A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Bandeira da Livraria Trindade
©DRA bandeira que afinal só foi quase roubada

Apareceu a bandeira “roubada” da Livraria Trindade

Afinal, parece que não foi roubada, mas foi por um triz. Bandeira estava guardada numa garagem das proximidades e alguém se esqueceu de avisar.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

No final do passado mês de Junho, a Livraria Trindade deu conta do desaparecimento de uma das bandeiras em ferro que ostenta na fachada. Uma pesada herança do anterior inquilino, a antiga loja e armazém da fábrica de licores Âncora, que ali deixou algum material, como duas bandeiras em ferro forjado, posteriormente restauradas pela Livraria Trindade, uma Loja com História.

António Pereira Trindade, o dono do negócio, chegou a oferecer uma recompensa de 500€ a quem encontrasse a bandeira desaparecida, mas, felizmente (ou infelizmente), agora pode usar esse dinheiro para ajudar no restauro da bandeira que apareceu a semana passada, com algumas mossas, numa garagem das redondezas.

A bandeira centenária da Livraria Trindade da rua do Alecrim acabou de aparecer. Obrigado! Este foi o texto que acompanhou uma imagem partilhada nas redes sociais da livraria, na tarde de 19 de Julho. Mas apareceu do nada? António diz que não.

“Não apareceu do nada. Houve um senhor que é segurança numa garagem a dizer que tinha aquilo guardado”, começa por explicar o alfarrabista. Pelos vistos, alguém tentou mesmo roubar a bandeira, mas um vizinho apanhou os ladrões em flagrante que a deixaram cair no chão e fugiram. Esse mesmo vizinho levou-a para uma garagem e só agora avisaram o segurança de serviço do que se tratava. “Mas só agora é que lhe dizem? Eu estive de férias e uma senhora é que me chamou a atenção”, disse o segurança, segundo as palavras de António.

“Foi por pouco que não a levaram. Agora isto tem de ser arranjado, porque foi tirado à bruta e o brasão está dividido a meio”, lamenta António, que se confessa muito surpreendido com este aparecimento. O restauro estará a cargo de Alexandre Bobone, da oficina de artesanato Bigorna Louca, que vai pegar na peça no próximo mês de Setembro.

+ Nesta exposição, cabe um século de design gráfico em Portugal

+ O Rossio na Betesga: Um rinoceronte na Torre de Belém

Últimas notícias

    Publicidade