Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right “Concertos Brandeburgueses”: dez versões da obra inesgotável de Bach
Christian Ludwig
Christian Ludwig (1677-1734), margrave de Brandenburg: Apesar do ar imponente, Christian Ludwig teve papel apagado na história da Prússia e hoje é lembrado apenas porque Bach lhe dedicou uma colecção de obras-primas

“Concertos Brandeburgueses”: dez versões da obra inesgotável de Bach

O ciclo Noites de Queluz abre com o ensemble Zefiro a tocar os “Concertos Brandeburgueses”. Seleccionámos outras nove leituras da obra.

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Conhecemo-los como Concertos Brandeburgueses, mas não foi esse o título que Johann Sebastian Bach deu a esta colecção de seis concertos quando a enviou, a 24 de Março de 1721 a Christian Ludwig, margrave de Brandenburg e membro da casa real prussiana: foi Six concerts avec plusieurs instruments, assim mesmo, em francês, tal como a dedicatória, já que esta era, então, língua das gentes cultas e do meio musical na Alemanha – e em particular na Prússia.

A designação “plusieurs instruments” (“vários instrumentos”) não revela toda a riqueza da colecção de partituras, já que cada um dos concertos prevê uma formação diferente: o n.º 1 (BWV 1046) destina-se a duas trompas, três oboés, violino piccolo, fagote, cordas e baixo contínuo, o n.º 2 (BWV 1047) a trompete, flauta, oboé, violino, cordas e baixo contínuo, o n.º 3 a três violinos, três violas, três violoncelos, contrabaixo e cravo, o n.º 4 a violino, duas flautas, cordas e baixo contínuo, o n.º 5 a flauta, violino, cravo, cordas e baixo contínuo, o n.º 6 a duas violas, duas violas da gamba, violoncelo, contrabaixo e cravo. O que torna estes concertos ainda mais excepcionais é que cada uma destas combinações de instrumentos era inédita na História da Música.

Os musicólogos não conseguiram determinar com certeza a data e circunstância de composição dos Six concerts avec plusieurs instruments – embora seja provável que tenham surgido entre 1717 e 1721, no âmbito das atribuições de Bach como director musical da corte de Cöthen –, mas numa coisa estão de acordo: não foram compostos expressamente para o margrave de Brandenburg e é muito duvidoso que a modesta orquestra deste tivesse recursos e competência técnica para os tocar. E, com efeito, o manuscrito enviado por Bach ao margrave não exibe indícios de que tenha sido usado; quando o margrave de Brandenburg morreu, em 1734, a sua vasta biblioteca musical foi dispersa e os Six concerts avec plusieurs instruments só foram redescobertos em 1849.

A sua popularidade foi crescendo ao longo do século XX, sobretudo a partir do momento em que o movimento da “interpretação historicamente informada”, ao remover a patine interpretativa que cobria a música barroca, começou a revelar cores e detalhes fascinantes. As interpretações abaixo seguem todas os preceitos da “interpretação historicamente informada”. A ordenação diz respeito à data de gravação, não ao seu mérito, pois pertencem todas a um patamar a partir do qual deixa de ser produtivo ou sequer sensato fazer comparações: os Six concerts avec plusieurs instruments são inesgotáveis, o que significa que não há UMA interpretação perfeita, mas uma constelação de interpretações superlativas, cada um das quais proporciona uma visão enriquecedora sobre a obra.

De Brandeburgo a Queluz

Palácio Nacional de Queluz. Qui (17 de Outubro) 21.30. 15€.

Dez versões dos “Concertos Brandeburgueses” que precisa de ouvir

1. Musica Antiqua Köln

Direcção: Reinhard Goebel
Ano de gravação: 1986
Editora: Archiv

[III andamento (Allegro) do Concerto n.º 3]

2. Le Concert des Nations

Direcção: Jordi Savall
Ano de gravação: 1991
Editora: Astrée, reed. Alia Vox

[II andamento (Adagio) do Concerto n.º 1]
Publicidade

3. Tafelmusik

Direcção: Jeanne Lamon
Ano de gravação: 1993
Editora: Sony Vivarte

[III andamento (Allegro) do Concerto n.º 1]

4. Il Giardino Armonico

Direcção: Giovanni Antonini
Ano de gravação: 1996-97
Editora: Teldec, reed. Warner Classics

[I andamento (Allegro) do Concerto n.º 1]
Publicidade

5. Akademie für Alte Musik Berlin

Direcção: colectiva
Ano de gravação: 1997
Editora: Harmonia Mundi

[III andamento (Alegro) do Concerto n.º 4]

6. Café Zimmermann

Direcção: colectiva
Ano de gravação: 2000-10
Editora: Alpha

[I andamento (sem indicação de tempo) do Concerto n.º 6]
Publicidade

7. I Barocchisti

Direcção: Diego Fasolis
Ano de gravação: 2004
Editora: Arts Music

[I andamento (Allegro) do Concerto n.º 5]

8. Freiburger Barockorchester

Direcção: Gottfried von der Goltz & Petra Müllejans
Ano de gravação: 2013
Editora: Harmonia Mundi

[Concerto n.º 2, numa versão anterior pela mesma orquestra, gravada no Salão dos Espelhos do Palácio de Cöthen em 2000 e disponível num DVD Euroarts]
Publicidade

9. Hofkapelle München

Direcção: Rüdiger Lotter
Ano de gravação: 2013
Editora: Deutsche Harmonia Mundi

[III andamento (Presto) do Concerto n.º 4]

10. Zefiro

Direcção: Alfredo Bernardini
Ano de gravação: 2017
Editora: Arcana

[I andamento (sem indicação de tempo) do Concerto n.º 2]

Mais música barroca

Johann Sebastian Bach
©DR

Oito visões das Suítes para violoncelo solo de Bach

Música Clássica e ópera

As Suítes estavam muito esquecidas quando, em 1889, Pablo Casals, então com 13 anos, deu com uma velha edição numa loja de partituras em segunda mão – passaria os 13 anos seguintes a tocá-las diariamente, até julgar-se capaz de as apresentar em público.

Salamone Rossi
©DR

Oito compositores judaicos do período barroco

Música Clássica e ópera

Um concerto do Ludovice Ensemble revela um dos segredos mais bem guardados da história da música: os compositores judaicos do período barroco. Eis alguns dos nomes representados no programa “Barroco Sefardita”.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade