Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Clássicos de cinema para totós. Os melhores filmes dos anos 40
Casablanca
Casablanca

Clássicos de cinema para totós. Os melhores filmes dos anos 40

De "Casamento Escandaloso", de George Cukor, a "O Terceiro Homem", de Carol Reed, eis os melhores filmes dos anos 40

Por Rui Monteiro
Publicidade

A guerra foi a principal preocupação do mundo durante metade da década de 1940. Mas isso não impediu o cinema de crescer como arte, nem os filmes de entreter o público, umas vezes como escapismo, outras como alerta de consciências. E, no caso dos melhores filmes dos anos 40, como O Mundo a Seus Pés, de Orson Welles, Quando os Sinos Dobram, de Michael Powell e Emeric Pressburger, ou O Ladrão de Bicicletas, de Vittorio De Sica, progredindo na narrativa e na montagem, dando a ver um novo e cada vez mais diverso cinema.

Recomendado: Clássicos de cinema para totós

Os melhores filmes dos anos 40

Casamento Escandaloso (1940)

Dizer que este filme de George Cukor (originalmente baptizado The Philadelphia Story) é a melhor comédia romântica de sempre é um pouco exagerado, porém… Uma inteligente adaptação de Phillip Barry do êxito da Broadway e a grande vontade de Katharine Hepburn (convenhamos, uma das actrizes do panteão onde por enquanto só tem a companhia de Meryl Streep) em mostrar que não era nenhuma tonta e que era muito bem capaz de produzir um filme (como aliás já produzira a peça) que fosse um êxito fizeram o caminho. Howard Hughes entrou com o resto do dinheiro, Hepburn tratou de convencer os talentosos John Howard, Cary Grant e James Stewart para lhe darem as réplicas e Cukor para realizador. E a história da herdeira mimada que vai casar com um milionário, mas acaba por cair por um dos outros pretendentes, foi de facto um êxito e, durante décadas, o molde de muitas comédias românticas antes do flagelo Katherine Heigl.

O Mundo a Seus Pés (1941)

Foi a estreia no cinema de Orson Welles e por conta do seu uso revolucionário da fotografia, da narrativa e da montagem tornou-se um (para muitos “o”) dos mais importantes e influentes filmes da história do cinema. A história do reclusivo magnata da imprensa Charles Foster Kane, intermediada pelo repórter interpretado por Joseph Cotten, devidamente assessorado por Dorothy Comingore e Agnes Moorehead, é uma obra esculpida na luz, com uma ousadia estética até aí nunca vista que contagia e determina o rumo da narrativa – que desde então nunca mais foi a mesma.

Publicidade

A Quimera do Riso (1941)

Um realizador de Hollywood politicamente liberal (no sentido norte-americano, o que na Europa quer dizer mais ou menos social-democrata) lê um livro, O Brother Where Art Thou? (não confundir com a comédia dos irmãos Cohen s.f.f.), que faz a personagem interpretada por Joel McCrea decidir deixar-se de conversas, fazer-se à estrada, e, como se fosse um vagabundo, ver como vivem o resto das pessoas no mundo real. O que ele aprende é o que o realizador Preston Sturges quer mostrar, isto é, uma América racista, preconceituosa, também generosa, nos seus dias, e capaz de solidariedade, mas, na generalidade, cruel para com os seus mais fracos. Ou seja: o contrário do que Hollywood mostrava como sonho americano apesar dos ecos da guerra (os Estado Unidos só entrariam da II Guerra Mundial em 1942) soarem como alarmes que a maioria fazia de conta não ouvir.

Casablanca (1942)

E agora, dizer o quê? Que Casablanca é o mais romântico e altruísta e humanista e antifascista dos filmes, ao mesmo tempo um eficaz filme de propaganda em que esta, porém, é dominada pela visão artística do seu realizador, Michael Curtiz, o que fez dele uma espécie de mito cinematográfico que ninguém se atreve a repetir (embora já tenha passado pela cabeça de alguns, felizmente contrariados por gente mais sensata e, felizmente, neste caso, com mais poder)? Ou que Humphrey Bogart, Ingrid Bergman, Paul Henreid e todos os outros actores, apesar dos excelentes filmes em que participaram (e em alguns casos salvaram), para sempre serão recordados por esta obra pela qual o estúdio dava pouco mais de um tusto? Ou que a frase “Play it again, Sam” nunca é dita durante aquela hora e meia? Caramba é Casablanca. Dizer mais o quê? Que tem sido uma bela amizade?

Publicidade

Pagos a Dobrar (1944)

O realizador Billy Wilder com o escritor Raymond Chandler como argumentista, Barbara Stanwyck e Fred MacMurray e Edward G. Robinson no elenco, enfim, aqui já está uma razão para a qualidade deste filme. Um filme simples e capaz de muito entretenimento, uma história de um oportunista vendedor de seguros metido com mulher fatal que conspira para matar o marido e sacar a fortuna, é o que é. Mas só quando se olha apenas à superfície das imagens, pois esta é obra em que interessa tanto, por vezes mais, o que se vê e o que diz como o que está nas sombras e o que nunca é pronunciado.

Do Céu Caiu Uma Estrela (1946)

O papel de James Stewart é o de um homem tão espontânea e genuinamente bom que a sua perfeição só pode doer ao comum dos mortais. Contudo, não. É com ele e com as suas atribulações que o espectador sofre, por muito ingénuos, para não dizer idiotas, que, de quando ao quando, sejam os pensamentos e as acções de George Bailey ao longo desta obra de Frank Capra. O realizador fez um filme de queda e redenção para toda a gente se sentir bem, mas ao não evitar percorrer os caminhos mais escuros da alma do protagonista introduziu elementos novos e, de certo modo, disruptores no conceito de cinema familiar – o que viria a dar bons frutos no futuro.

Publicidade

Quando os Sinos Dobram (1947)

Para princípio de conversa, nem tudo o que é bom cinema na década de 1940 vem da América. Por exemplo, no Reino Unido, mal acabou a guerra, os extraordinários Michael Powell e Emeric Pressburger entregavam-se, mais o seu melodrama espiritual, exótico e carregado de sexualidade, à orgia policromática do technicolor. No centro da acção está um grupo de freiras anglicanas (Deborah Kerr, Kathleen Byron, à frente de um elenco que inclui ainda Jean Simmons, David Farrar e Sabu) destacadas para um convento-escola-hospital algures nos picos dos Himalaias, que vive, literal e metaforicamente, à beira de um precipício com vista para o luxuoso palácio do sultão local, com todas as implicações, principalmente psicológicas, que a situação e um vento de arrasar os nervos pode provocar na líbido e no espírito de uma pessoa.

O Ladrão de Bicicletas (1948)

Itália é outro exemplo onde a produção cinematográfica no pós-guerra criou algumas das mais espantosas e (porque não?) vanguardistas obras. É verdade, o neo-realismo não tem a melhor das famas, mas, acreditem, tem o seu valor (que o diga o cinema social britânico, por exemplo). Provado, quase no final desta década, por Vittorio De Sica quando criou O Ladrão de Bicicletas com um elenco de profissionais e bastantes amadores e elevou o humanismo no cinema a um nível ainda hoje incomparável. Tudo com a singela história de um trabalhador (Lamberto Maggiorani) a quem roubam a bicicleta no primeiro dia do seu novo emprego e que, por isso, passa pelas mais diversas amarguras na sua busca, aproveitando o realizador para, pelo caminho, ir compondo um retrato animado e realista de Roma e dos romanos. Em jeito de bónus, foi o vencedor do Óscar para o Melhor Filme Estrangeiro.

 

Publicidade

A Corda (1948)

Foi o primeiro dos quatro filmes em que Alfred Hitchcock e James Stewart trabalharam juntos e é uma das mais arriscadas e ousadas e experimentais obras do realizador inglês transplantado para Hollywood. O objectivo era realizar este thriller num único plano-sequência, o que, na altura, era tecnicamente impossível. O desafio era, então, criar, com oito takes de 10 minutos, a ilusão de uma película registada de fio a pavio. E a ilusão criou-se, assim como o ambiente claustrofóbico desta história que se desconstrói a cada momento, assim criando uma espécie de incomodidade no espectador, como se ele, conhecedor do crime e do criminoso, fosse um cúmplice à beira de ser descoberto.

O Terceiro Homem (1949)

É preciso voltar ao Reino Unido para encontrar o último filme desta lista no paranóico universo da corrupção moral, económica e social criado por Carol Reed em O Terceiro Homem, na aparência um filme negro, contudo estimulantemente estilizado pelo realizador e pelo seu director de fotografia, Robert Krasker, em notável claro-escuro. A história vem de um romance de Graham Greene, passa-se em Viena, depois da guerra, quando à cidade chega o medíocre romancista Holly Martins (Joseph Cotten), sem cheta e desesperado por um emprego, forçado a tornar-se investigador depois da morte do seu amigo Harry Lime (Orson Welles) em condições suspeitas.

Mais clássicos de cinema para totós

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade