Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Matinés em Lisboa, sair ao sábado e domingo à tarde

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Festa Fuse
©DR

Matinés em Lisboa, sair ao sábado e domingo à tarde

Estas matinés em Lisboa vão proporcionar-lhe tardes santas longe do sofá e da televisão.

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Na zona de Lisboa, há algumas propostas vespertinas, matinés que se apoderam da tarde para nos fazer agitar os demónios acumulados durante a semana. Além disso, nem todos vestem a pele de ave noctívaga mal chega o fim-de-semana e há quem prefira um programa que não comece às 23.00, como é tradição em Portugal. Por isso, se quer apimentar um dos próximos fins-de-semana, troque o sofá e o comando da televisão por uma destas matinés em Lisboa e arredores. Do B.Leza ao histórico Cine Incrível, na vizinha Almada.

Recomendado: Sítios para sair ao domingo em Lisboa

Matinés em Lisboa, sair ao sábado e domingo à tarde

Fuse Records
Fuse Records
©DR

Fuse Matiné

A primeira festa da Fuse Records foi em 2011 a bordo de um veleiro no Tejo. Mas a primeira matiné da editora e promotora de música electrónica aconteceu em 2016 no Liceu Passos Manuel, um local improvável para um evento do género. A ideia era mesmo reviver os melhores momentos da escola, aqueles em que os livros estavam a descansar na mochila. Por isso, quase todos os meses Lisboa tem direito a uma Fuse Matiné, das 15.00 às 22.00. Só o poiso vai variando. A festa, sempre com reputados DJs e produtores, já passou por espaços como o Ministerium Club, o Instituto de Agronomia ou a Lx Factory.

Cine Incrível
Cine Incrível
©Cine Incrível

Tardes de Vanguarda

Bares Grande Lisboa

É das poucas matinés fixas da Grande Lisboa. Todos os meses pode contar com uma matiné roqueira no Cine Incrível, o antigo cinema da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense, que em 2011 passou a ser gerido pela Associação Alma Danada. As Tardes de Vanguarda fazem-se ao som de um DJ e começam sempre às 17.00, prolongando-se até às 20.00 (às vezes até às 21.00), hora de ir jantar e pensar onde continuar a festa. Afinal, o aquecimento para a noite de sábado está mais que feita. A entrada é 3€.

Publicidade
B.leza
B.leza
© Ben do Rosário

Danças no B. Leza

Noite Cais do Sodré

Tempos houve em que o B.Leza era dos poucos sítios da cidade onde se podia dançar ao domingo à tarde. As matinés de kizomba da discoteca africana mais famosa da cidade – com professor para quem quiser acertar o passo – já são uma tradição antiga. São 24 anos de B.Leza, ou seja, 24 anos de bom ambiente e boa música africana. E é gente que trata o domingo com carinho, de tal forma que depois folgam às segundas e terças, porque o descanso é merecido. A partir das 19.00, seja em kizomba seja noutro estilo qualquer, o que importa é dançar. 

Cais da Ribeira Nova, Armazém B. Dom 19.00-21.00. 5€.

Titanic Sur Mer
Titanic Sur Mer
Fotografia: Ana Luzia

Projecto Viva o Samba

Noite Cais do Sodré

O Titanic Sur Mer é um dos rostos de um Cais do Sodré inundado de gente a cada fim-de-semana. Manuel João Vieira – embora possa não parecer – sabe o que faz. Agarrou num edifício que servia a lota do peixe e transformou-o num bar e sala de concertos que não podia estar mais perto do mar. Dependendo da noite, tanto se pode ouvir jazz como forró, músicas africanas e indie rock. Mais os eventuais Ena Pá 2000. Mas ao domingo o palco é do samba, mais precisamente do Projecto Viva o Samba, que traz sempre dois artistas brasileiros que carregam a cruz (levezinha e gostosa) do carnaval e do seu espírito festivo às costas. Às 19.00 arranca uma aula experimental de samba. Às 20.00 é servida uma feijoada à brasileira e depois é tratar de a digerir em pista.

Titanic Sur Mer. Dom 19.00-04.00. 10€.

Publicidade
Arroios
Arroios
Fotografia: RA 100 Arroios

RA 100 Arroios

Arte Galerias Lisboa

É uma galeria de arte nascida a 25 de Abril, mas de 2016, onde artistas de várias áreas encontram um espaço de trabalho e de divulgação, entre pintores, músicos ou fotógrafos. E a agenda está sempre recheada de eventos. Fique atento à página oficial de Facebook da RA 100 Arroios, onde encontra algumas matinés musicais programadas para as tardes de domingo, neste que é também um ponto de encontro da comunidade artística local.

RA 100 Arroios. Vários horários e preços.

PENHA SCO

Arte Centros de artes Beato

Fundada em 2018, a PENHA SCO (ler “penhasco”) é uma cooperativa de produção e difusão artística, localizada numa extinta fábrica de têxteis da Penha de França. Agora reúne num só espaço uma galeria, um café e 13 espaços de trabalho. E é também espaço de eventos variados, entre dias úteis e fins-de-semana. Costuma ter música ao vivo aos sábados e domingos à tarde.

PENHA SCO. Rua Neves Ferreira 10B. Vários horários e preços.

Publicidade

Bloop Recordings

Nos últimos meses, a editora de música electrónica Bloop Recordings tem organizado matinés em locais improváveis, como uma piscina abandonada ou num espaço fechado há mais de duas décadas, que já foi um convento, colégio e até hospital. Aos sábados, a festa começa às 15.00 e prolonga-se até às 23.00. Para participar, é preciso contactar um dos responsáveis, cujos perfis de Facebook se encontram no evento oficial criado pela editora.

Vários locais e preços sob consulta.

Sair em Lisboa

Zénite
Manuel Manso

Arroios, Anjos, Intendente: os melhores sítios para sair à noite

Noite

Há não muitos anos, a noite no Intendente era quase interdita a quem não andasse pelas ruas com um punhal nos dentes. E nos Anjos quase não existia. Mas esta zona foi alvo de uma reabilitação profunda, concluída no essencial em 2012, e desde então começaram a crescer ou a surgir espaços que faziam a ligação entre o dia e a noite nestes bairros. Sobretudo associações culturais muito viradas para a recreação feita de copo numa mão e a anca na outra. 

Rive Rouge
©Luísa Ferreira

Discotecas em Lisboa. Quando cai a madrugada na cidade

Noite

Instituições lendárias que já conheceram diferentes encarnações e formatos, em busca de um lugar ao sol (ou ao luar, para sermos mais rigorosos). Quando cai a noite na cidade, e a jornada nocturna se arrasta como manda o figurino, a peregrinação de foliões passa necessariamente por aqui. E é por isso que não o queremos por aí à deriva, inquieto sobre onde deve rumar. Grandes salões de festa e discretos endereços para quase passar despercebido, temos de tudo e para todos. 

Publicidade
Zé dos Bois
©Ana Luzia

Os bares no Bairro Alto que precisa de conhecer

Bares

São paralelas e perpendiculares. As ruas, claro, que formam o tão distinto e especial Bairro Alto, símbolo maior de uma movida, de uma agitação nocturna, que sempre caracterizou a zona. Esta é a lista que lhe diz quais os sítios indispensáveis para beber um copo, com ambientes e decorações para todos os gostos. Só não conseguimos garantir que não tem de acotovelar uns quantos noctívagos para lhes chegar. São os bares no Bairro Alto que precisa de conhecer.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade