Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Oito temas jazz para o Verão

Oito temas jazz para o Verão

Para celebrar a chegada do Verão, eis um ramalhete de composições apropriadas à estação. Estes temas merecem ser ouvidos.

Por José Carlos Fernandes |
Publicidade
Frank Sinatra
©William P. Gottlieb Collection (Library of Congress) Frank Sinatra

Quando se menciona “jazz” e “Verão” na mesma frase, a associação com a canção “Summertime” é instantânea. Dessa canção de embalar que abre a ópera Porgy and Bess, de George Gershwin, e se tornou numa favorita dos músicos de jazz (e não só) já se sugeriram aqui algumas leituras históricas (ver 11 versões de “Summertime”), mas o Verão tem sido frequente fonte de inspiração para compositores, jazzmen e jazzwomen e há outras criações que merecem ser mais conhecidas.

O Verão predispõe a uma disposição ociosa e sonhadora e induz uma sensação de liberdade, como atesta a letra de “Lost in a Summer Night”: “As aves nocturnas que aguardam/ Junto a uma fonte embaladora/ Aprestam-se a fazer uma serenata/ A esta criatura preguiçosa/ Quando os grilos entoam/ Alegres canções de embalar/ Estou certa de que não há/ Ninguém mais livre do que eu [...] As pessoas que possam ver-me/ Quererão estar no meu lugar/ Vendo as nuvens passar/ Perdida numa noite de Verão”.

Recomendado: Dez canções pop de Verão

Oito temas jazz para o Verão

“Summer Sketch”

Autor: Russ Freeman
Álbum: Russ Freeman/Chet Baker Quartet (Pacific Jazz), pelo Freeman/Baker Quartet
Ano de gravação: 1956
Intérpretes: Chet Baker (trompete), Russ Freeman (piano), Leroy Vinegar (contrabaixo), Shelly Manne (bateria)

Em 1953, após a dissolução do quarteto de Chet Baker com Gerry Mulligan, o trompetista estabeleceu uma produtiva sociedade com o pianista Russ Freeman, que durou três anos e registou para a Pacific Jazz, uma série álbuns de que este Russ Freeman/Chet Baker Quartet foi o derradeiro.

“Lost in a Summer Night”

Autor: música de André Previn, letra de Milton Raskin
Álbum: Gone for the Day (Capitol), de Julie London
Ano de gravação: 1957
Intérpretes: June Christy e orquestra arranjada por Pete Rugolo

June Christy nasceu como Shirley Luster em Springfield, Illinois, e, em 1945, com apenas 20 anos, começou a ganhar notoriedade como vocalista da orquestra de Stan Kenton. Em 195e deixou Kenton para iniciar carreira em nome próprio, que teve início com o EP Something Cool, lançado em 1954 (e reeditado no ano seguinte em versão expandida), um título que alude à sua vinculação ao lado “cool” do jazz e à sua voz controlada e suave. Gone for the Day foi o seu 4.º álbum para a Capitol.

Publicidade

“Summer Song”

Autor: Dave Brubeck
Álbum: Jazz Impressions of the USA (Columbia), pelo Dave Brubeck Quartet
Ano de gravação: 1957
Intérpretes: Paul Desmond (saxofone alto), Dave Brubeck (piano), Norman Bates (contrabaixo), Joe Morello (bateria)

O quarteto de Brubeck só assumiria a sua formação mais conhecida (e duradoura) com a entrada do contrabaixista Eugene Wright, em 1958, e o álbum Time Out, que catapultaria Brubeck para o estrelato (e para a capa da revista Time) só seria gravado em 1959. Estamos em 1957 e Jazz Impressions pretende ser um passeio descontraído pelos EUA, começando com “Ode to a Cowboy” e terminando com “Home at Last”.

“Once Upon a Summertime”

Autor: Música de Eddie Barclay e Michel Legrand, letra de Eddy Marnay, versão inglesa por Johnny Mercer
Álbum: Once Upon a Summertime (Verve), de Blossom Dearie
Ano de gravação: 1958
Intérpretes: Blossom Dearie (voz e piano), Mundel Lowe (guitarra), Ray Brown (contrabaixo) e Ed Thigpen (bateria)

Blossom Dearie tinha-se estreado a gravar em 1952, em Nova Iorque, mas nesse mesmo ano rumou a Paris, onde formou, com Christiane Legrand, irmã do compositor Michel Legrand, o grupo vocal Blue Stars (que mais tarde, já sem Dearie, daria origem aos famosos The Swingle Singers). Em 1957, Dearie regressou aos EUA e registou meia dúzia de álbuns para a Verve, num contexto intimista que assenta na perfeição ao seu frágil registo vocal, e que representam o seu melhor momento em disco. Once Upon a Summertime foi o terceiro dessa série e a canção que lhe dá título é uma adaptação por Johnny Mercer da canção francesa “La Valse des Lilas”.

Publicidade

“A Summer Afternoon”

Autor: Eddie Sauter
Álbum: Focus (Verve), de Stan Getz
Ano de gravação: 1961
Intérpretes: Stan Getz (saxofone tenor), Alan Martin, Norman Carr e Geral Tarack (violinos), Jacob Glick (viola) e Bruce Rogers (violoncelo), com arranjos de Eddie Sauter e direcção de Hershy Kay

Focus antecedeu em alguns meses um ponto de viragem na carreira de Stan Getz. Em 1961, o saxofonista tinha já formidável discografia, iniciada no final dos anos 40 e que incluía um rosário de obras-primas registadas para as editoras de Norman Granz (primeiro a Norgran e depois a Verve), com parceiros de alto coturno, como Dizzy Gillespie, Oscar Peterson, Gerry Mulligan, Chet Baker, Harry Edison ou J.J. Johnson. Em 1961, Getz quis gravar um álbum “orquestral”, mas que não se conformasse à corriqueira leitura de standards acolchoada por cordas, e encomendou uma mão cheia de composições a Eddie Sauter. O resultado, Focus, seria considerado pelo próprio Getz como o seu disco favorito. Mas não é o mais famoso, já que em 1962 Getz se associou a Charlie Byrd para gravar Jazz Samba, encetando a “fase bossa nova” da sua carreira, que o tornaria conhecido bem para lá do público do jazz.

“Soft Summer Breeze”

Autor: Eddie Heywood e Judy Spencer
Álbum: The Wonderful World of Julie London (Liberty), de Julie London
Ano de gravação: 1963
Intérpretes: Julie London e orquestra arranjada e dirigida por Ernie Freeman

The Wonderful World of Julie London foi, para a cantora americana Julie London, o 20.º álbum da carreira iniciada em 1955 e o derradeiro a entrar nos tops de vendas (chegou ao lugar 136). O jazz vocal tinha começado a perder atracção para o público, enfeitiçado pelo fenómeno do rock’n’roll e, uns meses depois, em Fevereiro de 1964, a primeira tournée americana dos Beatles iria assinalar o fim de uma era e o começo de outra. London continuaria a gravar discos – sempre na Liberty – até 1969, alguns deles fazendo a concessão de contemplar êxitos do Beatles, Doors e Bob Dylan.

Publicidade

“Summer Wind”

Autor: música de Heinz Meier e letra de Hans Bradtke, versão inglesa por JohnnyMercer
Álbum: Strangers in the Night (Reprise), de Frank Sinatra
Ano de gravação: 1966
Intérpretes: Frank Sinatra e orquestra arranjada e dirigida por Nelson Riddle

Strangers in the Night foi a derradeira colaboração entre Frank Sinatra e Nelson Riddle, parceria que representa, para muitos, os mais felizes momentos da carreira do cantor. “Summer Wind” é a adaptação para a língua inglesa, pela mão de Johnny Mercer, da até então ignota canção “Der Sommerwind” e faz parte do álbum Strangers in the Night, o primeiro de Sinatra onde figurou a canção homónima a que ficaria indelevelmente associado. O álbum foi distinguido com dois Grammys, o single “Strangers in the Night” vendeu um milhão de exemplares só nos EUA e “Summer Wind” foi resgatado à obscuridade e apropriado por numerosos cantores. A letra usa o vento como metáfora da passagem do tempo: “O vento de Verão soprava do mar/ Quedou-se por ali, brincando com o teu cabelo, caminhando comigo/ Ao longo do Verão, cantámos a canção e passeámos pela areia dourada/ Dois apaixonados no vento de Verão”.

“Summer Night”

Autor: música de Harry Warren, letra de Al Dubin
Álbum: Songlines/Night & Blue (Tuk Music), do Paolo Fresu 5tet
Ano de gravação: 2008
Intérpretes: Paolo Fresu (fliscorne), Tino Tracanna (saxofone), Roberto Cipelli (piano), Attilio Zanchi (contrabaixo) e Ettore Fioravanti (bateria).

Uma releitura recente, mas com sabor clássico, de uma canção de 1936, incluída num álbum do prolífico trompetista italiano Paolo Fresu, que combina um disco 1 com material composto pelos membros do quinteto e um disco 2 com standards subordinados à temática “noite” e “azul”.

Verão em Lisboa

Coisas para fazer

25 ideias para aproveitar os 220 dias de sol em Lisboa

Bem sabemos que a chuva faz falta, mas é um facto que somos abençoados pelo Sol. E se assim é, não vale a pena ficar fechado em casa ou sair de casa de gabardine. Eis algumas ideias para aproveitar os 220 dias de sol em Lisboa: terraços para fazer a fotossíntese, happy hours para garantir hidratação, jardins para se estender, novos gelados e muitos caracóis, que este é o tempo deles.  

alice
©Leonor Fonseca
Compras, Moda

Estas novas marcas portuguesas são um refresco de Verão

Nem só de moda feminina vive o Verão. Esta é a nossa selecção de novas marcas portuguesas e, entre elas, há umas quantas sugestões para eles e até para os mais pequenos. Seja para apanhar banhos de sol na praia ou para seguir com a vida na cidade (só que com uns bons graus a mais), estas 10 marcas nasceram em 2017 e merecem estar no guarda-roupa.

Publicidade
Compras, Roupa interior e fatos de banho

100 biquínis e fatos de banho para arrasar neste Verão

Este Verão vai ter espaço para tudo: para marcas portuguesas, para biquínis brasileiros, para fatos de banho recatados e para flores e frutas exóticas. Haja sol e calor para poder experimentá-los todos. Porque os preparativos para a época balnear já começaram, escolhemos os nossos 100 modelos favoritos, entre biquínis, triquínis e fatos de banho. Prepare-se para ir a banhos e, de caminho, espreite o que as marcas portuguesas de fatos de banho andaram a preparar na revista desta semana. 

You may also like

    Publicidade