Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Escapadinha: A Place at Evoramonte

Escapadinha: A Place at Evoramonte

Queriam morar em Portugal e quase acabaram a viver num castelo. Fomos conhecer Vicki e Mitch Webber, donos desta guesthouse alentejana.

A Place at Evoramonte
A Place at Evoramonte
Por Ágata Xavier |
Publicidade

Muito alto, muito louro, muito pouco preocupado com o facto de estar a vestir um kilt escocês no calor do Alentejo. “Roubei-o à família da minha mulher, esta é a cor e o padrão do apelido da família dela e eles não se importam que o use”, diz Mitch Webber, uma das metades do A Place at Evoramonte, um novo alojamento local que surgiu na planície alentejana em Novembro de 2017. Mitch conheceu Vicki em 2000 e depois de alguns anos a viver em Inglaterra e na Tailândia mudaram-se para Evoramonte em Maio do ano passado. Ela é escocesa, ele nasceu na África do Sul – “Mas eu é que o deixo usar o kilt”, relembra Vicki.

A Place at Evoramonte

Nunca tinham estado em Portugal mas tanta gente lhes recomendou que viessem cá, “porque as pessoas eram simpáticas”, que acabaram por chegar e procurar casa. Depois de correrem alguns cantos do país, optaram por Évora, mas quando se preparavam para conhecer uma casa, deram com outra, recém-chegada ao site que habitualmente consultavam. Desde logo, algo lhes saltou à vista: “Pensámos, uau!, quero viver no castelo mesmo que não esteja para venda”, conta Vicki emoldurada pela torre de menagem de Evoramonte. Tomaram um café na varanda com o agente da imobiliária e apaixonaram-se pela freguesia.

Há muito que tinham vontade em abrir algo do género na Escócia, mas depois de terem vivido em Banguecoque durante quatro anos, explica Vicki, acabaram por se habituar ao calor e ao bom tempo: “A Escócia é bonita mas lá está sempre a chover”, brinca. 

A Place at Evoramonte

O A Place at Evoramonte tem quatro quartos, um deles é uma suíte com casa de banho privada (com direito a uma banheira vitoriana de pés e a vários álbuns do Tintim na parede) e uma vista PALplus sobre a planície – quem precisa de televisão quando se tem um ecrã destes? Há ainda uma área comum com jogos de tabuleiro, um minibar e um terraço onde se podem ver as estrelas enquanto se bebe um copo de vinho (e são vários os produtores que estão a menos de meia hora de distância, como João Portugal Ramos, a Herdade das Servas, Tiago Cabaço ou a Herdade do Freixo).

No local onde fica agora a esplanada estava anteriormente um estacionamento de um café. Felizmente inverteram-se os papéis e agora já se pode almoçar ou jantar com uma paisagem desafogada pela frente. É também nesse terraço que os hóspedes podem provar o pequeno-almoço continental até às 11 horas, depois disso a zona passa a estar acessível a quem lá quiser passar.

Publicidade
A Place at Evoramonte

É nessa mesma varanda que está Jorge Safara, habituado a fazer viagens com grupos até seis pessoas para ver aves. “Há 80 a 90 espécies de pássaros nesta zona”, explica, antes de parar a conversa para espreitar um abutre negro pelos binóculos — “uma ave que dificilmente nidifica em Portugal”, diz.

Toda a casa guarda objetos que o casal trouxe das suas viagens. Ao todo, já passaram por 45 países (assinalados num mapa mundo com pioneses azuis) como o Vietname, a Austrália, as Filipinas, a África do Sul, Cuba, Tanzânia ou Seychelles. Por agora, vão ficar bastante tempo em Evoramonte.

Outras escapadinhas

Hotéis

A Place at Evoramonte

Muito alto, muito louro, muito pouco preocupado com o facto de estar a vestir um kilt escocês no calor do Alentejo. “Roubei-o à família da minha mulher, esta é a cor e o padrão do apelido da família dela e eles não se importam que o use”, diz Mitch Webber, uma das metades do A Place at Evoramonte, um novo alojamento local que surgiu na planície alentejana em Novembro de 2017.

Viagens

The Pr1me Energize: um hotel com boa energia

Corre-se tanto no dia a dia e ainda há quem queira que se corra nas férias? À partida não parece o programa ideal para aqueles dias longe do trabalho, mas o que dizer quando se chega ao The Pr1me Energize, em Monte Gordo, no Algarve, que equipou o ginásio com as melhores máquinas do mercado e programou corridas e caminhadas por trilhos que se estendem paralelamente ao mar? Não há volta a dar: calçam-se as sapatilhas, veste-se a melhor roupa antitranspirante e ouve-se o “Eye of the Tiger” em repeat nos headphones.

Publicidade
Hotéis

Escapadinhas: na Herdade do Vau, rir é o melhor remédio

Herdade do Vau – assim se deveria chamar o vinho que Miguel de Sousa Otto começou a produzir em 2007. Mas na hora de o registar, já havia outro Vau e foi preciso pensar num nome diferente. Juntaram-se os amigos à volta de uma mesa e o que era suposto ser um brainstorming, transformou-se num jantar divertido, com muitos brindes e gargalhadas à mistura. Perante o cenário, Miguel sugeriu: “Porque não RISO?” Todos riram, todos assentiram, RISO ficou.

Publicidade