Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Oito filmes românticos de Outono para (re)ver
When Harry Met Sally
© DR Meg Ryan e Billy Crystal em 'Um Amor Inevitável'

Oito filmes românticos de Outono para (re)ver

A estação é cinematográfica e propícia aos filmes de tom mais melancólico e romântico. Eis alguns dos melhores títulos.

Por Eurico de Barros e Tiago Neto
Publicidade

É, para muitos, a estação da depressão. A estação dos recomeços, do fim dos dias longos, a estação do vento que já faz tremer a pele e do desempoeirar dos casacos. Mas o Outono comporta algo de profundamente poético na sua melancolia, e o cinema nunca lhe ficou indiferente. Não é que procuremos um masoquismo induzido quando os olhos se fixam no ecrã, mas fugir desse cliché soa quase a anti-natura. Na lista em baixo encontra títulos de resposta aos dias frescos, filmes perfeitos para trocar a rua pelo sofá, para abraçar a inércia e experimentar a nostalgia sem pudores. Saiba quais são os filmes românticos de Outono que tem de (re)ver.

Recomendado: Os melhores filmes românticos de sempre

Oito filmes românticos de Outono

‘Folhas de Outono’, Robert Aldrich (1956)

Este drama romântico de Robert Aldrich tem como heroína Millicent Wetherby, uma mulher de meia idade, solitária e sem vida amorosa, que trabalha em casa como dactilógrafa. Num dia de Outono, conhece um homem mais novo, simpático e atraente, Burt Hansen (Cliff Robertson), apaixonam-se e vão casar-se ao México. No entanto, Millicent descobre que o marido tem um historial de perturbações mentais, e que já tinha sido casado, apesar de lhe ter dito o contrário. Aldrich recebeu o Urso de Prata de Melhor Realizador no Festival de Berlim.

‘Boneca de Luxo’, Blake Edwards (1961)

Breakfast at Tiffany's foi um êxito. Interessou a crítica e entusiasmou o público, razão mais do que suficiente para Hollywood olhar para aqueles lados e, pouco depois, Blake Edwards, com argumento de George Axelrod, começar a filmar um dos mais populares filmes da década de 1960 e fazer de Audrey Hepburn uma estrela. Estrela que (contracenando com George Peppard e Patricia Neal) tem o papel da sedutora e excêntrica Holly Golightly, rapariga empenhada em encontrar um milionário em Manhattan, convencer o homem a casar-se e no processo concretizar o seu sonho de ser... actriz. A fita foi nomeada para cinco Óscares, venceu dois (Melhor Canção e Melhor Banda Sonora, ambas assinadas por Henry Mancini), e ainda arrebatou nomeações para os Globos de Ouro de Melhor Filme e Melhor Actriz em 1962.

Publicidade

‘Love Story – Uma História de Amor’, de Arthur Hiller (1970)

Há muitos filmes da categoria “amor é doença incurável”, mas Love Story, escrito por Erich Segal (que só depois assinou o livro homónimo) e dirigido por Arthur Hiller, é o mais famoso e lacrimal de todos. Oliver (Ryan O’Neal), um universitário rico, e Jenny (Ali MacGraw), uma colega encantadora e sem papas na língua, apaixonam-se e casam-se, contrariando os pais dele, que o deserdam. Parecem destinados a ser felizes, mas Jenny descobre que tem leucemia.

‘Ana e as Suas Irmãs’, Woody Allen (1988)

Não é só Nova Iorque que é a vedeta nos filmes urbanos de Woody Allen, as estações do ano também. Várias das fitas novaiorquinas de Allen passam-se ou durante o Outono, ou contemplam também a estação em que as folhas começam a cair, sendo que o melhor de todos eles é Ana e as Suas Irmãs, cuja acção decorre ao longo de dois anos e é balizada pelas celebrações do Dia de Acção de Graças. Allen, Michael Caine, Mia Farrow, Barbara Hershey, Dianne Wiest, Maureen O’Sullivan e Max Von Sydow interpretam esta brilhante comédia dramática sobre três irmãs e os dois homens que as amam.

Publicidade

‘Um Amor Inevitável’, Rob Reiner (1988)

Uma das mais clássicas, encantadoras, bem-dispostas e bem-amadas comédias românticas passadas em Nova Iorque e de ambiência outonal, escrita por Nora Ephron e realizada por Rob Reiner. Meg Ryan e Billy Crystal são Harry e Sally, bons amigos há muitos anos, tendo-se conhecido quando ele lhe deu uma boleia de Chicago para Nova Iorque, depois de terem concluído os seus cursos. Passam ambos por várias relações amorosas, e a pergunta anda sempre no ar: será que um homem e uma mulher podem ser apenas bons amigos? Adivinhem qual a resposta do filme.

‘Lado a Lado’, Chris Columbus (1998)

Um melodrama de família de tons melancolicamente outonais, pensado para encharcar o conteúdo inteiro de uma caixa de lenços de papel, e realizado por Chris Columbus. Jackie Harrison (Susan Sarandon), uma dona de casa, e o marido Luke (Ed Harris) divorciaram-se, para consternação dos filhos Anna (Jenna Malone) e Ben (Liam Aiken). Pior ainda: o pai arranjou uma namorada mais nova que ele, Isabel (Julia Roberts), uma fotógrafa de sucesso. E quando tudo parecia não poder correr pior, Jackie é diagnosticada com um cancro.

Publicidade

‘Conto de Outono’, Éric Rohmer (1998)

O último do quarteto de filmes de Eric Rohmer, intitulado Contos das Quatro Estações. Magali (Béatrice Romand) tem 45 anos, é viúva e dedica-se à produção de vinho no Sul de França. Duas amigas, Isabelle (Marie Rivière) e Rosine (Alexia Portal) acham que Magali precisa de um homem na sua vida. Decidem arranjar-lhe um marido e põem um anúncio no jornal, ao qual responde Gérald. Rosine e Isabelle fazem então com que Marie e Gérald se encontrem no casamento da filha daquela. Mas a amiga interessa-se por outro homem que conhece lá, Étienne.

‘Amar em Nova Iorque’, Joan Chen (2000)

Realizado pela também actriz chinesa Joan Chen, e passado na Big Apple durante o Outono, Amar em Nova Iorque conta a história de um amor cujos intervenientes estão desirmanados na faixa etária e também nas personalidades. Ele, Will (Richard Gere), está à beira dos 50, é proprietário de restaurantes de sucesso e um “playboy” inveterado.  Ela, Charlotte (Winona Ryder), tem 22 anos e é um espírito livre. Apaixonam-se, e Charlotte revela a Will que sofre de uma doença de coração muito grave, que a poderá matar em breve. Venham os lenços de papel.

Do grande ecrã

Os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre

Filmes

O potencial cinematográfico (e não só) da ficção científica é quase infinito. É nestes filmes que os nossos maiores pesadelos podem tornar-se realidade e os nossos sonhos concretizar-se, ao mesmo tempo que é dito e posto em causa algo sobre o nosso presente. E o género sempre fez as delícias do público, desde o tempo dos efeitos especiais básicos e rudimentares dos filmes mudos ao excesso digital dos blockbusters contemporâneos. 

Os 100 melhores filmes de terror de sempre

Filmes

Escolher os melhores filmes de terror de todos os tempos é assustador, a todos os níveis. Sobretudo tendo em conta a atenção e adulação crítica que o género tem recebido em anos recentes. Ainda assim, quando chegou a altura de eleger os filmes mais assustadores de sempre, além dos críticos da Time Out, consultámos alguns especialistas e amantes do género. O resultado é uma lista variada e que inclui, inevitavelmente, algumas escolhas polémicas.

Publicidade

Os melhores filmes clássicos de sempre

Filmes

Comédias e westerns, policiais e melodramas, ficção científica e fantástico, sem esquecer o musical, há de tudo nesta lista preenchida com 75 dos melhores filmes clássicos. Nela encontramos obras de alguns dos melhores realizadores da história do cinema, como Buster Keaton, Fritz Lang, Akira Kurosawa, Ingmar Bergman, John Ford, Howard Hawks, Federico Fellini, François Truffaut, Jean-Luc Godard ou Luchino Visconti, entre muitos, muitos outros.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade