A Time Out na sua caixa de entrada

Caravaggio ganha vida na Igreja de São Roque

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

21 obras do pintor italiano serão apresentadas na Igreja de São Roque em forma de Quadros Vivos. Parámos para ver.

É muito raro ter a oportunidade de ver uma obra de Caravaggio, o apelido adoptado por Michelangelo Merisi (1571- 1610) em homenagem à terra natal da sua família. Em todo o mundo existe cerca de uma centena de obras originais, grande parte em Itália e o restante em colecções espalhadas pelo globo. A maior colecção do mundo tem apenas seis quadros e pode ser vista na Galleria Borghese (e a pedido), em Roma. Portanto, enquanto não acontecer um empréstimo a um museu português, vai ter mesmo de esperar para ver.

O pintor italiano, um dos precursores da pintura barroca, chegou a ser criticado no seu tempo por escolher prostitutas e mendigos como modelos, com todos os seus defeitos e particularidades, para retratar temas e personagens bíblicos. Uma forma de emprestar um realismo mais evidente aos seus quadros, na sua maioria representações do Antigo e Novo Testamento. A rudeza destas representações era também acentuada através da técnica, com intensos contrastes de luz e zonas escurecidas que emprestam ainda mais realismo aos óleos sobre tela, uma tendência que ficou conhecida como tenebrismo. Este é o curso intensivo de Caravaggio, porque o espectáculo segue nas próximas linhas.

O encenador Ricardo Barceló inspirou-se no trabalho de quadros vivos da companhia romana Ludovica Rambelli (que em Abril passou por Aveiro, Fundão e Santarém) para levar à Igreja de São Roque 21 obras de Caravaggio, mas sem tintas. São quadros vivos, traduzido do francês “tableaux vivants”, um género que esteve muito em voga entre 1830 e 1920. Performances compostas por um elenco de personagens que representava, em palco, cenas da arte, literatura, da história ou da vida quotidiana. Quando o pano subia, ficavam estáticos e em silêncio durante cerca de 30 segundos para deixar viver a encenação, a pose, o traje, a maquilhagem, a iluminação e, muito importante, a expressão facial dos modelos. Também era costume a encenação ser acompanhada de uma música ou de um poema.

 Na Igreja de São Roque é com tudo isto que pode contar. A dramatização de Barceló recria em palco uma sequência de obras de Caravaggio que se vão construindo e desconstruindo ao som do famoso Requiem de Mozart. E tal como nos quadros do pintor italiano, a luz terá um papel principal de forma a emular os efeitos luminosos característicos da sua obra. Madonna di Loreto (original na Igreja de Sant’Agostino, Roma), A Anunciação (Museu de Belas Artes, Nancy) e a Flagelação de Cristo (Museu de Capodimonte, Nápoles) são apenas três das cenas que serão representadas na Igreja de São Roque em oito datas.

O primeiro espectáculo está marcado para este domingo às 21.30 e seguem-se os dias 8, 9, 10,11,12, 24 e 25 de Maio, sempre à mesma hora, com excepção dos dias 11 e 25 deste mês quando as portas abrem também às 19.00. A entrada custa 15€ e inclui um catálogo das obras dramatizadas. O elenco é composto por Ana Cris, Bárbara Cordeiro, Daniela Serra, Jan Gomes e Óscar Silva e cada performance tem uma duração de 60 minutos.

Igreja de São Roque. Largo Trindade Coelho. Dom 21.30

Igrejas em Lisboa que todos os lisboetas deviam conhecer

+ Exposições em Lisboa para visitar este fim-de-semana

Últimas notícias

    Publicidade