Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right “Softly as in a Morning Sunrise”, da Broadway ao jazz de vanguarda
Sunrise
©Alex Strachan por Pixabay Sunrise

“Softly as in a Morning Sunrise”, da Broadway ao jazz de vanguarda

Ao contrário do que a sua origem deixava antever, a canção tornou-se num favorito dos jazzmen mais vanguardistas. Eis dez versões clássicas

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

“Softly, as a in a Morning Sunrise” foi ouvida pela primeira vez na Broadway, em Setembro de 1928, na opereta The New Moon, com música de Sigmund Romberg e letra de Oscar Hammerstein II. A opereta é uma frivolidade ao estilo vienense que decorre em Nova Orleães durante a Revolução Francesa e foi um sucesso, com 519 representações até Dezembro de 1929. Foi adaptada ao cinema, com o título New Moon, por duas vezes, em 1930 (com acção transposta para a Rússia no tempo da Revolução Bolchevique) e em 1940 (regressando ao tempo da Revolução Francesa), duas pepineiras que servem para lembrar que nos Anos de Ouro de Hollywood também houve imenso pechisbeque.

A primeira versão jazzística surgiu em 1938, pela mão de Artie Shaw, mas só a partir de meados da década de 1950, os músicos de jazz descobriram realmente esta canção fatalista e agridoce, que vê todas as paixões como condenadas: “Flamejando no resplendor do sol nascente/ Um beijo ardente sela/ Um voto que todos irão trair// Pois as paixões que inflamam o amor/ E nos fazem ascender aos céus/ São as paixões que matam o amor/ E o fazem tombar no inferno/ Assim termina a história”.

Recomendado: Os melhores concertos de jazz e clássica em Lisboa esta semana

Dez versões clássicas de “Softly as in a Morning Sunrise”

1. Modern Jazz Quartet

Ano: 1955
Álbum: Concorde (Prestige)

O Modern Jazz Quartet (MJQ) tinha óbvias inclinações Third Stream – designação para as aproximações entre jazz e música clássica praticadas nas décadas de 1950-60 – pelo que não é inesperado que “Softly, as a in a Morning Sunrise” seja raptada do mundo da opereta vienense e levada para o território do contraponto barroco. O álbum Concorde foi o primeiro do MJQ a ser editado originalmente em formado de LP de 12’’ e o primeiro em que figurou o baterista Connie Kay, em substituição de Kenny Clarke – ficava assim definida a formação canónica do MJQ, com Kay, Milt Jackson (vibrafone), John Lewis (piano) e Percy Heath (contrabaixo).

2. June Christy

Ano: 1955
Álbum: Something Cool (Capitol)

Something Cool foi o álbum de estreia de Christy a solo, após ter granjeado fama como cantora de cool jazz na banda de Stan Kenton, e contou com arranjos e direcção de Pete Rugolo, um dos principais responsáveis pela renovação da sonoridade da orquestra de Kenton. O álbum teve uma 1.ª versão em 1954, como LP de 10’’ e sete faixas, e ressurgiu em 1955 como LP de 12’’, com quatro faixas adicionais gravadas nesse ano, entre as quais está “Softly, as a in a Morning Sunrise”.

Publicidade

3. Al Cohn

Ano: 1956
Álbum: Cohn on the Saxophone (Dawn)

Este “Softly, as a in a Morning Sunrise” é um belo exemplo das qualidades do saxofonista Al Cohn: leveza, limpidez e precisão. O quarteto alinha Hank Jones (piano), Milt Hinton (contrabaixo) e Osie Johnson (bateria)

4. Sonny Rollins

Ano: 1957
Álbum: A Night at the Village Vanguard (Blue Note)

Na longa carreira do saxofonista Sonny Rollins – que, aos 89 anos, ainda se mantém no activo –, o período entre 1955-58 é mais inspirado e relevante do que toda a sua produção nos 60 anos que se seguiram e as sessões que gravou a 3 de Novembro de 1957 no clube Village Vanguard representam um dos cumes desse período. Rollins tem, nesta versão de “Softly, as a in a Morning Sunrise”, a cumplicidade de Wilbur Ware (contrabaixo) e Elvin Jones (bateria).

Publicidade

5. Paul Chambers

Ano: 1957
Álbum: Paul Chambers Quintet (Blue Note)

A formidável discografia de Paul Chambers como sideman – dezenas de discos essenciais da viragem dos anos 50-60 contam com o seu contrabaixo – faz esquecer que também tem uma nada negligenciável discografia em nome próprio, entre a qual está este álbum com o trompetista Donald Byrd (ausente de “Softly, as a in a Morning Sunrise”), o saxofonista Clifford Jordan, o pianista Tommy Flanagan e o baterista Elvin Jones. Em “Softly, as a in a Morning Sunrise”, Chambers mostra que o papel do contrabaixo não se limita ao “acompanhamento” e faz questão de ser ele a expor o tema.

6. Helen Merrill

Ano: 1958
Álbum: The Nearness of You (EmArcy)

A 1.ª parte desta versão pela cantora Helen Merrill, suave, melancólica, velada e com acompanhamento minimal, está em franco contraste com a leitura realizada por June Christy três anos antes, mas Merrill também acaba por ganhar swing e abrir a voz.

O álbum contém material de duas sessões com diferentes orquestras e arranjadores e “Softly, as a in a Morning Sunrise” provém da sessão arranjada e dirigida por David Carroll.

Publicidade

7. John Coltrane

Ano: 1961
Álbum: Live at the Village Vanguard (Impulse!)

1961 foi um ano crucial na carreira de John Coltrane, com a gravação do primeiro álbum com aquele que viria a ser o seu “quarteto clássico”, a transferência da editora Atlantic para a Impulse! e o início da colaboração com o saxofonista e clarinetista Eric Dolphy, que esteve presente nas sessões de 2-3 de Novembro no clube Village Vanguard, mas não toca em “Softly, as a in a Morning Sunrise”. Jimmy Garrison, que viria a ser o contrabaixista do “quarteto clássico”, ainda não substituíra definitivamente Reggie Workman, pelo que é este que figura em “Softly, as a in a Morning Sunrise”, cabendo a Garrison o lado 2 do LP. A equipa completa-se com o pianista McCoy Tyner (com elaborado solo em “Softly, as a in a Morning Sunrise”) e Elvin Jones (bateria).

8. Ron Carter

Ano: 1961
Álbum: Where? (New Jazz)

Eric Dolphy estaria presente noutra reinterpretação de “Softly, as a in a Morning Sunrise” gravada nesse mesmo ano, no álbum de estreia como líder do contrabaixista Ron Carter (por vezes reeditado sob o nome de Dolphy, como que para compensar a breve discografia deste). Tal como Chambers quatro anos antes, Carter trata de afirmar o papel assumido pelo contrabaixo no jazz e assume a exposição do tema, com arco.

Em quatro das suas seis faixas, Where? dá também a ouvir Carter em violoncelo (ocasião em que o contrabaixo passa para as mãos de George Duvivier). Os outros músicos são Mal Waldron (piano) e Charlie Persip (bateria).

Publicidade

9. Eric Dolphy

Ano: 1963
Álbum: The Illinois Concert (Blue Note)

Dolphy regressaria a “Softly, as a in a Morning Sunrise” com uma banda sob a sua liderança, num concerto registado, informalmente, em Março de 1963, na Universidade de Illinois, em Champaign, que só foi editado oficialmente em 1999. A versão de 20 minutos de duração por Dolphy comprova que os jazzmen de vanguarda estavam a levar a canção para paragens muito distantes do espírito da opereta de 1928.

O quarteto tem no piano um jovem e ainda desconhecido Herbie Hancock, no contrabaixo Eddie Khan e na bateria J.C. Moses.

10. Larry Young

Ano: 1966
Álbum: Unity (Blue Note)

Não há suavidade nem melancolia neste “Softly, as a in a Morning Sunrise”, antes tensão e tumulto. O organista Larry Young estreara-se como líder em 1960, com Testifying, e foi ganhando confiança e ousadia, de forma que em meados da década estava a rubricar álbuns que, não comungando da estética free, estavam indubitavelmente na linha da frente do jazz, como é o caso dos incendiários Into Something e Unity, este último com as fornalhas guarnecidas por Woody Shaw (trompete), Joe Henderson (saxofone) e Elvin Jones (bateria).

Mais versões

Thelonious Monk
@William P. Gottlieb

Dez versões clássicas de “‘Round Midnight”

Música Jazz

Sendo o jazz uma música eminentemente nocturna, não é de admirar que“‘Round Midnight” se tenha tornado numa das suas composições mais populares, sendo alvo de mais um milhar de versões. Estas dez são imprescindíveis.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Também poderá gostar

        Publicidade