A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Taylor Swift
DRTaylor Swift

Bangers atrás de bangers: os melhores discos de Taylor Swift

É a maior estrela pop que temos. Depois de uma década de escuta pontual, mas atenta, e de uma semana de audição intensiva, listamos os seus discos, do melhor para o pior.

Luís Filipe Rodrigues
Escrito por
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Num mundo cada vez mais atomizado e polarizado, em que escasseiam figuras com um apelo universal, Taylor Swift é uma das últimas estrelas pop que mantêm o brilho. A sua popularidade e os números de vendas e audiências já lhe garantiram um lugar nos anais da música pop, ao lado de lendas como Elvis Presley, Michael Jackson ou Madonna. O corpo de trabalho produzido até à data coloca-a, sem exagero, ao nível dos grandes tecedores de histórias e escritores de canções americanos, de Bob Dylan, de Leonard Cohen, de Lou Reed, de Bruce Springsteen. Os fãs veneram-na e estão dispostos a sacrificar tudo por ela, como se fosse a líder de um culto, mas poucos cultos tiveram tantos membros – tirando meia dúzia de ícones religiosos e Donald Trump, hoje, ninguém tem tantos e tão fervorosos devotos. Não surpreende que, no ano passado, a revista Time a tenha considerado a pessoa do ano; que seja o alvo de complexas teorias da conspiração e ciberataques; que os fiéis a Trump vejam nela uma ameaça existencial e à continuidade do seu projecto político.

Quando lançou os primeiros e reluzentes discos de country-pop, na segunda metade dos anos zero, poucos imaginariam que um dia estaríamos aqui. Não obstante, ao longo dos últimos dez anos, nunca parou de reinventar-se, com a liberdade e convicção de quem sabe que o jogo está ganho à partida. E a sua marcha imperial (parafraseando a icónica expressão de Neil Tennant, dos Pet Shop Boys) não dá sinais de abrandar – mesmo quando dá passos em falso, tipo Reputation, que continua a ser o pior disco de Taylor Swift. Os melhores são os que vieram antes. E depois.

Recomendado: O luto pelo futuro de Sallim devolve-nos a esperança no presente

Os discos de Taylor Swift, do pior para o melhor

10. Reputation

Depois do monumental sucesso de 1989, o álbum que a elevou ao cúmulo da pop e a viu abandonar (temporariamente) o country, Taylor Swift arriscou tudo. Física e emocionalmente estourada, saiu-se com reputation, ao mesmo tempo uma continuação da aproximação às electrónicas ensaiada no disco anterior e uma resposta ao mesmo. As suas canções são mais ariscas, bebem do trap e da EDM. Há quem aprecie os seus relatos de amores, desamores e dores de crescimento. Mas são mais os que não os suportam. É o Yeezus dela, no fundo.

9. Taylor Swift

O álbum de estreia homónimo de Taylor Swift, lançado quando ela tinha apenas 16 anos, é o mais subvalorizado da cantora norte-americana. Apesar do uso e abuso de banjos e dos violinos e maneirismos vocais do country, nos seus melhores momentos (“Tim McGraw”, “Picture to Burn” e “Teardrops on My Guitar”, a abrir, e a peça central “Should've Said No”) já se encontram todos os elementos que viriam a fazer dela um ícone: o apuro pop; a escrita diarística; a facilidade com que aproxima o country de outros géneros, do rock sulista à juvenília pop-punk.

Publicidade

8. Midnights

Depois de um breve desvio indie-folk durante a pandemia – e do início de uma campanha de regravação dos álbuns editados pela Big Machine Records, que fora comprada por Scooter Braun, com a cobertura do grupo Carlyle –, Taylor Swift reaproximou-se de Jack Antonoff. Acompanhada em (quase) todas as faixas pelo produtor que a ajudou a reinventar-se no álbum 1989, em 2014, e tem estado sempre lá para ela desde então, escreveu um disco de synth-pop nocturna, tão onírica como sedutora. Ao mesmo tempo diferente de e inspirado por todo o seu corpo de trabalho.

7. Speak Now

Uma escolha controversa (spoiler: a próxima vai ser ainda mais...), mas ponderada. Speak Now é perfeição country-pop. Demasiada perfeição. Prestes a despedir-se dos 20 anos, Taylor Swift quis fazer o disco de country-pop com o melhor som country-pop de sempre. E fê-lo. As suas canções – e há aqui grandes canções, tantas – foram escritas com regra e esquadro, apontam em diferentes direcções, mas nunca se aventura(m) demasiado, nunca a sentimos fora de pé. A arriscar o que quer que seja.

Publicidade

6. Folklore

A heresia, a temeridade, a polémica, o folklore a meio da tabela. Tem de ser. O primeiro dos dois discos outonais e pandémicos da popular cantora e compositora – num breve flirt com a canção indie-folk americana patrocinado por Aaron Dessner, de The National – revelou uma Taylor Swift mais contida e madura, menos autobiográfica e diarística na sua escrita, e surpreendeu meio mundo em 2020. Mas tudo o que ela faz e bem aqui, faz ainda melhor no posterior evermore. E não há espaço para todos no pódio.

5. Lover

O sucessor de reputation é a verdadeira continuação do epocal 1989. Um disco electropop luminoso, com ecos do country dos seus primeiros anos, mas também aproximações à folk e ao funk, que peca apenas por ser demasiado longo. Ignore-se, porém, que umas quantas faixas podiam ter ficado de fora do alinhamento final (ou trancadas para sempre num cofre, no caso de “ME!”). Nos seus melhores momentos, o álbum está ao nível dos melhores que ela escreveu. 

Publicidade

4. Fearless

Ao segundo disco, Taylor Swift provou que vinha para ficar. A sua country-pop é assumidamente adolescente, mas tem um apelo universal. E dissecações de romances, amassos e desamores liceais, como “Fifteen”, “You Belong with Me”, “Love Story”, “You're Not Sorry” e mais umas quantas canções, ainda hoje se contam entre as melhores que já escreveu. Ao contrário do posterior Speak Now, é um disco imperfeito, inseguro e, por isso, muito mais interessante. E humano.

3. Red

Depois de Speak Now, Taylor Swift abandonou a sua zona de conforto. Além do produtor Nathan Chapman, ao seu lado desde o início, colaborou com os hitmakers suecos Shellback e Max Martin (que assinam os três pontos altos de Red, I Knew You Were Trouble, “22” e We Are Never Ever Getting Back Together) e, entre outros músicos e produtores, o irlandês Jacknife Lee, um homem do indie rock, e Gary Lightbody, o cantor e guitarrista dos Snow Patrol (em The Last Time). E, sem se afastar completamente da country-pop, transcendeu-a, rumo ao olimpo pop. 

Publicidade

2. Evermore

Nem cinco meses depois de folklore, a cantautora americana voltou à carga com evermore, um segundo tomo indie-folk pandémico, mesmo a tempo do Natal. Produzido outra vez por Aaron Dessner, de The National, com Jack Antonoff relegado para um papel ainda mais secundário, o disco conta com participações das Haim, The National e Bon Iver, sem nunca se deixar contagiar pelo tédio indie dos seus colaboradores. Taylor Swift nunca perde o controlo, nem se deixa enganar, colocando os talentos dos convidados ao serviço da sua visão – tal como quando arrastou para a sua órbita Max Martin e Shellback, na primeira metade da década passada.

1. 1989

Neil Tennant, dos Pet Shop Boys, descreveu o período na carreira de um artista em que a clareza da sua visão e a qualidade do trabalho produzido desembocam numa série de sucessos críticos e comerciais como a sua “fase imperial”. 1989 (2014) foi o disco que inaugurou a fase imperial de Taylor Swift, que dura há uma década. O velho conselheiro Nathan Chapman é pouco mais do que um figurante neste colorido e maximalista monumento electropop, erguido sobretudo pelos suecos Max Martin e Shellback. Foi também em 1989 que a americana começou a cimentar a sua relação com o músico e produtor Jack Antonoff, o seu parceiro e confidente imperial.

Mais música

  • Música

A autorreferência é um mecanismo relativamente banal na arte. Por exemplo, poemas que se queixam de como as palavras não lhes bastam para dizerem tudo o que precisam dizer, é mato. Nos textos cantados é especialmente frequente encontrar esse tipo de truque estilístico, em particular em canções que se põem a falar sobre canções de amor para, de forma mais ou menos discreta, fingirem que não são elas próprias canções de amor, bajoujas e piegas como todas as canções de amor devem ser.

  • Música

Muito haveria a dizer sobre os elementos humorísticos que se podem encontrar na composição musical. Um timbre mais exótico, um som disparatado, uma incongruência na melodia, uma surpresa no arranjo – são muitos os recursos capazes de enxertar galhofa numa pauta. Depois, claro, há a voz e o texto, os dois gatilhos mais rápidos da comédia. Nesta lista, tentámos reunir uma dezena de músicas que nos querem fazer rir, esquecendo outras que o conseguem fazer involuntariamente.

Publicidade
  • Música

No tempo em que não havia Internet e a globalização ainda se fazia ouvir com delay, era comum uma canção fazer sucesso numa língua, sem que a maioria do público alguma vez percebesse que estava a trautear uma toada estrangeira. O caso mais frequente, como se adivinha, é o de uma canção que se celebriza em inglês apesar de ter sido composta em italiano, francês ou outra língua que não gruda bem nos ouvidos americanos. Mas não só. Por exemplo, “Les Champs Élysées”, que foi popularizada por Joe Dassin, fez o percurso contrário.

Recomendado
    Também poderá gostar
    Também poderá gostar
    Publicidade