Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Nove obras de Domenico Scarlatti que precisa de ouvir
Domenico Scarlatti
Domenico Scarlatti por Domingo Antonio Velasco, 1738

Nove obras de Domenico Scarlatti que precisa de ouvir

Há 300 anos chegava a Lisboa Domenico Scarlatti – sugerimos-lhe nove obras para ficar a conhecer o mais famoso compositor que viveu em Portugal.

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

A 29 de Novembro de 1719, apeava-se da mala-posta vinda de Madrid o compositor italiano Domenico Scarlatti (1685-1757), um nome maior da música europeia. Domenico era filho do afamado compositor Alessandro Scarlatti e, até há poucas semanas, ocupara o posto de mestre da Cappella Giulia, na Basílica de São Pedro, em Roma, e fora contratado por D. João V para assumir o cargo de “compositor régio” e assegurar a educação musical de D. António de Portugal, irmão mais novo do rei, e da princesa Maria Bárbara, filha de D. João V e Maria Ana da Áustria.

Durante os dez anos viveu em Lisboa, Scarlatti, que ficou conhecido pelo nome de Domingos Escarlate, compôs serenatas para festividades no Paço da Ribeira e música sacra para a Sé Patriarcal. Quando do casamento de Maria Bárbara com Fernando, Príncipe das Astúrias, em 1729, Scarlatti acompanhou a sua aluna – uma cravista dotada – para Sevilha e, depois, para Madrid. Em 1746, por morte de Filipe V, Fernando e Maria Bárbara ascenderam ao trono espanhol, e Scarlatti continuou a instruir a sua discípula e a compor sonatas para cravo até à sua morte, em Madrid, em 1757.

Recomendado: Oito concertos para cravo que precisa de ouvir

Nove obras de Domenico Scarlatti que precisa de ouvir

1. Tolomeo ed Alessandro

Ano e local: 1711, Roma

A ópera Tolomeo ed Alessandro ovvero La corona disprezzata, foi composta para o teatro privado da rainha polaca Maria Casimira, que, após a morte do marido, em 1696, se instalara em Roma. Scarlatti dirigiu a música da corte de Maria Casimira entre 1709 e 1714, compondo para ela um total de sete óperas. O libreto, da autoria de Carlo Sigismondo Capece, poeta da corte de Maria Casimira, tem por cenário Chipre e trata, de forma fantasiosa e rocambolesca, de conflitos dinásticos entre os Ptolemeus que governaram o Egipto entre 323 a.C. e 30 a.C. O libreto, numa versão adaptada, seria musicado em 1728 por Handel, em Londres.

[Ária “Torna Sol Per un Momento”, da ópera Tolomeo ed Alessandro, por Ann Hallenberg (contralto, no papel de Tolomeo) e Il Complesso Barocco, com direcção de Alan Curtis (Archiv)]

2. Stabat Mater a 10 vozes

Ano e local: 1715?, Roma

Em 1714, Domenico Scarlatti tornou-se assistente de Tommaso Bai, mestre da Cappella Giulia, na Basílica de São Pedro. Bai faleceu a 22 de Dezembro de 1714 e Scarlatti foi nomeado para o seu lugar. A mais notável obra que compôs para a Cappella Giulia foi um Stabat Mater a 10 vozes (4 sopranos, 2 altos, 2 tenores e 2 baixos), onde a tradição coral do final da Renascença (que teve como expoente Giovanni Pierluigi da Palestrina) se mescla com marcas expressivas típicas do barroco.

[“Sancta Mater, Istud Augas”, pelos Melodi Cantores, com direcção de Elena Sartori (Tactus)]

Publicidade

3. La Contesa delle Stagioni

Ano e local: 1720, Lisboa

É a mais antiga das (pelo menos) 11 serenatas que Scarlatti compôs para festividades da corte portuguesa entre 1720 e 1728, e abrilhantou as celebrações do 37.º aniversário da rainha Maria Ana de Áustria, a 7 de Setembro de 1720. O título significa “A contenda das estações”, mas o seu tema não são as alterações climáticas, mas uma disputa entre Primavera, Verão, Outono e Inverno, sobre qual delas tem precedência sobre as outras estações – acabam por concluir, no coro “Sia d’Autunno la Corona”, que tal distinção cabe ao Outono.

[Coro final “Sia d’Autunno la Corona”, por Kari Lövaas (soprano, Primavera), Regina Marheineke (soprano), Ria Bollen (mezzo-soprano), Heiner Hopfner (tenor), Solistas Vocais de Munique e Orquestra de Câmara de Munique, com direcção de Hans Ludwig Hirsch (Tudor)]

4. Te Deum a dois coros

Ano e local: 1721?, Lisboa

A obra foi cantada na Sé Patriarcal de Lisboa, embora não possa excluir-se que o compositor tenha reciclado uma peça composta para a Cappella Giulia, em Roma. Destina-se a dois coros a quatro vozes e baixo-contínuo e combina elementos do stile antico com marcas mais modernas.

[Pelo Immortal Bach Ensemble, com direcção de Morten Schuldt-Jensen (Naxos)]
Publicidade

5. Sonata K.9

Ano e local: antes de 1738

Embora Scarlatti tivesse deixado Lisboa em 1729, há provas de que terá mantido contacto com a corte portuguesa, nomeadamente através do envio de sonatas para cravo de sua lavra. Talvez tenham sido essas remessas, bem como as lições de cravo que continuou a ministrar a Maria Bárbara, que justificam que, em 1738, D. João V tenha feito o compositor cavaleiro da Ordem de Santiago. Em retribuição, Scarlatti dedicou ao rei português a colecção de 30 sonatas para cravo que fez imprimir em Londres nesse mesmo ano, com o título Essercizi per gravicembalo, e que foram as únicas que publicou na sua carreira, embora tenha composto (pelo menos) 555. Estas 30 sonatas são também as mais antigas que dele se conhecem e receberam os números 1 a 30 no catálogo cronológico publicado em 1953 por Ralph Kirkpatrick.

[Por Scott Ross (Erato/Warner)]

6. Sonata K.175

Ano e local: 1752?, Madrid

Talvez o isolamento de Scarlatti em Lisboa e Madrid, lugares periféricos da Europa musical, tenha contribuído para que desenvolvesse nas sonatas para cravo um estilo muito pessoal. A K.175 destaca-se pelas ousadas dissonâncias, sem par na música da época.

[Por Jean Rondeau]
Publicidade

7. Sonata K.517

Ano e local: 1757?, Madrid

Nas 555 sonatas para cravo de Scarlatti não faltam peças que exigem uma extraordinária agilidade digital, mas só uma tem a indicação Prestissimo: é a K.517.

[Por Pierre Hantai]

8. Sonata K.519

Ano e local: 1757?, Madrid

Uma inventividade torrencial, aliada à rejeição dos formatos tradicionais das peças para cravo e ao fascínio pela música popular ibérica, permitiram a Scarlatti compor 555 sonatas sem nunca se repetir. A K.519 combina vitalidade esfuziante e ritmos caprichosos de sabor espanhol e requer um cravista de alto gabarito.

[Sonata K.519, por Andreas Staier (Deutsche Harmonia Mundi/Sony Classical)]
Publicidade

9. Salve Regina

Ano e local: 1757?, Madrid

É tida como a derradeira composição vocal de Scarlatti e é uma das poucas peças sacras que parece ter composto durante o seu período espanhol. Destina-se a voz solista, cordas e baixo contínuo.

[Por Marie-Nicole Lemieux (contralto) e Orquestra Barroca Tafelmusik, com direcção de Jeanne Lamon (Analekta)]

Mais música clássica

Francois Leleux
©Uwe Arens Sony Classical

Dez concertos para oboé que precisa de ouvir

Música Clássica e ópera

Se um pato fosse uma ave canora, soaria como um oboé – a observação, que surge na peça Angels in America (1993) é maliciosa, mas tem um fundo de verdade: o oboé soa algo nasalado, mas isso não deslustra a sua capacidade expressiva e a riqueza do seu timbre.

Publicidade

Oito concertos duplos que precisa de ouvir

Música Clássica e ópera

Uma rara oportunidade de ouvir o Concerto para dois pianos de Bruch – com as irmãs Labèque, a Royal Concertgebouw e Semyon Bychkov – é um bom pretexto para recordar outros concertos para dois solistas.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade