A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Pedro Alves Sousa
© Mariana Valle LimaPedro Alves Sousa

O saxofone de Pedro Alves Sousa fala a verdade, fala para todos nós

No ano que acabou, Pedro Alves Sousa impôs-se como um dos nomes definitivos da música portuguesa de agora. Falámos sobre o passado, o presente e a Futuro Familiar.

Escrito por
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Pedro Alves Sousa está longe de ser um neófito. Anda neste mundo há 36 anos, estreou-se em concerto com 19, lançou o disco de estreia da sua “primeira banda mesmo a sério”, os OTO, em 2008, e ao longo da década passada editou e tocou com vários grupos e pessoas. Ao todo, conta cerca de duas dezenas de títulos na sua discografia pessoal, incluindo um Live at ZDB gravado com um dos grandes decanos do indie rock e da música americana, Thurston Moore (ex-Sonic Youth), e o companheiro de sempre, Gabriel Ferrandini. Quem presta atenção a estas coisas, portanto, já sabe há alguns anos que é um dos músicos que importam e merecem atenção no jazz e na música improvisada portuguesa actual. Mesmo assim, muitos foram apanhados de surpresa por tudo o que fez em 2022. Poucos artistas em Portugal tiveram um ano tão cheio, tão determinante. E tudo indica que em 2023 não vai abrandar a passada. Janeiro arranca com um par de concertos ao lado dos Mão Morta, a 19 na Culturgest e um dia depois no Gnration (Braga), e tem muitos planos na calha.

Poucos artistas em Portugal tiveram um 2022 tão cheio como Pedro Alves Sousa, repita-se. Estreou‑se enquanto líder em Março, com Má Estrela, disco merecedor dos mais rasgados elogios, onde se escuta uma música nova e difícil de classificar que transcende o free jazz, encavalitada em electrónica psicadélica e footwork, com vapores de dub. Podia ter passado o resto do ano quieto, ou apenas a revisitar esses temas na companhia de Bruno Silva, Gabriel Ferrandini, Miguel Abras e Simão Simões, e teria sido um dos protagonistas do 2022 português. Mas não. No Verão, fundou a sua própria editora, a Futuro Familiar, cujos primeiros dois lançamentos, RAHU e KETU, recuperam actuações de 2016 e 2017 na ZDB. No primeiro, além de Sousa, tocam Alex Zhang Hungtai, David Maranha, Gabriel Ferrandini e Júlia Reis; no segundo tocam os mesmos homens, mas sem a baterista de Pega Monstro. Ouvimo-lo ainda em Tricot, gravado com os Mão Morta no âmbito do projecto Esfera de André Tentugal e Henrique Amaro; no álbum Basfe, em trio com Bartolo e Ferrandini; e noutro trio imortalizado em Cloud At Rest, com Rodrigo Pinheiro e outra vez “o Gabriel”.

A relação de amizade entre estes dois músicos, Pedro Sousa e Gabriel Ferrandini, ajudou a nortear e definir o percurso de ambos. Conheceram-se há largos anos, na Linha de Cascais, e cresceram artisticamente juntos e envolvidos nos mesmos projectos, desde bandas estruturadas e encontros musicais ad hoc até à gestão do fugaz Bar Irreal, um dos espaços culturais mais interessantes e especiais que Lisboa viu nascer e morrer nos últimos anos. Seja no Peter Gabriel Duo, na Lisbon Freedom Unit, nos CAVEIRA, em Má Estrela ou em concertos com improvisadores mundialmente famosos, já os ouvimos a tocar de tudo, desde jazz e música improvisada a noise rock e electrónicas. Não é apenas versatilidade, é um reflexo da maneira omnívora como eles e boa parte (a melhor parte) da nossa geração se relaciona com a música. Pedro, por exemplo, cresceu a ouvir rock “por influência do pai e porque era o que dava na rádio”: os Nirvana, os Metallica, os primeiros discos de nu-metal. Mas depois o Soulseek apareceu na sua vida e, ligado à internet, apaixonou-se por Mr. Bungle e Dillinger Escape Plan, descobriu Aphex Twin e Autechre, rendeu-se ao free jazz.

“Como eu ouvia muito Mr. Bungle, uma professora recomendou-me os Naked City. E isso levou-me ao John Zorn, e o Zorn levou-me ao Derek Bailey, e o Bailey ao free jazz”, recorda. “Venetian Snares também samplava jazz nalgumas songs e, por isso, saquei o Free Jazz do Ornette Coleman", continua. “E depois apareceu a Trem Azul. Fui lá um dia, no Natal, para comprar um álbum ao meu pai, conheci o Travassos e começámos a estabelecer contactos. O Gabriel também estava muito interessado em jazz, e trocávamos muitas coisas entre nós, então começámos cada vez mais a querer fazer música improvisada, música experimental”.

Na altura, Pedro tocava guitarra, apesar de o que mais lhe interessava no instrumento ser o processamento de som e os efeitos que lhe metia em cima. “Estava farto da guitarra, farto de arrastar 300 mil cabos e RCAs e mixers e amplificadores, era uma complicação do caraças. E estava a dar-me um bocado seca, para ser sincero”, detalha. “E um dia vi um concerto do John Butcher que arrasou comigo – no CCB, em 2008, com o Günter Müller e o Carlos Zíngaro. Ele não estava a tocar saxofone de uma maneira clássica e fiquei decidido a aprender aquele instrumento.” Pediu um sax emprestado a um amigo que “não tinha muito interesse naquilo”, deram-lhe “uns pointers, mas só o básico”, e começou a praticar sozinho. “Passados uns meses devolvi-lhe o saxofone e comprei o meu”, lembra. “E a partir do momento em que investi dinheiro no saxofone decidi dedicar-me àquilo.” Sem qualquer educação musical formal – cursou Escultura, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa –, começou a desenvolver a própria linguagem e a procurar a sua verdade.

Esse percurso e a maneira como se relaciona com o jazz, ignorando regras que muitas vezes nem sabe que existem ou porquê, garantem que a sua música aliena alguns puristas, mas para compensar comunica com pessoas de fora. É por isso que vai entrar em 2023 a tocar com os Mão Morta. Será o culminar de um processo que começou com “um e-mail ou uma chamada telefónica do [baterista e fundador dos Mão Morta] Miguel Pedro, que faz o Semibreve”, um festival em Braga. “Ele conhecia o meu trabalho, estava muito interessado [em colaborar comigo] e agora havia esta oportunidade por causa do projecto Esfera.” Passados uns meses, sem nunca se ter encontrado com a banda, estava a gravar com eles nos estúdios Arda, no Porto. “Havia bases e um par de letras do Adolfo, mas criámos quase tudo em estúdio”, confessa. “Só agora é que estivemos a trabalhar juntos, na mesma sala.” Os frutos dessas jornadas de trabalho vão ser colhidos a 19 de Janeiro, na Culturgest, e um dia depois no Gnration, em Braga. “Só vamos tocar faixas novas. As três do [Tricot] e mais oito ou nove inéditas. A ideia é gravar os concertos e depois se calhar edita-se isso.”

Editar “isso” não é, contudo, o único plano para os próximos tempos, nem de longe. Muitos dos seus projectos prendem-se com a editora Futuro Familiar. “Tenho algumas ideias. Por exemplo, quero lançar o meu álbum a solo, que é algo que já estou para fazer há muito tempo e está a viver rent free na minha cabeça. Mas não quero só editar coisas minhas. Isso é fixe, até para solidificar a sonoridade da label, mas quero descolar-me um bocado de mim. Tenho duas coisas na calha, que estou para ver se vão para a frente ou não, que são um duo americano e um trio alemão. Gostava muito de lançar esses dois”, revela. “Fora isso tenho uma cassete com o Simão Simões que vai mesmo sair na Futuro Familiar. Eu a tocar só leitor de cassetes e o Simão a tocar laptop. Um concerto que demos ao vivo e gravámos e nunca mais aconteceu. Trabalhámos o som, misturámos, mas com pouca edição. Tem muito a ver com o formato cassete, por isso achámos que devíamos lançar assim. Até para fazer esse statement de a label ter outros formatos. Porque a primeira coisa [Má Estrela], editada em conjunto com a Shhpuma, foi um CD. Depois foram dois vinis. E agora queria lançar essa cassete e mais umas cassetes de loops, um projecto só meu.”

Os planos não se ficam por aqui. Na calha encontra-se também um disco em duo com a flautista Violeta Azevedo, singular improvisadora e compositora, cujos interesses vão da música experimental à pop-rock. E o primeiro disco de Betas, o seu trio com Simão Simões e o poeta e dinamizador de Putas Bêbadas, Miguel Abras, dois dos músicos que o ladeiam em Má Estrela e noutros projectos. “É o nosso crossover Boredoms/Wolf Eyes”, descreve, por mensagem, dias depois de termos estado à conversa na Marquise, junto à Praça das Flores. “Estamos com electrónicas, sax e leitor de cassetes. O Abras também canta. É super agreste, mas meio fora. Acho que é dos projectos mais estranhos que tenho, na realidade.” A pandemia forçou-os a fazer um hiato, porém vão finalmente gravar agora, promete. “Há sempre coisas para fazer, ahah. So much work to do, so little time.”

Mais conversa afinada

  • Música

A cumplicidade entre os portugueses adoptivos Noah Lennox, também conhecido como Panda Bear, e Sonic Boom, vulgo Pete Kember, já era evidente há uns anos. Não só pelo trabalho que fizeram juntos nos álbuns Tomboy Panda Bear Meets The Grim Reaper, do americano, como pela maneira como falam um do outro em entrevistas e com os gravadores desligados. Mas em Reset, editado em Agosto pela Domino, essa sintonia é ainda mais clara, com ambos a partilharem a autoria dos temas e as vozes a ouvirem-se juntas. E isso reflecte-se ao vivo.

  • Música

Desde 2011 que acompanhamos, nestas páginas e fora delas, a carreira de Maria Reis. Vimo-la e ouvimo-la a crescer, a alargar horizontes, a apurar a lírica e a composição, a impor-se como uma das melhores escritoras de canções que este país já teve, independentemente do género. Benefício da Dúvida, o quarto registo a solo, entre mini-álbuns e EPs, é o mais recente marco de uma obra que se recusa a perder a relevância e inventividade.

Publicidade
  • Música

Sem o incessante trabalho de criação, programação e promoção de Nelson Gomes e Afonso Simões, o meio musical lisboeta (e, por arrasto, português) hoje seria outro. Garantidamente diferente, quase de certeza menos livre e arrojado. Primeiro separados – Afonso nos Fish & Sheep e Nelson já nos Gala Drop, então com Tiago Miranda – e depois juntos, na Filho Único e nos Gala Drop, que já eram um trio quando gravaram o primeiro disco em 2008. Hoje continuam juntos, na Filho Único e nos Gala Drop, que lançaram em 2022 o terceiro álbum, Amizade.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade