Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right 25 espaços de cowork em Lisboa para trabalhar em comunidade

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Alvalade Cowork
Fotografia: Duarte Drago

25 espaços de cowork em Lisboa para trabalhar em comunidade

Tem o seu próprio negócio e falta-lhe um sítio para trabalhar? Os espaços de cowork são uma opção viável para si

Por Francisca Dias Real e Sebastião Almeida
Publicidade

A vontade de trabalhar por conta própria, a precarização das condições de trabalho, a possibilidade de trabalhar remotamente. Há razões de sobra para que nos últimos anos tenham nascido coworks em palácios, mercados, casas de família, bibliotecas ou armazéns abandonados em Lisboa. Muitos deles dão especial atenção à indústria criativa e startups, mas qualquer um pode apresentar o seu negócio e ter um local de trabalho que não implique esvaziar a carteira para alugar um espaço.

Nestes espaços, pessoas e empresas podem partilhar conhecimentos para que as suas ideias ganhem forma, sendo que o objectivo maior dos coworks é criar uma espécie de comunidade de partilha e ajuda mútua. Siga as nossas sugestões de alguns dos espaços de cowork em Lisboa que se podem adaptar ao seu trabalho.

Recomendado: Os melhores cafés para trabalhar em Lisboa

Espaços de cowork em Lisboa

Work Avenida
Work Avenida
Work Avenida

1. Work Avenida

Coisas para fazer Avenida da Liberdade

Mesmo ao lado do antigo edifício do Diário de Notícias, está um outro de 1908 com uma surpresa no piso térreo – o cowork Work Avenida. Este espaço tem um posicionamento premium e os seus residentes vêm de várias áreas de trabalho, de forma a promover um ambiente de partilha e uma atmosfera criativa.  A capacidade ronda as 25 pessoas residentes e podem ser em regime de cowork fixo, em secretárias ou gabinete de uma ou mais pessoas, ou flexível. Pode optar por um regime fixo (375€/mês + IVA) com direito além da secretária a recepção de correio, impressões, acesso 24/7, salas de reunião (quaro horas) e a áreas comuns.  Num regime mais flexível (30€/dia + IVA), o acesso fica restrito entre as 09.00 e as 19.00 e o acesso às de salas de reunião fica-le a 20€ por hora. Além dos espaços de trabalho, conte com um Business Lounge – ideal para eventos –, várias salas de reuniões com tecnologia adaptada, uma copa e cozinha.  

Wood
Wood
©Francisco Nogueira

2. Wood

Coisas para fazer Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Do exterior salta à vista o néon alaranjado onde se lê "Work is Good" e plantas pendem dos oito pisos deste edifício renovado no Marquês de Pombal. O Wood não é mais um prédio de escritórios convencionais, é um cowork com aulas de yoga, massagens ou consultas de bem-estar. Ao longo de oito pisos, projectados pelo ateliê Anahory Almeida, há 2000 m2 prontos a acolher até 220 pessoas – seja nos 45 escritórios disponíveis, na zona open space ou na zona lounge. É no lounge que está a maior sala de reuniões, e um bar de apoio que oferece todas as segundas-feiras o pequeno-almoço aos membros e uma happy hour às quintas. É nesse piso que está o estúdio para as aulas de yoga e balneários de apoio. No que toca ao trabalho, as modalidades dão para todos – a mais barata é uma mesa no lounge (250€/mês), sendo que funciona em regime flexível sem lugar fixo. No piso open space o regime muda para mesa fixa (375€/mês), com secretárias numeradas e um cacifo para guardar os pertences. Nos pisos superiores o cenário e o espaço dividem-se em gabinetes que podem ser duas (900€/mês), quatro (1720€/mês), cinco (2250€/mês) ou oito pessoas (3280€/mês). Haverá um Beauty Center, gerido pelo parceiro Z Vegan Hair e que disponibiliza serviços de cabeleireiro, barbearia, pedicure e manicure. Nessa sala, vão acontecer consultas com uma health coach, consultas ayurvédicas, de homeopatia, de osteopatia e sacro-craniana, massagens de relaxamento, aromaterapia e reflexologia – tudo desenvolvido pela Siendo – Art of Being.

Publicidade
Resvés
Resvés
©Inês Félix

3. Resvés Cowork

Coisas para fazer Grande Lisboa

O cowork Resvés fica no número 1 da Rua Saraiva de Carvalho, em Campo de Ourique, e garante o acesso 24 horas aos membros. Tem bicicletas partilhadas e quer ser um pólo de dinamização cultural e de networking na cidade. À entrada do cowork está uma zona lounge e uma mesa redonda, e são estes espaços que permitem aceder à modalidade base de flex coworker (100€/mês) onde se aplica a expressão "First come – First serve”, portanto é um modelo mais temporário. Sendo que quem quer alugar um lugar por um, cinco ou dez dias também o pode fazer. Ainda no piso térreo, este divide-se entre a modalidade standard (180€/mês), do lado que recebe menos luz natural e que tem mesas com mais lugares, e a premium (225€/mês), com mais luz e mesas mais largas – é nessa área que está também a sala de reuniões do Resvés, fechada e toda em vidro, acessível a todos os membros (por marcação) e até a  pessoas que não trabalham no cowork (15€/hora). No piso inferior, há uma copa, outra zona lounge e uma mesa de ténis de mesa – que se transforma em mesa de refeições na hora de comer. Além disso, há três hubs privados, para empresas já com algumas pessoas: um com seis lugares (600€), outro com oito (800€) e o maior de todos com 20 (2000€).

Places Cowork
Places Cowork
Fotografia: Manuel Manso

4. Places

Coisas para fazer Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

O mítico Cinema Quarteto, razão de inúmeras romarias à Rua Flores de Lima e a delícia de muitos cinéfilos durante anos, foi virado do avesso e transformado no Places – um novo espaço de cowork na cidade num edifício com três pisos e capacidade para 130 lugares, com direito a um belo terraço para fugir do trabalho de tempos a tempos. André Cardoso e Mariana Gil, os sócios fundadores do Places, já estão nestas andanças há algum tempo: têm um colégio no Parque das Nações, o Cresce e Aparece, e um restaurante de sushi na Avenida de Roma, o Wood Sushi. O edifício divide-se por três pisos, e está aberto entre as 08.00 e a 00.00, com um segurança em permanência durante esse horário – para estadias fora de horas cada coworker tem um cartão que dá acesso ao piso onde trabalha, para manter a segurança do espaço. Existem quatro planos disponíveis no menu do Places. O Plano Virtual, para quem não precisa de um espaço físico, mas sim de um escritório virtual (60€), o Plano Flex, onde basta trazer o seu computador e escolher um espaço da área comum (120€) e o Plano Fix, que lhe permite ter um local fixo de trabalho e gavetas (200€). O Plano Office é o mais completo e, além de todas as comodidades dos outros planos, tem um número de telefone dedicado e oito horas em sala de reunião, sendo que exige um mínimo de quatro pessoas no plano (220€).

Publicidade
The Hare and the Tortoise, cowork
The Hare and the Tortoise, cowork
Manuel Manso

5. The Hare and the Tortoise

Coisas para fazer Lisboa

A famosa fábula de Esopo, A Lebre e a Tartaruga, assumiu novas formas – a de um cowork. The Hare and the Tortoise abriu na Estrela como um espaço de cowork multifunções de dois pisos com mesas partilhadas, salas privadas, um auditório para eventos e aulas de yoga para todos. No que toca às modalidades de trabalho, há fórmulas que dão para todos os gostos, carteiras e tipos de empresa. A modalidade mais barata diz respeito a um lugar em hot desk, ou seja, escolhe-se um posto de trabalho mas este pode mudar todos os dias (220€/mês), sendo que há lugares tanto no piso térreo como no piso subterrâneo. Além destas, há dedicated desks, que são um posto fixo já com lugar para guardar os pertences (270€/mês). Para quem quer privacidade existem três salas privadas com seis lugares (600€/piso 1; 450€/piso 0). E para quem precisa de uma secretária apenas por um dia há um passe diário a 25€. No piso subterrâneo há um auditório que pode ser usado para apresentações de projectos de residentes, mas a ideia é alugar o espaço a gentes de fora que precisem de um local para fazer um evento ou dar um workshop. As aulas são abertas a todos, não apenas aos coworkers, e os horários vão sendo anunciados no Instagram do The Hare and the Tortoise. É possível adquirir apenas uma aula, ou em packs de cinco ou 10.

6. Heden

Coisas para fazer São Vicente 

Lisboa há muito que fervilha de criatividade e prova disso são os espaços criados propositadamente para a indústria criativa. A Graça ganhou este espaço de cowork – o Heden, um pólo criativo que combina as mesas de trabalho partilhadas com ateliês para artistas ou criativos e zonas de exposição. O Heden é também um espaço sustentável, tendo a equipa associado-se à Coopérnico, uma associação que envolve os cidadãos e empresas na criação do novo paradigma energético – renovável e descentralizado – em benefício da sociedade e do meio ambiente. A mensalidade varia entre os 150€ (secretária flexível) ou 200€ (secretária fixa), sendo que as mulheres têm 17,5% de desconto, equivalente à diferença salarial em Portugal – uma medida que pretende promover a igualdade. Tome nota: o Heden abriu um segundo espaço no Chiado, para ter debaixo de olho, e outro especial em Santa Apolónia.

Publicidade
Heden
Heden
Heden

7. Heden Santa Apolónia

Coisas para fazer Alfama

Em Dezembro de 2019, abriu o Heden Santa Apolónia, o espaço de Manuel Bastos e László Varga tem agora vista-rio (ou cruzeiro, dependendo da afluência de navios) e a mesma pretensão a ser um pólo criativo, preocupado com a sustentabilidade e a querer relacionar-se com a vizinhança. O espaço de mil metros quadrados quer ser o primeiro cowork auto-suficiente do país. Para cumprir essa meta, serão instalados no telhado 100 painéis fotovoltaicos, que permitirão armazenar um máximo de cerca de 30kW de energia. E porque a preocupação em diminuir o consumo energético é política da casa, foram pensadas duas fachadas bioclimáticas que no Verão climatizam o espaço e permitem reduzir o consumo energético.  

Liberdade 229
Liberdade 229
Liberdade 229

8. Liberdade 229

Coisas para fazer Avenida da Liberdade

Num edifício do século XIX, na Avenida da Liberdade, o Liberdade 229 é um dos coworks mais antigos da cidade e mantém a linha de acção e partilha de ideias desde a sua abertura. Tem 34 mesas espalhadas por sete salas e a modalidade é simples: 180€ por mês por uma secretária, tendo acesso a sala de reuniões, cabine telefónico, copa, internet, impressões e recepção de correio. Para pausas produtivas há uma mesa de ping pong e “material de leitura nas casas de banho para uma estadia extra agradável” – caso lhe interesse. O acesso dos membros é de sete dias por semana durante 24 horas por dia, para quem tem dinâmicas de trabalho próprias e não gosta de cumprir o horário de expediente. 

Publicidade

9. Unicorn Workspaces

Coisas para fazer Avenida da Liberdade

Depois da Alemanha, a empresa Unicorn Workspaces fez a sua expansão internacional e aterrou em Lisboa. Não um, mas dois espaços novos de cowork nasceram em Lisboa, resultado da expansão internacional da empresa Unicorn Workspaces. Uma casa no Marquês de Pombal e outra nos Restauradores, no edifício do Hard Rock, fazem um total de 1600m² disponíveis para albergar 240 pessoas, desde PMEs a startups. No espaço dos Restauradores há capacidade para uma centena de pessoas, divididas entre escritórios para equipas, open-spaces e salas de reunião. Já o do Marquês é maior e divide-se por dois anares, com 140 mesas de trabalho, oito gabinetes, salas de reunião e open spaces. Os preços começam nos 200€ para espaços singulares e a partir de 180€ (pessoa) para os escritórios privados para equipas, que podem ir de seis a 30 pessoas.

samesame
samesame
Fotografia: Manuel Manso

10. Beco

Coisas para fazer Castelo de São Jorge

O BECO é um espaço de cowork inserido no SameSame, o primeiro projecto de co-living 100% português. Fica no Beco do Rosendo, na Rua da Madalena, e tem o seu foco apontado em atrair as comunidades criativas. O primeiro piso do SameSame, está aberto a qualquer pessoa que precise de um espaço para trabalhar (sem ser necessário estarem hospedados no co-living), dividindo o espaço com os residentes aqui. Além das mesas de trabalho, o espaço tem uma sala de reuniões, uma copa e uma área lounge onde decorrem os eventos da programação cultural regular, desde aulas de yoga, sessões de cinema a conferências – tudo aberto ao público.

Publicidade
ateliers da penha
ateliers da penha
Fotografia: Manuel Manso

11. Ateliers da Penha

Coisas para fazer Beato

Os Ateliers da Penha servem quem precisa de uma secretária e de um leque de ferramentas para trabalhar. Há casamentos felizes que resultam de combinações improváveis – é o caso dos Ateliers da Penha, um espaço de cowork que traz atrelado a si oficinas de produção e criação. Instalados na Penha de França, estão de portas abertas para receber arquitectos, designers, escultores, carpinteiros, artesãos e artistas.Sebastião de Botton, Rúben Teodoro e Ricardo Morais compõem a equipa vencedora destes Ateliers, o Colectivo Warehouse. Há uma sala multiusos para todos usarem e com mesa de pingue-pongue. E logo colada à sala multiusos está outra mais pequena com secretárias corridas e cadeiras, são espaços de trabalho individuais numa mesa colectiva – a verdadeira acepção de cowork (160€ + IVA/ mês). Há ainda três salas privadas, duas delas já ocupadas por um casal americano que se dedica à escultura e à pintura e a outra por uma dupla de pai e filho que constroem pranchas de surf. A outra sala maior está numa mezzanine, ainda por alugar, e é capaz de receber até quatro pessoas (500€ + IVA/ mês). O piso de baixo é onde a magia acontece, mas em vez de pós de perlimpimpim há martelos, lixadoras, berbequins e serrotes. São aqui as oficinas onde pode deitar as mãos à obra – no sentido literal da coisa.

LACS
LACS
©LACS/Facebook

12. LACS

Coisas para fazer Estrela/Lapa/Santos

Não é um centro de escritório. Nem é só um espaço de cowork. O Lisbon Art Center & Studios (LACS) ultrapassa essa fronteira, é um pólo criativo aberto ao público com programação cultural e um rooftop com uma vista de 360 graus sobre Lisboa e o Tejo – onde estão o restaurante Okah e o terraço Zazah Good View. O LACS quer oferecer meios que permitam maximizar o consumo cultural e ao mesmo tempo apoiar a produção e promover as artes plásticas e eventos culturais, num contexto de forte identidade urbana de criatividade e inovação. No LACS estão disponíveis desdes as secretárias partilhadas, individuais (190€/mês) e, para quem gosta de mais privacidade, há estúdios privados (220€/mês). 

Publicidade
AVILA SPACES
AVILA SPACES
©Luis Barra/Ávila Spaces

13. Ávila Spaces

Coisas para fazer Lisboa

Este é um cowork premium no centro da cidade, com uma imagem mais corporativa em plena Avenida da República. O Ávila Spaces tem várias modalidades de cowork, desde a mais simples business lounge com um posto de trabalho de hotdesking (138€/anuidade), o basic com secretária própria (229€/anuidade), o corporate com direito a secretária e a escritório virtual (275€/anuidade) – utilização de morada para sede social e atendimento telefónico com linha exclusiva –, e o premium com secretária e cacifo, acesso a sala de reuniões e escritório virtual (321€/anuidade). O espaço promove ainda eventos de networking gratuitos para os membros poderem promover a sua empresa ou negócio.

Misturado
Misturado
©Misturado/Facebook

14. Misturado

Coisas para fazer Grande Lisboa

O espaço Misturado é conhecido pelos seus eventos culturais todas as semanas, mas mais que um palco da arte, é um espaço de cowork. Têm serviços de aluguer de secretárias  partilhadas em open space (a partir de 9€/dia), secretárias individuais em escritório, escritório virtual (25€/mês), sala de reuniões e espaços para eventos.

Publicidade
Lisbon Workhub
Lisbon Workhub
Fotografia: Ana Luzia

15. Lisbon Workhub

Atracções Marvila

Empreendedores, freelancers e nómadas partilham o mesmo espaço de trabalho no Lisbon Workhub. O cowork fica nos antigos e míticos armazéns de vinho Abel Pereira da Fonseca e tem secretárias para alugar a partir de 15€/dia ou 160€/mês.

second home, mercado da ribeira
second home, mercado da ribeira
Fotografia: Manuel Manso

16. Second Home

Casas Cais do Sodré

O cowork que viajou de Londres para Lisboa dá a sensação de trabalhar num espaço semelhante a um jardim botânico com computadores. A incubadora de indústrias criativas instalou-se no Time Out Market e além do espaço dedicado ao trabalho de cada empresa, o Second Home tem uma agenda cultural preenchida com conferências e até aulas de yoga. Pode consultá-la aqui

Publicidade
Hood
Hood
©DR

17. Hood

Atracções Marvila

É uma espécie de bairro criativo, criado pela agência de marketing comOn no fim de 2015. Tem um espaço de cowork, um auditório/ginásio, skates e até uma praça, a Charles Square, com um bar self-service.

18. Idea Hub

Coisas para fazer Avenida da Liberdade/Príncipe Real

O IDEIAHub tem duas moradas, uma no Parque das Nações e outra no Palácio Sotto Mayor, o mais recente. O IDEIA Hub Palácio Sotto Mayor tem 1900 m2, mais 600 m2 do que o primeiro espaço no Parque das Nações. Agora aguarda reservas para os novos 70 m2 de salas de reunião, 23 escritórios privados com tudo incluído, dois espaços de hub desk (aka secretárias partilhadas) ou para um auditório para mais de 50 pessoas preparado para conferências, conversas ou eventos. Quem aqui trabalhar tem direito a uma área de lounge para relaxar e socializar (o que também é a alma deste tipo de negócios) e ao IDEIA Café, com tudo o que é preciso para trabalhar de barriga cheia.

Publicidade
Cowork TODOS
Cowork TODOS
Fotografia: Francisco Santos

19. Cowork Todos

Coisas para fazer Marvila

Frederico Mancellos e Frederico Miranda criaram o Todos 
em plena crise, em 2013, um universo que aloja mais de 85 criativos num armazém recuperado. Aqui alugam-se estúdios, espaços de trabalho, salas de reuniões ou de maquilhagem. No Todos promove-se a criatividade acima de tudo e são os responsáveis que fixam um valor consoante o tipo de projecto que cada pessoa apresenta.

20. Coworklisboa

Coisas para fazer Alcântara

Em pleno Lx Factory, há um espaço de cowork para poder trabalhar enquanto um profissional independente sem ter de alugar um escritório. O Coworklisboa oferece duas soluções de posto de trabalho: mesa individual ou micro-estúdio, tendo disponível ainda vários planos adequados à utilização que cada coworker faz do espaço. As mensalidades começam nos 150€, se não precisar de uma secretária muito grande (caso seja esse o caso o preço sobe para 180€).  Inscrições e informações em: www.coworklisboa.pt.  

Publicidade

21. Cowork Central

Coisas para fazer Princípe Real

O Cowork Central já tinha o primeiro espaço no Cais do Sodré, mas vai daí e apareceram as dores de crescimento de quem já albergava 50 pessoas e precisava de mais. Tom Davis, o responsável pelo espaço, decidiu subir umas colinas e abrir outro espaço no Príncipe Real. Neste espaço há 36 lugares e para quem se quiser instalar por lá, uma mesa tem o valor de cerca de 225€ por mês, mas o mais habitual é procurarem o Cowork Central pelo passe de 10 dias (123€).  

22. Corwork my Auchan

Coisas para fazer Avenidas Novas

Ao supermercado na Avenida da República, a cadeia de supermercados My Auchan juntou um espaço de cowork. E não paga nada para se sentar à mesa. O espaço de 130 m2 e 20 lugares sentados foi pensado para jovens empreendedores, profissionais liberais, startups (e, na verdade, público em geral) e à disposição tem wi-fi, salas para reuniões individuais, phone booth, zona de vending e copa. Pode ainda ser reservado para reuniões, basta falar com o responsável da loja.

Publicidade
Palácio Baldaya
Palácio Baldaya
©DR

23. Cowork Palácio Baldaya

Coisas para fazer Benfica/Monsanto

O Palácio Baldaya reabriu em Setembro de 2017 para servir de pólo cultural ao bairro de Benfica, mais de um século depois de estar fechado. Passou a oferecer aos lisboetas uma nova biblioteca e um espaço de cowork. O cowork tem uma lista de espera generosa, de empresas e pequenos empreendedores que procuram um local de trabalho para o seu negócio. A ideia é estimular, incentivar e apoiar o empreendedorismo na freguesia, que estejam numa fase de desenvolvimento e consolidação da sua actividade, criando uma comunidade de empreendedores na zona norte da cidade.

Mercado da Inovação
Mercado da Inovação
Arlindo Camacho

24. Mercado da Inovação

Coisas para fazer Sete Rios/Praça de Espanha

A primeira incubadora de uma junta de freguesia abriu em São Domingos de Benfica para dar ferramentas a quem não as tem. Salas de reunião, espaços de cowork e de trabalho individual, mentoria e apoio – eis o Mercado da Inovação. Para conseguir um lugar numa destas mesas – cuja mensalidade variará entre 40 e 70 euros, dependendendo do apoio técnico – terá apenas de apresentar o projecto à Junta. Os critérios de escolha são, à partida, simples de cumprir: “Ideias que ajudem o mundo para melhor. Mas também é preciso ser boa pessoa”.

Publicidade
Alvalade Cowork
Alvalade Cowork
Fotografia: Duarte Drago

25. Alvalade Cowork

Coisas para fazer Alvalade

No Alvalade Cowork o espaço é dividido com a Wave Factory, onde existe uma onda artificial para fazer surf e um restaurante. Tem à disposição quatro salas com 43 secretárias, internet, impressora, sala de reuniões e cozinha equipada. A surpresa deste cowork está nas traseiras. Lá, há um terraço com mesas e chapéus, ideal para almoçar, ter uma reunião ou simplesmente descontrair. O preço do aluguer pode ser mensal ou semanal. Na primeira opção custa 227,55€ , com tudo incluído, ou então 73,80€ por semana. 

Desanuviar depois do trabalho

Red Frog Cocktail
Fotografia: Arlindo Camacho

As melhores happy hours em Lisboa

Coisas para fazer

A felicidade tem um preço – e a partir de certa hora é mais barata. Happy hour é aquela expressão estrangeira que ninguém vai enrolar a língua para dizer, ou recusar-se a compreender o conceito. Nas horas mais felizes dos lisboetas as imperiais passam a custar uma módica moedinha e cocktails caem para metade do preço. 

Cerveteca Lisboa
Fotografia: Arlindo Camacho

Os melhores bares de cerveja em Lisboa

Bares

A cevada alimenta e uma pesquisa rápida no Google vai levá-lo a sites (alguns mais duvidosos que outros) que lhe apontam alguns benefícios: para a pele, para os intestinos e até para os ossos, imagine-se. Mas se pensa que o consumo deste néctar é uma actividade demasiado banal, desengane-se. Aqui dispensamos os copos de plástico, as imperais mal tiradas e todos os parentes pobres do consumo rápido e sem grandes preceitos.  

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade