Novos Olhares na Cinemateca: o que não pode perder nos próximos dias

Três meses para mostrar a vitalidade e a diversidade do cinema português é a proposta da Cinemateca através de um ciclo dedicado à nova geração de realizadores. Esses, sim, que até ganham festivais

©DRJosé e Pilar

Em curtas e em longas-metragens, uma nova geração de cineastas, mais ou menos por sua própria conta, está a criar filmes que, se não cortam com a tradição cinematográfica, esforçam-se por aprender, afastar-se e procurar o novo. Fizeram mais do que um filme? Então estão no programa Novos Olhares, que invade a Cinemateca durante três meses. E os próximos dias vão ser assim…

Três meses de Novos Olhares na Cinemateca

Cama de Gato (2012)/ Fora da Vida (2015)/ Rhoma Acans (2012)/ Balada de Um Batráquio (2016)



Nesta semana do Ciclo Novos Olhares a atenção dirige-se para o trabalho de Filipa Reis e João Miller Guerra, por um lado, e, por outro, para dois curtos filmes de Leonor Teles (que estará presente nesta sessão).

Em Cama de Gato e Fora da Vida (que foi Melhor Curta-Metragem portuguesa no IndieLisboa, em 2015), Filipa Reis e João Miller Guerra retratam a existência no bairro da Bela Vista, em Setúbal. No primeiro (com Ivana Afonso, António Anjos e Vera Baião) através das atribulações de uma mãe adolescente para criar o seu filho e, por assim dizer, ainda ter uma vida para além da maternidade. Em Fora da Vida (com Isabel Cardoso, Miguel Moreira, Mário Monteiro, Monique Montenegro, Ana Lisboa e Salvador Santos), por sua vez, a câmara “acompanha os passos de várias pessoas pelos caminhos que o levam para fora dele, traçando, pelas sugestões da ficção, um mapa para as suas vidas.”

É verdade que o libelo anti-discriminação dos ciganos, Balada de Um Batráquio, valeu a Leonor Teles o Urso de Ouro no Festival de Berlim, ainda o ano passado, em muito pela sua abordagem determinada (estilo: rebelde com causa) e quase humorística, por isso também mais eficaz, da segregação racial. Mas Teles não começou aqui, pelo que vale a pena prestar atenção ao quarto de hora que dura Rhoma Acans e ver como quatro anos antes o seu cinema já mostrava sinais de diferença.

Sexta, 10, 19.00.

Ler mais
Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Tales on Blindness (2014)



Vem tudo, no filme de Cláudia Alves, de uma lenda indiana que conta como seis homens cegos tocam em diferentes partes de um elefante e tentam adivinhar o que têm pela frente. Todos dão uma resposta diferente; e a resposta é, em simultâneo, certa e errada. Podia agora esperar-se uma dissertação sobre a realidade e a sua percepção. Mas não é essa a opção da realizadora, que usa a metáfora dos cegos para construir, em seis partes, uma visão da Índia “que busca os traços de um passado colonial português, tanto em traços reais como nos mitos que se cruzam com o seu caminho.”

Segunda, 13, 19.00.

Ler mais
Avenida da Liberdade/Príncipe Real
Publicidade

José e Pilar (2010)



O filme de Miguel Gonçalves Mendes (presente na sessão, com Pilar del Rio) sobre José Saramago é decerto o mais conhecido do lote. E a razão não é apenas por acompanhar o escritor, já celebridade internacional, após o Nobel da Literatura, em 1998, nos últimos anos da sua vida. Mas porque de alguma maneira o realizador “encontrou-se” com o pensamento de Saramago e por ele se deixou conduzir através dos livros e da vida e do amor, criando, assim, uma obra serenamente esclarecedora.

Quarta, 15, 19.00.

Ler mais
Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Mais cinema em Lisboa

Lubitsch Americano: um mês de filmes de encantar na Cinemateca

A Cinemateca criou uma espécie de teia de ciclos para apresentar toda a obra de Ernst Lubitsch. O cineasta, que viveu entre 1892 e 1947, não teve uma vida longa, mas chegou para dirigir mais de sete dezenas de filmes e encontrar lugar próprio entre os ícones de Hollywood. Sete amostras.   

Ler mais
Por Rui Monteiro

"Deviam fazer um São Jorge II. O Rocky também teve sequela"

Quando a austeridade acerta em cheio no país, Jorge é um homem à beira do KO. No novo filme de Marco Martins, não há santos nem milagres que valham a um pugilista a braços com dramas pessoais e cobranças difíceis. Durante dois anos, Nuno Lopes, o protagonista do título que se estreia esta semana nas salas de cinema, preparou o físico e ensaiou uma chuva de directos e ganchos num ginásio na Avenida de Ceuta. Falámos com Paulo Seco, o treinador de boxe que acabou a fazer dele próprio nesta fita.

Ler mais
Por Maria Ramos Silva
Publicidade

As melhores salas de cinema de Lisboa

Com o calor de rachar catedrais que tem estado em Lisboa, encontrar refúgio num cinema é fazer o milagre da Primavera em pleno Verão. Mas oásis com ecrã e ar condicionado há muitos.  A Time Out avalia por objectivos as melhores salas de cinema da cidade.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Comentários

0 comments