Os melhores discos portugueses de 2017

A música portuguesa vive dias bons. Com bandas e artistas a produzirem canções que reflectem o país e o presente

©Sara Rafael
A música portuguesa vive dias bons. Com bandas e artistas a falarem a sua língua e a produzirem canções que reflectem o país e o presente. Do indie rock português das Pega Monstro e Putas Bêbadas às batidas afromecânicas de Nídia e DJ Lycox, passando pela folk lisboeta de Éme e Luís Severo, o hip-hop de Slow J e os Orelha Negra ou o fado de Camané. Estes foram os melhores discos do ano.

Os melhores discos portugueses de 2017

1

Pega Monstro - Casa de Cima

O novo disco das Pega Monstro é um passo ao lado, sem ser em falso; é Fernando Pessoa de mãos dadas com velhinhas das Beiras numa dança eterna e descompassada; é música popular portuguesa feita por um duo de garage-rock. É tudo de bom.

2

Orelha Negra - Orelha Negra

Ao terceiro álbum homónimo, já toda a gente sabe ao que vem: uma música de raízes negras (funk, hip-hop), que se espraia infinitamente até redundar num jazz sofisticado.

Publicidade
3

Éme - Domingo À Tarde

Com coragem e sinceridade, Éme canta a sua vida na Lisboa de agora e insere-se numa longa e valorosa linhagem de escritores de canções portugueses. 

4

Camané - Canta Marceneiro

É a melhor das homenagens: não imitar nada, ser apenas como Marceneiro seria. E essa coisa bela de nos fazer regressar a um país e a amores que já não são assim.

Publicidade
5

Ermo - Lo-Fi Moda

Os Ermo não são uma banda como as outras. A sorver o prazer da estranheza, Lo-Fi Moda é música magnética rugida das entranhas e fruída no corpo.

6

Luís Severo - Luís Severo

Oito canções sobre o amor e a solidão, à procura de um espaço na sufocante Lisboa, com letras e melodias enxurradas do coração. Luís Severo prova que é um cantautor dos grandes.

Publicidade
7

Slow J - T.A.O.S.D.

T.A.O.S.D. (The Art Of Slowing Down) é um lugar de onde não queremos sair. Mescla beats funaná com arranjos jazz, electrónica, baladas. Uma transversalidade esquizofrénica.

8

Nídia - Nídia é Má, Nídia é Fudida

A artista anteriormente conhecida como Nídia Minaj continua a aprimorar uma música e uma estética transversais a estilos, com um toque afromecânico e laivos de funk, house, kuduro e tarraxo.

Publicidade
9

DJ Lycox - Sonhos & Pesadelos

Admirável álbum de estreia de um jovem prodígio que faz música de dança directa, poliglota e festiva em doses compactas, com densidade rítmica à altura da forte estrutura melódica.

10

Putas Bêbadas - Orgulho de Ex-Buds

Isto é barulho do bom. Música furiosa e tesuda, mas sincera, herdeira dos Ramones e de Alberto Pimenta, dos Butthole Surfers e de GG Allin. Sem abdicar de uma identidade própria.

Publicidade

Best of 2017

Os melhores discos internacionais de 2017

Mais um ano, mais uma remessa de grandes discos e músicas, para todos os gostos e feitios. Da frescura rock lo-fi de Mac DeMarco ao indie rock de Thurston Moore, passando pela pop vanguardista de Benjamin Clementine ou o hip-hop de Vince Staples, Young Thug ou Kendrick Lamar.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Os melhores filmes de 2017

Cada final de ano, na altura dos habituais balanços, e no que ao cinema diz respeito, chegamos sempre à mesma conclusão. Começámos pouco optimistas em relação à qualidade dos filmes que íamos ver; e acabámos com a satisfação de que vimos suficientes bons filmes para elaborar uma lista com os dez melhores, e ainda ficam de fora uns quantos que também lá cabiam perfeitamente. 

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Os melhores filmes portugueses de 2017

O ano de 2017 assistiu à estreia de vários filmes portugueses com muita qualidade. Na ficção, como Fátima, de João Canijo, São Jorge, de Marco Martins, ou Fábrica de Nada, de Pedro Pinho. E no campo do documentário, onde se destacaram Ama-San, de Cláudia Varejão, e Nos Interstícios da Realidade ou o Cinema de António de Macedo, de João Monteiro.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Comentários

1 comments