Ana Bacalhau: "Vejo-me como alguém que canta as histórias dos outros"

Ana Bacalhau, a voz de Deolinda, dá um concerto em Lisboa, esta sexta-feira, no Teatro Tivoli BBVA

©DRAna Bacalhau

Ana Bacalhau lançou o seu disco Em Nome Próprio em Outubro, e passado cerca de um mês os Deolinda anunciaram que iam fazer uma pausa. Antes do concerto de sexta-feira, no Teatro Tivoli, falámos sobre a sua carreira a solo e o futuro da banda.

 

A Deolinda anunciou um hiato por tempo indeterminado, em Novembro. É uma maneira de evitar dizer que acabou ou é mesmo uma só pausa?

Pelo menos da última vez que falámos era uma pausa (risos). Queríamos todos fazer coisas para lá de Deolinda, e calhava tudo na mesma altura. Começámos a falar e vimos que isto ia ser uma grande confusão para o público e para nós, porque íamos estar sempre a mudar de chip, e para evitar essa confusão achámos por bem fazer esta pausa.

Quando começaste a trabalhar neste disco Em Nome Próprio já sabias que iam parar?

Não. Quando comecei a gravar o disco, na minha cabeça, ia fazer as duas coisas em paralelo. Tanto que esperei algum tempo até achar que um disco a solo meu não faria mossa na carreira de Deolinda, ao mesmo tempo tempo que esperava pela minha maturidade. Depois do quarto disco de originais de Deolinda e dos dez anos, senti que faria sentido avançar para o disco a solo. Ainda não tinha pensado na pausa porque na verdade foi uma coisa a quatro.

Já tinhas dado concertos a solo, em Lisboa, muito diferentes entre si: no Teatro São Luiz, onde revisitaste as canções da tua adolescência, muita pop-rock anglo-saxónica, e no Caixa Alfama, onde cantaste o fado. Essas experiências influenciaram este álbum?

Foram essenciais. Não só para perceber o caminho que queria seguir, como os caminhos que já não faziam sentido para mim.

O disco tem um som menos português do que Deolinda, soa mais anglo-saxónico. É um reflexo daquilo que tu ouves?

Das minhas influências. Sempre me movi entre dois mundos, entre a tradição portuguesa e a pop anglo-saxónica. A tradição portuguesa  vem da minha família, da aldeia da minha avó, onde passei tantos verões, e do ambiente mais rural. E a cultura pop anglo-saxónica não tem a ver com a minha família, mas mais comigo, com o mundo mais citadino da Lisboa onde cresci. Foi por causa desse cancioneiro que comecei a tocar guitarra e a cantar e a escrever. E para mim fazia todo o sentido que esses dois mundos estivessem no meu disco a solo e pudessem coabitar de forma harmoniosa.

Tiveste um grande leque de autores portugueses a escrever para ti, do Samuel Úria à Capicua, passando pelo Afonso Cruz e o Carlos Guerreiro, dos Gaiteiros de Lisboa… Qual foi o critério destas escolhas?

A admiração pelo trabalho deles, em primeiro lugar. Vejo-me como intérprete, alguém que traduz e canta as palavras, emoções e histórias de outros, e eu queria há muito cantá-los. Conheço-os a todos pessoalmente, menos ao Afonso Cruz, e eles conhecem-me bem. Como o disco era para me apresentar a mim, pedi para eles escreverem sobre a Ana que conhecem. E é um grupo tão ecléctico e heterodoxo que o achei ainda mais perfeito para chegar a todos os caminhos, a todas as sonoridades, a que queria chegar.

Curiosamente, o Pedro da Silva Martins, de Deolinda, não fez nada neste álbum. Foi uma decisão consciente?

Foi. Até foi falado entre nós. Achámos que Ana e Pedro poderia resultar em algo muito semelhante a Deolinda. E não era isso que se pretendia com este disco, pelo que achámos que faria sentido separar os projectos.

Tens estado a cantar Em Nome Próprio pelo país, mas agora vais dar um concerto maior, em Lisboa, no Tivoli. Vai ser diferente do que tens estado a fazer?

Não. Será basicamente o concerto que tenho vindo a apresentar, porque acho mesmo importante, pelo menos por agora, continuar a apresentar-me a mim e ao disco. Canto as 15 canções e mais algumas versões importantes para mim: Trovante, Fausto, Variações... Estava com medo que as pessoas não achassem graça ou sentissem a falta de uma canção de Deolinda, mas não, o espectáculo tem estado a ser muito bem recebido.

Não cantas mesmo nada de Deolinda?

Não tenho incluído Deolinda. Isso não quer dizer que no futuro isso não possa acontecer, mas nestes concertos de apresentação acho importante não misturar as coisas. Depois, talvez. Para matar saudades das canções de Deolinda.

Ana Bacalhau. Teatro Tivoli. Sex 21.30. Entre 20 e 27€. 

Conversa fiada

Sérgio Godinho: "Ninguém é valente a vida inteira"

último disco de estúdio, Mútuo Consentimento, é de 2011, mas até chegar a este Nação Valente, Sérgio Godinho não parou de criar. É que se acaso pára, confessa, crescem-lhe borbulhas. Aos 72 anos, cresce o desassossego da escrita mas não se imagina sem criar música e sem lhe dar palco. O irmão do meio é cada vez o irmão mais velho, mas continua a semear parcerias e a colher o melhor de outras gerações.

Ler mais
Por João Pedro Oliveira

The Legendary Tigerman: "Um pobre diabo à procura da sua alma"

Três anos depois de True, The Legendary Tigerman está de volta aos discos. E de que maneira. Com Misfit, um álbum de rock and roll gravado em trio, com Paulo Segadães e João Cabrita, no mitifacado Rancho de La Luna, estúdio de Dave Catching (earthlings?) em Joshua Tree. E com o EP baladeiro Misfit Ballads. E com o filme Fade Into Nothing, de Furtado, Rita Lino e Pedro Maia, cuja banda sonora será editada mais tarde.

Ler mais
Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Mallu Magalhães: “Sempre soube que esse mundo de marshmallow não existia”

Vem, Mallu. Vem, que é o quarto disco e a convocatória da artista paulista para uma festa de samba e de rock sambado. Mais do que isso, é a certeza de que a vida não é assim tão maravilhosa, nem assim tão dramática. Seis anos após a edição de Pitanga, com a Banda do Mar e a maternidade pelo meio, Mallu Magalhães larga as gomas da fantasia e os contos de fadas acidentados.

Ler mais
Por Miguel Branco

Comentários

0 comments