Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Três novos discos de veteranos do indie rock americano
Superchunk
© Jason Arthurs

Três novos discos de veteranos do indie rock americano

Superchunk, The Breeders e Yo La Tengo são nomes fulcrais do indie rock americano de 90s. Com discos novos nas lojas

Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Não dá para fazer uma lista minimamente séria com os melhores discos de indie rock dos 90s e não incluir pelo menos um álbum dos Superchunk (Foolish, 1994), dos Yo La Tengo (Painful, de 1993, ou I Can Hear the Heart Beating as One, de 1997) e outro de The Breeders (Big Splash, 1993). Em 2018, as três bandas continuam vivas, de boa saúde, e acabam de editar novos discos para o provar.

Três novos discos de veteranos do indie rock americano

Superchunk - What A Time To Be Alive

4 /5 estrelas

No activo desde 1989, os Superchunk são uma instituição indie. E no 11º álbum, lançado há um mês, não acusam a idade. A fórmula é a mesma de sempre: power-pop com vitalidade punk, música directa e jubilatória. Mas isto é redutor. What A Time To Be Alive não é só um disco de indie rock certeiro e urgente, está sintonizado com a actual realidade sociopolítica americana e as suas canções reflectem a revolta de uma certa esquerda. Todavia evita referências directas a pessoas ou situações, garantindo a sua intemporalidade – uma excepção é a menção da activista e denunciante americana Chelsea Manning, em “I Got Cut”; ou a homenagem aos Reagan Youth na faixa homónima, também uma meditação sobre a capacidade (ou a incapacidade...) de a música popular efectuar mudanças sociais duradouras.

The Breeders - All Nerve

3 /5 estrelas

Não comparar All Nerve, lançado no início do mês, com Big Splash, de 1993, requer algum esforço. O disco é o primeiro de The Breeders em dez anos, mas o que o torna especial é o facto de marcar o reencontro das irmãs Kim e Kelley Deal com Josephine Wiggs e Jim Macpherson, o quarteto que assinalou o clássico de 93. As expectativas eram, por isso, elevadas e saíram furadas. Apesar do nome, falta-lhe nervo, e o alinhamento é desequilibrado. Por cada canção como “MetaGoth”, três minutos de pós-punk tenso e violento, com ruído e melodia nas doses e momentos certos, ou “Archangel’s Thunderbird”, a evocar memórias de 90s enquanto rocka com confiança, há outra que devia ter sido mandada para trás, como a insípida murder ballad “Walking With A Killer” ou a banal e imediatamente olvidável “Blues at the Acropolis”. É pena.

Publicidade

Yo La Tengo - There's a Riot Going On

4 /5 estrelas
Os Yo La Tengo são outro bom exemplo de longevidade e consistência: andam nisto desde 1984 e os fundadores Ira Kaplan e Georgia Hubley tocam com James McNew desde 1991. O novo álbum, There’s A Riot Going On, partilha o nome com um discaço de Sly and the Family Stone, sai na sexta-feira e foi gravado pelo trio ao longo de vários meses, no seu estúdio, sem engenheiros nem produtores a mandarem bitaites. As canções foram aparecendo de forma natural e orgânica e isso nota-se. É um disco nocturno e vasto, desapressado, onde faixas distorcidas de cinco minutos ou mais coexistem com pequenas canções de dois minutos, mas nem sempre nem por isso mais directas. Pode estar a haver distúrbios lá fora, como anuncia o título, mas os Yo La Tengo continuam na sua. Fazem eles bem.

Mais indie

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade