Festival Med. A volta ao mundo em 8 concertos

Em altura de Taça das Confederações (a final é no domingo, às 19.00, não se esqueça), juntámos oito equipas de vários cantos do mundo para lhe dar música entre quinta, 29 de Junho, e sábado, 1 de Julho, no Festival Med, em Loulé
Mayra Andrade
© Uguro/Mayra Andrade
Por Clara Silva |
Publicidade

A época dos festivais está a começar. Antes do NOS Alive (6 a 8 de julho) no Passeio Marítimo de Algés, vale a pena apanhar os ares do Sul no Festival Med, em Loulé.

A primeira edição aconteceu em 2004, altura em que a cidade algarvia era uma das anfitriãs do Euro 2004. Desde então, o Med transformou-se num dos principais festivais de world music da Europa.

O centro histórico de Loulé serve de recinto para o festival que acontece em três palcos, Matriz, Cerca e Castelo. Este ano foi distinguido Melhor Festival de Média Dimensão da Península Ibérica (para festivais que recebem entre 1500 e 10 mil pessoas/dia) na 2ª edição dos Iberian Festival Awards.

Por lá já passaram nomes como Buena Vista Social Club, Amadou & Mariam ou Rokia Traoré. Deixamos-lhe oito sugestões de concertos a não perder nesta 14ª edição.

Festival Med. A volta ao mundo em 8 concertos

Camera

EUA - Akua Naru

Quinta-feira, 23.15

Logo no primeiro dia do festival, Akua Naru, MC e activista nascida nos Estados Unidos mas a viver na Alemanha, é o centro das atenções. Estreou-se em Portugal no Festival Músicas do Mundo, em Sines, em 2013, e regressa agora com uma mistura entre hip-hop, spoken word, jazz e música africana. Já colaborou com nomes como Patrice ou Tony Allen e diz-se que o futuro do hip-hop feminino passa por ela.

Camera

Argélia - Rachid Taha

Quinta-feira, 01.15

O franco-argelino Rachid Taha é, segundo dizem, um rebelde com causa. A sua música funde o raï, tradicional do seu país de origem, com outros géneros, como o rock e até o techno. Aliás, tem uma versão da popular música dos britânicos The Clash, Rock The Casbah, Rock El Casbah, que mostramos em baixo. Mudou-se da Argélia para França ainda em miúdo.

Publicidade
Camera

Brasil - BNegão

Sexta-feira, 01.15

Um dia depois de tocar no Cais do Sodré (para quem não queira ir ao Algarve, pode vê-lo em Lisboa, no Musicbox, na quinta-feira, 29), Bernardo Santos, mais conhecido por BNegão, um dos nomes históricos do hip-hop brasileiro, toca também num palco histórico, o da Cerca do Convento de Loulé. BNegão, que esteve no espectáculo de encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, chegou, em tempos, a liderar uma banda que teve Seu Jorge como percussionista.

Camera

Itália - Canzionere Grecanico Salentino

Sexta-feira, 23.15

Depois da Notte Della Taranta no Med de 2009, Mauro Durante, o mentor do espectáculo e violinista e intérprete de tamburello (a pandeireta da pizzica e da tarantela) está de volta e traz o seu próprio grupo, o Canzoniere Grecanico Salentino. O colectivo nasceu em 1975 graças à escritora Caterina Durante e mantém viva a música tradicional da região Salento, no salto da bota de Itália.

Publicidade
Camera

Colômbia/Argentina/Espanha - Che Sudaka

Sábado, 00.15

A banda formou-se nas ruas de Barcelona por imigrantes vindos da Argentina e da Colômbia no início dos anos zero e cita The Clash e Mano Negra, a banda também catalã de Manu Chao, como principais influências. Aliás, chegaram a colaborar com o próprio Manu Chao nalguns projectos. “Mentira Politika”, “Mirando El Mundo al Revés” e “Sin Papeles” são algumas das suas canções. Tocaram na Festa do Avante em 2011.

Camera

Cabo Verde - Mayra Andrade

Sábado, 21.15

Há três grandes vozes de Cabo Verde nesta edição do Med. Teté Alhinho, com um novo álbum depois de uma pausa, Mornas ao Piano, é a primeira a pisar o Palco Cerca, na quinta, às 21.15. Lura, com a sua Herança, lançado em 2015, actua na sexta-feira, às 21.15. No dia seguinte, Mayra Andrade sobe ao mesmo palco e também à mesma hora. No domingo passado, 25 de Junho, a cantora encheu o Anfiteatro ao Ar Livre da Gulbenkian no primeiro fim-de-semana do festival Jardim de Verão. No sábado será um dos pontos altos da última noite de Med.

Publicidade
Camera

Portugal - Branko

Sábado, 02.15

Branko e Mayra Andrade, dois dos nomes mais sonantes do cartaz do festival, juntaram-se o ano passado para Reserva Pra Dois, uma das canções do álbum de remisturas de Branko, Atlas Expanded, que depois dos Buraka Som Sistema se lançou a solo. É possível que a experiência a dois se repita no festival. Mas deixemo-nos de suposições. Certo é que o fundador da editora Enchufada é a escolha ideal para encerrar qualquer festival.

Festivais de Verão

Super Bock Super Rock
©DR
Música, Festivais de música

8 concertos imperdíveis no Super Bock Super Rock 2017

Há lugar para todos, senhores. Cabemos todos. Cada um com a sua. Ou, por outra, cada um com o seu cartaz. O panorama dos festivais de música em Portugal é um autocarro à pinha onde todos correm para ir sentados. O Super Bock Super Rock 2017 já anunciou alguns nomes do seu cartaz que vão tratar de invadir o Parque das Nações de 13 a 15 de Julho.  Os Red Hot Chili Peppers foram os primeiros a ser confirmados. Mas seguiram-se boas novas: Tyler, the Creator, Deftones, Kevin Morby, London Grammar, Bruno Pernadas, Boogarins. E ainda esta semana a organização assegurou Slow J, TaxiWars e Tuxedo. Como vê, não falta por onde escolher. Bilhetes diários a 55€ e passe geral a 109€

Nos alive 2015
©Fernando Castelo
Música, Festivais de música

7 concertos imperdíveis no NOS Alive 2017

Todos os anos é a mesma coisa: em Março acabam-se os passes de três dias, acabam-se os bilhetes para um dos dias, acaba quase tudo do NOS Alive. O que não parece terminar é a vontade portuguesa de consumir bandas e música à grande e à francesa. Os festivais de música são a principal razão pela qual se fazem mealheiros. Só que cada vez se parte o porquinho mais cedo.  Com um cartaz com nomes como Foo Fighters, Depeche Mode, The Weeknd, The xx, Alt-J, The Cult, The Kills, Spoon, Fleet Foxes, sugerimos-lhe sete que são imperdíveis. Esperemos que já tenha adquirido o seu passe geral (está esgotado e o preço era 129€). Acrescente-se que também já não vai conseguir comprar bilhete para dia 8 de Julho (o diário vale 59€). Boa sorte, que arranque a contagem decrescente até Julho. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com