticas e aos filmes do Richard Curtis. Penso que é impossível fazer uma série igual ao filme, porque o mundo agora é diferente. Uma das coisas que me deixou muito feliz foi ver Hounslow [zona de Londres com uma grande comunidade indiana e paquistanesa] representada numa comédia romântica. Aquela cena do Notting Hill [de Richard Curtis] em que vês o Hugh Grant a caminhar na rua, com as estações do ano a mudarem, é recriada na série em Hounslow, que tem um ambiente cultural muito específico. Tens de trazer a diversidade de Londres para o que estás a fazer agora. Não seria uma imagem verdadeira se não o fizesses.

Quem não costuma gostar de comédias românticas pode gostar desta série?
Sim. Quer dizer, quem é que não gosta de comédias românticas? Toda a gente precisa delas nas suas vidas. Quem é que não quer rir, chorar, ficar frustrado, mas tudo com aquele sentimento de quentinho bom do amor? Toda a gente precisa disso, sobretudo nestes tempos loucos.

AMC. Ter 22.10 (estreia T1). Disponível na posição 63 do MEO.

Mais séries para ver

The Last Dance
©IMDB

As melhores séries do momento

Filmes

Com o aumento da concorrência, as plataformas de streaming parecem não querer deixar prisioneiros e cada nova aposta é um all in. E a qualidade do produto que nos vai chegando é o reflexo dessa ambição. Da dinastia dos Chicago Bulls às duas personalidades de Mark Ruffalo, o que não falta são boas razões para colar ao ecrã com as melhores séries do momento.

Sul (série)
RTP

Dez séries portuguesas para ver e recordar

Filmes

Longe vão os tempos em que a ficção na televisão nacional se resumia sobretudo às telenovelas. Nos últimos anos, a produção nacional de séries cresceu e provou que o formato pode funcionar. Mas também vale a pena voltar aos anos 1980 e recordar Duarte e Companhia – que está de volta ao pequeno ecrã, na RTP Memória.

Publicidade
Pan Am
Sony Pictures Television

Séries novas para ver nos canais abertos

Filmes

Há ainda muitas pessoas que não assinam a Netflix nem a HBO e não aderiram ao streaming nem subscrevem canais pagos, logo não têm acesso às séries que passam neles. Foi a pensar nelas que elaborámos esta selecção de séries que estrearam recentemente.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade