A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
James Ferraro
DRJames Ferraro

A Colina volta a erguer-se e a ouvir-se em Setúbal neste fim-de-semana

Passados dois anos, o Coletivo Colinas volta a organizar o seu festival em Setúbal. James Ferraro é o cabeça-de-cartaz.

Escrito por
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Nos últimos dias de Novembro de 2019, A Colina ergueu-se em Setúbal. Originalmente, a festa, que levou músicos e artistas internacionais como Panda Bear ou Proc Fiskal a Setúbal e se prolongou por três noites e uma tarde, era um ensaio para um festival que devia ter continuado a desenvolver-se na Primavera seguinte. Mas a pandemia forçou os responsáveis por esta empreitada – Luan Bellussi e Pedro Tavares, do Coletivo Colinas, com a mentoria de Pedro Gomes – a alterarem os seus planos. Pensaram em voltar em Novembro passado, mas mais uma vez não foi possível. Agora é que vai ser.

Pedro Tavares edita a solo como funcionário, toca com Luan no Império Pacífico e descreve A Colina, que vai ocupar o espaço de A Gráfica, em Setúbal, entre sexta-feira e domingo, como uma “tentativa de chegar a um lado novo a partir de coisas que já existem e de malta que já está estabelecida, e de dar uma força a quem está a começar, a malta portuguesa que está cá a criar trabalho”. Pedro Gomes, que ao longo das últimas duas décadas levou música absolutamente vital a quase todas as salas que importam em Lisboa, completa o raciocínio: “Inclusive a malta do distrito. Há pessoal do Montijo, de Palmela, Setúbal [no cartaz]. Está tudo representado.” 

A relação com estas cidades e os seus habitantes é fundamental para os organizadores. Todos cresceram em Setúbal e, apesar de a maior parte já não viver lá, querem levar ao distrito (que Pedro Gomes descreve como “um arquipélago de ilhas que não comunicam entre si”) a música e a arte a que gostavam de ter tido acesso quando eram mais novos. Para explicar o que o festival representa para algumas pessoas, ele começa a contar uma história de 2019: “Tive um depoimento presencial de um homem novo, com para aí uns 30, da Setenave. Ele e a namorada, que são de cá, vieram falar comigo porque quando viram o cartaz achavam que era alguém que os estava a trollar. Que estava a gozar com eles. Tiveram de ir ao site da Câmara ou ao Facebook confirmar que era real.”

A história continua. “O Pete Kember [Sonic Boom] foi ver o concerto do Panda Bear no festival, há dois anos. E este homem de quem estava a falar virou-se para alguém que estava atrás de mim e disse: ‘Este é o Pete Kember. O que é que ele está aqui a fazer?’ E a namorada, com o ar mais deadpan que tu podes imaginar, diz: ‘Ele vai começar a chorar’. E o gajo começou a chorar baba e ranho, e em inglês estava a dizer: ‘Pete Kember, o que é que tu estás a fazer na minha cidade? Eu tenho os teus discos todos’.” Ouve-se satisfação na voz de Gomes. “Isto não se paga. Um bacano da Setenave chorar de felicidade porque está a ver o gajo de quem ele tem mais discos no mundo, e que quando olhou para aquilo achou que era alguém a gozar com ele. Isto resume por uma pena a situação deste sítio.”

Não se sabe se Pete Kember vai subir A Colina este ano, mas está confirmada a presença de outro compositor capaz de meter homens feitos a chorar baba e ranho: James Ferraro. Um dos nomes cruciais e honestamente influentes da música ocidental mais empática e curiosa que vem a ser criada ao longo das últimas duas décadas – a par do seu parceiro nos tempos de The Skaters, Spencer Clark, e mais um par de compagnons de route – volta a pisar a margem sul do Tejo, dois anos depois da última passagem pelo histórico OUT.FEST.

É provável que continue a interpretar temas de Four Pieces for Mirai – o terceiro álbum desta colecção, Terminus, saiu no início de 2021 e o quarto e último está a caminho. Mas não é garantido. “Ele tem três, quatro, cinco, seis, 17 coisas diferentes para apresentar ao longo de 12 meses”, sublinha Pedro Gomes, que trabalha com ele há 16 anos. “Sou suspeito, mas acho que o gajo é um génio. Se o pudesse ver três ou quatro vezes por ano, eu via”, continua. O outro Pedro, Tavares, de uma geração mais nova, é igualmente taxativo: “O Ferraro foi das pessoas mais importantes [para mim e para o Luan] em termos de conhecer música e saber o que é. Ajudou a moldar ou mesmo a criar muita coisa. É um dos nossos ídolos. E acho que não falo só de nós, mas de muita gente.” É tudo verdade.

Apesar da excitação que causa, James Ferraro é apenas um dos 20 e poucos nomes em cartaz. Artistas visuais como Afonso Laranjeira, Anita Marante, Catarina Santos, David Correia Gonçalves, Francisca PSS, Gonssalo, Joana Pimentel, Magdalena Borges, Pedro Leitão e Pedro Tinôco vão expor novas criações nos pavilhões de A Gráfica – Centro de Criação Artística, enquanto a música nasce em palco e ecoa através das colunas. A sexta abre com um concerto de O Carro de Fogo de Sei Miguel, seguido por Jejuno, Hetta, Visitante e Ghoya, que Pedro Gomes classifica como “o maior rapper da história de Portugal. Sem grandes comparações”. E ainda “um ser humano inacreditável, e uma pessoa com uma força, um talento e uma obsessão pela verdade absolutamente brutais”.

Já no sábado, Tiago vai ser o primeiro a actuar. Seguem-se Guilherme Curado, Maria da Rocha, Elvin Brandhi e a Noiva (“que faz da melhor música que eu já ouvi a sair de Portugal”, Pedro Tavares dixit) a abrir para James Ferraro. A noite termina com Max Dade & Tsuri a passarem discos. São velhos cúmplices de Pedro e Luan, que fala deles com um apreço genuíno e contagiante. “Passam som incrível e com muito bom gosto”, considera. “Uma cena para as pessoas estarem à vontade, confortáveis, a darem um passinho de dança leve, mas com uma continuidade que faz as pessoas esquecerem as horas.”

Por fim, no domingo, o programa resume-se a uma emissão ao vivo da PACKT FM, “um podcast meio-que-webrádio chill” criado e dinamizado no pico da pandemia por Luan Bellussi e Pedro Tavares, com alguns convidados. “Ninguém passou bem durante a pandemia”, como Pedro Gomes diz quase no final da conversa, mas as suas transmissões, em 2020, foram um precioso balão de oxigénio. “Aliás, bora ser claros, nós passámos todos muito mal”, continua ele. Muitos ainda estão passar, acrescentamos. “Sem dúvida. Das pessoas que estão à minha volta, ninguém saiu incólume. Muita gente incrível está mesmo danificada. E nós vamos todos precisar de tempo. Tempo e paciência uns para os outros”, pede. Tavares fecha a conversa. “Tempo e coisas destas a acontecer. Para renovar.”

A programação detalhada pode ser consultada aqui.

+ Os melhores concertos em Lisboa esta semana

+ Os concertos em Lisboa já na agenda para 2022

Últimas notícias

    Publicidade