Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Concertos em Lisboa em Janeiro

Concertos em Lisboa em Janeiro

Ano novo, vida nova. Ou pelo menos novos concertos em Lisboa. Mas ainda a conta-a-gotas

aldina duarte
©Rita Carmo
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Ano novo, vida nova. Pelo menos é o que se diz. Janeiro é altura de balanços, de mudanças e promessas de melhoramento pessoal que não tardam muito a ser quebradas. Talvez por isso, ou por causa do frio que se costuma sentir, os concertos não abundam – a agenda ainda vai encher-se um pouco mais, de semana para semana, mas não muito. O que não quer dizer que não haja quem se esforce para nos fazer sair de casa. E é gente boa. De Gal Costa e Steven Wilson (dos Porcupine Tree) à fadista Aldina Duarte, passando por Rokia Traoré ou Mulatu Astatke, entre outros.

Recomendado: Concertos em Lisboa

Mais música

António Zambujo
Fotografia: Arlindo Camacho
Música

Os melhores discos portugueses de 2018

O que é nacional é bom. E, pelo menos no caso da música, está cada vez melhor. Da música popular portuguesa de António Zambujo, Sérgio Godinho ao fado de Carminho e Cristino Branco, passando pela nova tradição de B Fachada, a música todo-o-terreno dos Dead Combo, a batida mutante de DJ Nigga Fox, a pop electrónica dos Iguanas, a liberdade indie de Filipe Sambado ou o rock dos Glockenwise.

Música

Os melhores discos de jazz de 2018

A Grã-Bretanha anda desnorteada e a angústia em relação ao pós-Brexit adensa-se, mas o jazz britânico nunca esteve tão pujante: quatro dos grupos responsáveis pelos melhores discos de jazz de 2018 são súbditos de Sua Majestade (embora um dos músicos envolvidos não se reveja nela). O jazz português também está cá representado, por direito próprio e não por enviesamento nacionalista.

Publicidade
Max Emanuel Cencic
©DR
Música

Os melhores discos de música clássica de 2018

Este ano há duas excepcionais selecções de árias de dois mestres consagrados – Handel e Vivaldi – em interpretações tão frescas e vivas que se diria que a música foi composta na véspera, e iniciou-se a prospecção das cerca de 40 óperas de Porpora, filão que levará anos a explorar. Mas 2018 foi também o ano em que chegou ao disco uma inquietante ópera estreada em 2005, da autoria de um dos mais notáveis compositores de ópera vivos e que termina com o clarão deslumbrante que marca a entrada da Humanidade na era nuclear, e o ano do centenário da morte de Debussy, assinalado com novas gravações de alto coturno.

Publicidade