Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Nuno Lopes: “É divertido brincar com o conceito de masculinidade”
Nuno Lopes em White Lines
Netflix Nuno Lopes contracena com Laura Haddock na série

Nuno Lopes: “É divertido brincar com o conceito de masculinidade”

Nuno Lopes estreia-se na Netflix, esta sexta-feira, com ‘White Lines’. A série junta as produtoras de ‘La Casa de Papel’ e de ‘The Crown’, o que faz antecipar um novo êxito da plataforma de streaming. Falámos com ele.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

A nova série da Netflix, White Lines, transporta-nos para uma Ibiza dos anos 1990, ainda um pouco distante da massificação do turismo que agora assola a ilha espanhola. Passada a dois tempos, mistura em dez episódios drama, policial e comédia: somos levados numa viagem, com um intervalo de 20 anos, ao mundo das discotecas, aos meandros da noite e da sensualidade que a envolve. O actor de Alice (2005) e São Jorge (2016) veste a pele de um chefe de segurança privada, contracenando com Laura Haddock e Daniel Mays, nomes associados a grandes produções em Hollywood. Nuno Lopes há muito que procurava um desafio que o fizesse ficar fora de pé. Encontrou-o nas águas cristalinas das Ilhas Baleares.

Trabalhar numa produção que envolve nomes como Alex Pina (autor de La Casa de Papel) e com produtoras como a Left Bank Pictures (The Crown) e a Vancouver Media (La Casa de Papel) foi algo muito diferente do que estava habituado?
A produção é muito diferente sobretudo em termos de meios. Uma série em Portugal, com dez episódios, teria sido filmada em dois meses e meio, no máximo. Esta demorou seis. Há mais tempo para fazer cada cena, há mais dinheiro, podem repetir-se cenas que não ficaram bem. Mas, depois, quando se está fechado num barco com dez elementos da equipa a filmar, é exactamente igual. É como se estivesse a fazer um filme para a Escola Superior de Teatro e Cinema.

O trailer mostra um mundo de festa, de drogas. Mas também de acção, de violência e de comoção. Toca em tudo.
A série tem vários lados. Os actores costumavam referir-se ao guião como uma montanha-russa. Quando recebíamos os episódios, perguntávamos “Então, como vai ser hoje?”. “Uma montanha-russa”, diziam. Quando se começa a ver a série, é como se se estivesse num carrinho [de montanha-russa] a subir devagar, e parece que o ritmo será sempre assim. De repente, quando se chega ao pico, utilizando uma terminologia Covid, começa-se a descer e é uma loucura de loopings e de curvas a 90º e de grandes forças G.

Simplificadamente, a série é sobre a morte de um DJ há 20 anos e sobre a chegada da sua irmã à ilha para descobrir o que aconteceu. É isso, ou há algo mais?
Uma das razões pelas quais aceitei este desafio foi por se tratar de algo que nunca tinha visto. Nos primeiros 20 minutos parece apenas uma tragédia, a típica série de crime sobre uma tragédia pessoal. Mas, na verdade, é sobre uma bibliotecária de Manchester que chega a uma Ibiza das noites de música electrónica, das drogas, das orgias, da máfia. É a chegada de uma personagem simples, fechada num mundo cinzento, a um destino exuberante. À medida que a série avança, começa a ser mais alucinada e, sobretudo, cómica.

Parece haver um tom satírico em relação à noite, à festa em Ibiza.
Essa era a ideia. Criticar o que Ibiza é hoje. A série passa-se em duas épocas. Há um lado satírico em relação à forma como se olha o mundo da noite de Ibiza, neste momento. Tornou-se banal e os DJs de electrónica, de repente, tornaram-se estrelas pop. Há uma reflexão sobre isso no personagem do Alex Collins.

À primeira-vista, Boxer faz lembrar Jorge, em São Jorge. Um tipo áspero e robusto.
Acho sempre divertido brincar com o conceito de masculinidade. Normalmente, sou chamado para fazer estas personagens devido à minha compleição física, que têm uma certa robustez. Mas já há suficientes filmes de acção em que os tipos só são fortes. Gosto de brincar com isso e de trazer um outro lado à personagem, de pôr em causa esse preconceito de masculinidade e de que o homem não chora.

E quem é então Boxer?
É um tipo culto, inteligente, cool, ligado a festas. Tem um lado cómico que não existe no Jorge.

Com a pandemia, as produtoras estão paradas, mas as distribuidoras não parecem afectadas. A Netflix superou, em valor de mercado, uma das maiores petrolíferas norte-americanas. O streaming tomará conta do mercado?
Este beneficiamento da Netflix é péssimo para todos. As pessoas estão mais em casa e vão ver mais streaming. Mas o que a Netflix não filmar em 2020 não existirá para o público ver no próximo ano.

E o cinema e o teatro em Portugal?
Estamos numa situação muito grave. O Governo apresentou algumas propostas que, na minha opinião, são parcas. Temos de perceber que a cultura é precária há muitas décadas. Quando uma crise atinge um meio precário, tem repercussões irremediáveis.

O Governo anunciou algumas medidas de apoio para a cultura.
Quando o Governo anuncia o adiamento das peças de teatro, com apoios divididos em duas partes, está a pôr os actores que já ganhavam mal numa situação duplamente precária.

Portanto, só irá piorar.
Estava a filmar com o Marco Martins Provisional Figures Great Yarmouth, em Inglaterra. Filmámos um terço do filme e tivemos de parar para voltar a Lisboa, por causa da pandemia. Não sabemos quando retomaremos as filmagens. O cinema em Portugal já se faz com grandes limitações. Fazemos omeletes sem ovos e, de repente, o único ovo que temos vem rachado. Espero que este Governo, que foi tão apoiado pelas gentes da cultura, demonstre, de uma vez por todas, de que lado quer estar.

Mais para ver na Netflix

Unorthodox
Foto: Netflix

Sete novas séries da Netflix que vale a pena ver

Filmes

Não é possível falar de séries sem falar da Netflix. Afinal, é muito graças à forte aposta deste serviço de streaming na produção audiovisual que o panorama televisivo melhorou nos últimos anos. É a nova era dourada da televisão e todas as semanas se estreiam séries e filmes que só se encontram na Netflix. O difícil muitas vezes é, na verdade, acompanhar o ritmo. 

A Irmandade
Netflix

Dez conteúdos em português que tem de ver na Netflix

Filmes

A ideia, inicialmente, era fazer uma lista com os conteúdos portugueses disponíveis na Netflix, mas rapidamente se percebeu que a oferta continua a ser inexistente. E a situação não deve melhorar muito nos próximos tempos, embora não faltem promessas de que a seu tempo as produções portuguesas cheguem ao serviço. Assim sendo, dizemos-lhe antes o que vale a pena ver na língua de Camões, do lado de lá do Atlântico. 

Publicidade
The Two Popes
©IMDB

Os filmes originais Netflix que tem de ver

Filmes

Era quase impossível encontrar melhor timing para lhe darmos conteúdo deste. Sim, deste que requer pouco mais do que agarrar no comando, sentar-se ou deitar-se, ajeitar as almofadas, escolher o conteúdo e carregar. Fácil ao nível do exercício físico, talvez não tanto ao do psicológico. É que são 22 filmes originais Netflix, o que quer dizer que há muita coisa à qual deitar o olho e, depois de começar, dificilmente vai querer voltar atrás.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade