A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
A Dama Rosa
Ricardo Lopes

Antigo palacete vira espaço de cowork - mas só durante um ano

Chama-se A Dama Rosa e fica no coração do Príncipe Real. Abriu em Fevereiro, mas já tem data para fechar.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

Amália bem cantava Lisboa, não sejas francesa, mas a verdade é que a capital portuguesa não pára de receber novos residentes vindos de França. Segundo dados provisórios a que o Diário de Notícias teve acesso, em 2021 o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) concedeu 109 mil novos títulos de residência. Só os italianos ficaram à frente dos franceses na hora de escolher Portugal como morada. Foi o caso de um casal francês ligado à indústria têxtil que, em 2016, comprou um palacete no Príncipe Real. O imponente edifício cor-de-rosa tem servido até hoje como habitação, mas ganhou há umas semanas uma nova função: espaço de cowork.

Os proprietários do edifício continuarão a ocupar o piso superior, onde vivem uma semana por mês, mas delegaram a Camille Venot a tarefa de explorar os pisos inferiores transformando-os num espaço funcional. "Tinham este piso térreo vazio e não sabiam o que fazer com ele", conta à Time Out a responsável pela A Dama Rosa. "Eu própria estava à procura de um cowork em Lisboa e não encontrava o sítio certo", recorda a parisiense de 30 anos com passado no universo das startups. 

A Dama Rosa
Ricardo Lopes

A arquitectura do espaço foi preservada, dos tectos trabalhados ao chão em madeira. Só a mobília – secretárias, cadeiras – nos transporta para 2022. Não houve intervenções de maior porque dentro de um ano o palacete vai sofrer obras de renovação profundas. “Se correr bem, os donos estão a pensar fazer as renovações para tornar o cowork ainda melhor. Há pisos subterrâneos que podemos converter em ginásio, com sauna, etc. Há tanto potencial aqui, é de loucos", diz Camille. Até lá, o plano é o espaço de cowork funcionar durante 12 meses. 

São dois os pisos onde é possível trabalhar, seja através de secretárias designadas (269€/mês) ou de secretárias não-designadas (“hot desk”), o que significa escolher todos os dias um dos espaços de trabalho disponíveis (209€/mês). Há ainda passes semanais (79€) e passes diários (€15). A modalidade de espaços fixos já está praticamente lotada. "A procura por espaços de cowork em Lisboa é insana. Já tenho muitos pedidos de visitas", conta a responsável pelo projecto, que ambiciona ter uma comunidade plural de membros. "Quero ter um mix entre nómadas digitais, empreendedores de startups, freelancers, de todas as nacionalidades", revela. Para já, ainda não há portugueses. 

A Dama Rosa
Ricardo Lopes

Além das várias salas de trabalho, o piso térreo conta ainda com um pequeno varandim fechado para quem precise de fazer chamadas sem incomodar os restantes. Já o piso inferior contempla uma cozinha totalmente equipada, salas de reuniões e uma sala multiusos para conferências, aulas de yoga ou até aulas de português para os membros internacionais. Por fim, descobre-se um terraço amplo, com vista sobre a cidade, com mesas e cadeiras e um canteiro com ervas aromáticas. No Verão, a ideia é aproveitar o espaço para sessões de cinema ao ar livre e outros eventos culturais. 

Praça do Principe Real, 18 (Príncipe Real). Seg-Sex 07.00-21.00

+ Espaços de cowork em Lisboa para trabalhar em comunidade

+ O Moxy Lisbon City é um hotel, mas também um espaço de cowork

Últimas notícias

    Publicidade