A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Nenny
DRNenny

Seis concertos a não perder no Festival Iminente

O Festival Iminente chega pela primeira vez à Matinha entre quinta e domingo. Eis seis concertos a não perder.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

O Panorâmico de Monsanto já era pequeno para o Festival Iminente, que este ano ruma à Matinha para três dias de música e arte urbana, entre quinta-feira, 7 de Outubro, e domingo, 10. Depois de muitos álbuns lançados entre 2020 e 2021, há finalmente uma oportunidade para ouvir essas faixas ao vivo, algumas pela primeira vez. O cartaz está repleto de artistas portugueses (de Ana Moura a David Bruno, Nenny ou Jorge Palma) ou residentes em Portugal, apenas com algumas excepções. Para que não se perca na programação, dividida entre três palcos, dizemos-lhes os concertos a não perder.

Recomendado: Concertos em Lisboa em Outubro

Seis concertos a não perder no Festival Iminente

Scúru Fitchádu

Palco Cine Estúdio. Qui 23.30. 

Há funaná, há punk-rock e Scúru Fitchádu para os saber misturar como ninguém. O alter-ego de Marcus Veiga está de volta a mais um Festival Iminente e sobre ao palco logo na primeira noite.

Julinho KSD

Palco Gasómetro. Sex 21.30.
 
É uma nova estrela do rap português e chega ao Iminente pouco depois de ter partilhado com o mundo o álbum de estreia, Sabi na Sabura, editado pela Sony Music. O que esperar? "Muita festa e alegria. Vai ser muito power!", diz à Time Out.

 

Publicidade

Nenny

Palco Gasómetro. Sáb 21.00.

A jovem rapper de Vialonga já levou Tequila à plataforma de música ColorsxStudios, mas é no Iminente que se estreia em palco – contratempos de lançar um álbum em plena pandemia. A sua Bússula guia-nos no início da noite de sábado.

Slum Village

Palco Gasómetro. Sáb 23.00.

Iminente não seria Iminente se não houvesse alguma variante da cultura hip-hop. Depois de Common, na última edição física do evento, desta vez são os míticos Slum Village que fazem a festa na noite de sábado. A banda de Detroit (hoje sem dois dos membros originais do grupo) ocupa o maior dos palcos, o Gasómetro.

Publicidade

Ana Moura

Palco Gasómetro. Dom 22.30.

Ana Moura ainda não teve muitas oportunidades de apresentar ao vivo Jacarandá ou Andorinhas, duas músicas do esperado novo álbum. Enquanto este não chega, o Iminente é o momento para ouvir a fadista portuguesa que procura encontrar o seu lugar além do fado.

Pedro Mafama

Palco Gasómetro. Dom 19.30.

É um dos mais recentes fenómenos da música nacional. Não que Pedro Mafama tenha aparecido propriamente agora, mas a sua estética singular e remistura de géneros confirmou-se em Por Este Rio Abaixo, o álbum de estreia que ainda teve poucas chances de mostrar ao vivo e a cores.

Mais festivais

  • Música

Não é só no Verão que há festivais. O mês de Outono começa com o Iminente, a levar música e arte urbana ao Panorâmico de Monsanto, continua com o Santa Casa Alfama, que enche ainda mais o bairro de Alfama de fado, e termina com o Super Bock em Stock e música indie na Avenida da Liberdade. Pelo meio, há mais festivais, como o barreirense OUT.FEST, o Jameson Urban Routes ou o Misty Fest.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade