Razzie 2018: E o prémio Framboesa de Ouro de pior filme vai para...

A passadeira vermelha ainda estava a ser estendida, mas a consagração menos desejada em Hollywood não espera e a distribuição dos Prémios Framboesa de Ouro já estava a ser anunciada. 'Emoji – O Filme' é o grande vencedor.

Foi quase à justa, pois As Cinquenta Sombras Mais Negras deram luta na acumulação de categorias, mas a distribuição dos Razzie acabou por premiar, e pela primeira vez, uma animação. Pode dizer-se que é histórico. Na verdade é apenas uma boa pândega – desde 1981 a gozar com a indústria cinematográfica.

Razzie 2018: E o prémio Framboesa de Ouro de pior filme vai para...

Pior Filme, Pior Realização, Pior Argumento; Pior Combinação: Emoji – O Filme

Esta fantasia ciber-modernista de trazer emojis à vida já tinha corrido mal entre a crítica. Mais preocupante para a produção, porém, foi não fazer dinheiro que se visse.

Agora, em vez da cereja em cima, o bolo ganhou quatro Framboesas. Apesar da liderança de Transformers: O Último Cavaleiro com as suas nove nomeações (que, ironicamente, saiu de mãos a abanar), e de As Cinquenta Sombras Mais Negras carregarem oito, ou mesmo A Múmia sete, foi a animação a ganhar, pela primeira vez nos 38 anos de história dos prémios que distinguem o pior que se faz no cinema norte-americano. E não foi por pouco, sacando quatro troféus distribuídos pelos produtores, pela realização de Anthony (Tony) Leondis, e ainda pelo argumento, mais a pior combinação de personagens (“quaisquer dois emojis”).

Pior Actriz Secundária, Pior Remake/ Exploração/ Sequela: As Cinquenta Sombras Mais Negras

Grande candidato à acumulação de prémios – segundo na tabela de nomeações – o filme de James Foley foi talvez (embora seja uma questão de ponto de vista) o maior derrotado, pois nem Foley foi Pior Realizador nem Dakota Johnson a Pior Actriz.

A honra do filme acabou por ser defendida por uma veterana, com a atribuição do título Pior Actriz Secundária a Kim Basinger (na sua sexta nomeação), a que se acrescenta a vitória em uma das mais humilhantes categorias: Pior Remake/ Exploração/ Sequela.

Leia aqui a crítica da Time Out Lisboa a Cinquenta Sombras Mais Negras.

Publicidade

Pior Actriz: Tyler Perry em Boo! 2: A Madea Halloween

O comediante Tyler Perry, em filme ainda não exibido em Portugal, conseguiu o prémio de Pior Actriz, “por se vestir outra vez de mulher”, na sua interpretação de Madea em Tyler Perry's Boo 2! A Madea Halloween, prémio que já recebera, em 2013, por outro filme da mesma série, A Madea Christmas.

Perry, que ainda faz de Joe na mesma película, impôs a falta de qualidade da sua representação enfrentando adversárias de peso como são Katherine Heigl (Unforgettable), Dakota Johnson (As Cinquenta Sombras Mais Negras), Jennifer Lawrence (Mãe!) e Emma Watson (O Círculo).

Pior Actor: Tom Cruise em A Múmia

Tom Cruise chegou ao seu segundo Razzie. Porém, já que o primeiro foi atribuído a meias com Brad Pitt pelo desempenho de ambos em Entrevista com o Vampiro, em 1994, esta é a primeira vitória individual de Cruise.

Com a história da princesa egípcia que acorda e se escapa da cripta onde estava há uns séculos para espalhar o mal pelo mundo, A Múmia deu ao actor o galardão que lhe escapara quando foi nomeado por Cocktail, em 1988, e A Guerra dos Mundos, sete anos depois. Foi o que se costuma chamar uma vitória suada, pois a concorrência de Johnny Depp (Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias), Jamie Dornan (As Cinquenta Sombras Mais Negras), Zac Efron (Baywatch: Marés Vivas) e Mark Wahlberg (Pai Há Só Um... Ou Dois e Transformers: O Último Cavaleiro) era brava.

Leia aqui a crítica da Time Out Lisboa ao filme A Múmia.

Publicidade

Pior Actor Secundário: Mel Gibson em Pai Há Só Um... Ou Dois

Em 2015, com Os Mercenários 3, Mel Gibson parecia o mais forte candidato ao Razzie nesta categoria. Saiu-se mal, ou melhor, saiu-se bem, porque agora, com o seu papel em Pai Há Só Um... Ou Dois de avô idiota (contracenando com Mark Wahlberg, duplo candidato a Pior Actor pelos seus papéis neste filme e em Transformers: O Último Cavaleiro, e Will Ferrell) é que ganhou.

Mais uma vez, não foi fácil triunfo, pois na corrida encontravam-se igualmente Javier Bardem (Mãe!, e Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias), Russell Crowe (A Múmia), Josh Duhamel (Transformers: O Último Cavaleiro) e o respeitável Anthony Hopkins (Collide – A Alta Velocidade e Transformers: O Último Cavaleiro) apesar da sua descarada falta de jeito para escolher papéis.

Prémio Nomeado Tão Mau Que É Adorável: Baywatch: Marés Vivas

A categoria foi introduzida pela primeira vez nos Prémios Framboesa, em parceria com o sítio Rotten Tomatoes, e pretende premiar filmes que ganham graça por conta da sua extraordinária falta de qualidade, ou simplesmente parvoíce. A sorte grande saiu a Baywatch: Marés Vivas. O que não é nada mau, pelo menos na perspectiva de Michael Berk e Douglas Schwartz que, assim, não ganharam na categoria Pior Argumento pelo seu trabalhinho na reanimação da série dos anos 1990. Também terá agradado a Zac Efron, forte candidato a Pior Actor, e a Seth Gordon, que viu escapar-lhe o triunfo como Pior Remake/ Exploração/ Sequela.

Leia aqui a crítica da Time Out Lisboa a Baywatch - Marés Vivas.

Publicidade

E agora os melhores

"A Forma da Água" é o grande vencedor dos Óscares

O filme de Guillermo del Toro levou para casa quatro estatuetas douradas, incluindo as de Melhor Filme e Melhor Realizador, e partilhou a noite com momentos que vão ficar para a história dos Óscares, como o vencedor mais velho de sempre ou o primeiro trans a ser distinguido pela Academia. 

Ler mais
Por Vera Moura

Óscares 2018: Dez momentos electrificantes numa cerimónia morna

Nada alguma vez se vai comparar com a colossal confusão de há um ano, o engano no anúncio do Óscar para Melhor Filme que acrescentou o termo EnvelopeGate ao léxico cultural de Hollywood. Mas se é verdade que na noite passada não assistimos a qualquer calamidade – talvez porque seria demasiado previsível – a cerimónia dos Óscares conteve ainda assim uma mão cheia de momentos a puxar à ovação, na sua maioria a merecer os hashtags #Metoo e #Timesup e de alguma forma relacionados com as muitas ramificações da queda de Harvey Weinstein. Eis dez momentos sobre os quais se andará a falar nas próximas 24 horas. 

Ler mais
Por Joshua Rothkopf
Publicidade

Comentários

0 comments