A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Drácula: Morto mas Contente
DR

Sete versões de Drácula no cinema e na televisão

Aproveitando o novo 'Drácula' da Netflix, recordamos várias interpretações anteriores do vampiro criado por Bram Stoker.

Escrito por
Eurico de Barros
Publicidade

O dinamarquês Claes Bang interpreta um conde Drácula entre o aterrorizador e o camp, na nova versão do clássico de Bram Stoker em exibição na Netflix. Aproveitando a deixa, recordamos outras interpretações anteriores da personagem do vampiro aristocrata, que vão do Drácula negro personificado por William Marshall nos anos 70, até às versões cómicas em que actores como David Niven, George Hamilton e Leslie Nielsen deram corpo a um vampiro mais dado às gargalhadas do que às mordidelas nos pescoços alheios. E não esquecemos, no registo de terror clássico, os papéis de Jack Palance, Louis Jourdan e Christopher Plummer.

Recomendado: Os dez melhores filmes de vampiros

Sete versões de Drácula no cinema e na televisão

‘Blacula’, de William Crain (1972)

Em pleno auge do cinema de blaxploitation, apareceu esta versão negra da história de Drácula, com William Marshall no papel de um príncipe africano que é transformado em vampiro pelo próprio conde no século XVIII. Duzentos anos mais tarde, o seu caixão é transportado por dois antiquários para Los Angeles, onde Blacula acorda do seu longo sono, sedento de sangue. Teve uma continuação, Scream Blacula Scream.

‘Vampira’, de Clive Donner (1974)

O veterano Jeremy Lloyd, um dos autores da série cómica ‘Allo, ‘Allo!, entre muitas outras, escreveu o argumento desta comédia onde David Niven interpreta um conde Drácula idoso e com problemas financeiros, que se vê obrigado a abrir o seu castelo a visitas turísticas, para ganhar dinheiro e arranjar vítimas novas cujo sangue vai ser usado para reviver Vampira, o seu grande amor.

Publicidade

‘A Vampira de Drácula’, de Dan Curtis (1974)

Jack Palance personifica Drácula de forma devidamente sinistra neste imaginativo telefilme escrito por Richard Matheson, com produção inglesa e rodado na Croácia. O conde anda em busca de uma rapariga que se pareça o mais possível com a sua mulher, morta há muito, para passar a eternidade com ela. O elenco inclui Simon Ward, Nigel Davenport, Pamela Brown e Fiona Lewis.

‘Count Dracula’, de Philip Saville (1977)

Este telefilme inglês é um dos melhores títulos de sempre sobre Drácula feitos no cinema ou na televisão, com o conde a ser interpretado pelo aristocrático Louis Jourdan com um toque de romantismo decadente. A história é bastante fiel ao livro original de Bram Stoker e a atmosfera gótica está muito bem conseguida pelo veterano realizador Philip Saville, que foi rodar ao norte de Inglaterra.

Publicidade

‘Amor à Primeira Dentada’, de Stan Dragoti (1979)

Nesta deliciosa comédia que ganhou estatuto de culto, George Hamilton é um conde Drácula expulso do seu castelo pelas autoridades comunistas da Roménia, que o querem transformar num ginásio estatal. O conde tem então que se instalar em Nova Iorque com o seu fiel servo Renfield, onde descobre as maravilhas do mundo moderno – incluindo os bancos de sangue.

‘Drácula: Morto mas Contente!’, de Mel Brooks (1995)

Esta foi a última realização de Mel Brooks e é uma paródia pegada ao mito do conde Drácula e aos filmes com a personagem e de vampiros em geral. Leslie Nielsen interpreta um Drácula não particularmente dotado em termos de inteligência e dado a escorregar em dejectos de morcego no seu castelo, e o próprio Mel Brooks assume o papel do professor Van Helsing.

Publicidade

‘Drácula 2001’, de Patrick Lussier (2000)

Nesta fita passada nos nossos dias, um grupo de ladrões liberta inadvertidamente o conde Drácula (Gerard Butler) da sua prisão. O vampiro viaja então para Nova Orleães, para se vingar na pessoa da filha do seu velho inimigo Van Helsing, mas este (Christopher Plummer) está atento e vai salvá-la, na companhia do jovem Simon (Jonny Lee Miller), que treinou para lhe suceder como caçador de vampiros.

Tenha medo, muito medo

Sete fantasmas mesmo assustadores
  • Filmes

Há casas, hotéis e até orfanatos assombrados nestes sete filmes de terror com fantasmas, assinados por realizadores como Robert Wise, Stanley Kubrick ou Jack Clayton.

Publicidade
Onze filmes de terror realizados por mulheres
  • Filmes
  • Terror

Foram sobretudo os homens que, historicamente, se sentaram na cadeira de realizador de filmes de terror (e não só). Mas esse desequilíbrio tem vindo a esbater-se. Porque a qualidade não tem género.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade