Jamie Lidell: “Manter o controlo e ditar o ritmo”

'Building a Beginning' é o disco de soul à antiga de Jamie Lidell. Falámos antes do concerto em Oeiras, no EDP Cool Jazz

© Lindsey RomeJamie Lidell

Jamie Lidell completou um longo processo de transição. Que é como quem diz, em Building a Beginning (2016), o produtor britânico abandonou a electrónica que restava no seu som e impôs-se como um cantor soul. Conversámos antes do concerto no EDP Cool Jazz, dia 26 de Julho.

 

Quando lançaste o Multiply, em 2005, fazias electrónica experimental com vozes soul, e foste-te aproximando mais da soul com cada novo disco. O que é que vais fazer agora que lançaste um disco de soul pura e dura?

Techno (risos). Estou a brincar, mas nunca se sabe. Tenho andado a fazer mudanças no meu estúdio. Adicionei uma segunda secção onde meti todo o material dos meus tempos do techno. É muito divertido. Além disso, o meu filho gosta do som do sintetizador, por isso pode ser que faça um disco para ele dançar.

Building a Beginning é o teu primeiro disco pós-Warp. A mudança de editora afectou a tua música de alguma forma?

Acho que não. Quer dizer, até certo ponto estava a começar do zero fora da Warp, por isso havia uma sensação de mudança. Gosto disso.

Lançaste o novo álbum na tua própria editora. Porque é que não assinaste por uma editora maior? Calculo que houvesse interessados.

Isso é o que tu pensas. Só que eu tenho 43 anos e as grandes editoras estão concentradas a 100% no que é novo e jovem. De certa forma até compreendo. Eles partem do princípio de que a aposta numa estrela transitória é a melhor forma de fazer bom dinheiro, ao invés de alguém que lhes traz um fluxo de rendimento constante, só que mais baixo. E isto hoje é tudo decidido por máquinas. Os computadores acompanham a actividade das redes sociais para as editoras minimizarem as hipóteses de fracasso. É tudo muito robótico, com alguma pena minha. Claro que há excepções… Como por exemplo o meu amigo Rag’n’Bone Man. Fiquei muito contente por ver uma grande editora apostar em alguém com verdadeiro talento. Mas gosto de manter o controlo e ditar o meu próprio ritmo, o meu rumo. Não gosto de ter de responder a malta que eu não respeito nas editoras.

Vais tocar os Royal Pharaohs no EDP Cool Jazz. Eles já estavam contigo
no novo disco?

Só o Daru Jones é que participou no disco. É uma lenda. É o melhor baterista. Adoro-o. Juntei o resto da banda depois de gravar o disco. Para te dizer a verdade, este álbum foi quase todo montado em estúdio.

Oiço ecos do Stevie Wonder no novo disco. Foi uma influência?

Absolutamente. Antes de o nosso filho nascer, [eu e a minha mulher] estávamos sempre a ouvir o Music of My Mind. Apaixonei-me pelo disco e queria que o meu tivesse a mesma onda.

Pois, vocês trabalharam juntos no novo disco... Tanto quanto sei a tua mulher não é música. Como é que foi trabalhar com ela?

Adoro trabalhar com ela. Ela conhece-me tão bem. Melhor do que qualquer produtor externo alguma vez conheceria. Trabalhamos bem como equipa e fico muito contente por termos a oportunidade de passar tanto tempo juntos num projecto.

E também tens um par de canções sobre o teu filho. O nascimento dele influenciou este álbum?

A sua influência é transversal ao disco. A alegria, a paixão. Ele é a razão pela qual vivo e me esforço.

És britânico e estás a viver nos Estados Unidos. A situação política nos dois lados do Atlântico, com o Brexit e o Trump, reflectiu-se na tua música?

Há uma sensação geral de inquietação que definitivamente pairou  sobre nós durante a gravação do disco. Acho que a minha mulher Lindsey capturou isso muito bem na canção “Me and You”. Essa sensação de que as pessoas estão a ser afastadas e obrigadas a lutar umas com as outras mais do que dantes. Sinto que, agora mais do que nunca, devemos concentrar-nos mais nas nossas semelhanças do que nas diferenças.

 

Ainda pode comprar bilhetes para o concerto de Jamie Lidell aqui.

Posto de escuta

12 lojas para comprar discos em Lisboa

Nota prévia: o visionamento e audição dos momentos YouTube anexados não dispensam a compra do objecto físico. Siga o roteiro rock, punk, pop, electrónico, e etc, correndo as principais discotecas de Lisboa. Se optar por outras sugestões, está tudo bem. Amigos como dantes. 

Ler mais
Por Maria Ramos Silva

Os três melhores sítios para ouvir electrónica

Techno, jungle, house, drumnbass ou industrial dance - tudo isto cabe dentro da música electrónica e as pistas de dança de Lisboa estão carregadas de sons do género. Escolhemos as três melhores para que saiba de onde vai querer sair com os ouvidos a zumbir. 

Ler mais
Por Time Out Lisbon editors
Publicidade

Matinés em Lisboa: o domingo à tarde é o novo sábado à noite

Dançar ao domingo é uma tendência que topámos há algum tempo, mas que agora parece a febre de sábado à noite. As matinés no Lux – a primeira dedicada a David Bowie (vencedora do Corvo de Ouro da Time Out 2016 na categoria de Evento do ano), a segunda a Grace Jones – elevaram a moda a um novo patamar. Se quer apimentar o próximo domingo, troque o sofá e o comando da televisão por uma destas festas em Lisboa. 

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Comentários

0 comments