A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Igreja de São Vicente de Fora
© Lydia Evans / Time Out

Igrejas em Lisboa que todos os lisboetas deviam conhecer

Siga este roteiro de igrejas em Lisboa para ficar mais perto do céu, sem tirar os pés da terra

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Há precisamente 120 igrejas para descobrir na cidade. Foi difícil, mas conseguimos escolher os templos católicos que nem o mais convicto ateu pode contornar. Não servem apenas para rezar. As igrejas são odes à arquitectura e guardam muitas histórias entre vitrais, azulejos, pinturas e talhas douradas. Não é possível viver em Lisboa e não conhecer pelo menos estas dez igrejas, sempre de porta aberta para que possa entrar sem pedir permissão à hora que lhe der mais jeito. Siga este roteiro de igrejas em Lisboa para ficar mais perto do céu, sem tirar os pés da terra.

Recomendado: As melhores obras de design e arquitectura em Lisboa

Igrejas em Lisboa que tem mesmo de visitar

  • Atracções
  • Santa Maria Maior

Se vir um grupo de forasteiros boquiabertos em frente à Sé, não estranhe. É que o edifício, em estilo românico, é mesmo muito antigo. Começou a ser levantado a partir de 1147 e foi terminado nas primeiras décadas do século XIII. O projecto, de três naves com trifório, transepto saliente e cabeceira com três capelas, é muito semelhante à da Sé de Coimbra. Se algumas destas expressões lhe soarem demasiado estranhas, tenha calma. Pode sempre apresentar esta morada como o local onde ano após ano, em Junho, jovens casais alfacinhas trocam juras de amor eterno.

  • Atracções
  • Edifícios e locais históricos
  • Avenidas Novas

Foi a primeira igreja construída em Lisboa depois da implantação da República Portuguesa, em 1910. Só não foi logo, logo a seguir. Abriu portas em 1938 e foi projectada pelo arquitecto modernista Porfírio Pardal Monteiro, autor de outros edifícios-estrela de Lisboa como o do do Diário de Notícias na Avenida da Liberdade ou do Hotel Ritz.

Este é um verdadeiro museu de artistas: os vitrais são da autoria de Almada Negreiros, a imagem da padroeira de Leopoldo de Almeida e os frescos do arco triunfal de Lino António.

+ Almada Negreiros. Roteiro para ser moderno em Lisboa

Publicidade
  • Atracções
  • Belém

Mandado erigir pelo rei D. Manuel I em memória do Infante D. Henrique, é Monumento Nacional desde 1907 e Património Cultural da Humanidade desde 1983. Edificado no século XVI, foi na altura doado aos monges da Ordem de São Jerónimo. Em 2016 ganhou o estatuto de panteão nacional. Na igreja do mosteiro (Igreja de Santa Maria de Belém) encontram-se, entre outros, os túmulos de Luís de Camões, Vasco da Gama e rei D. Sebastião, cujos restos mortais foram trazidos por D. Filipe I numa tentativa de aniquilar o mito sebastianista. Mas são poucos os que acreditam que se trata efectivamente do corpo do Desejado.

+ E já que aqui está... Eis 10 museus a não perder em Belém e arredores

  • Atracções
  • Edifícios e locais religiosos
  • Grande Lisboa
  • preço 1 de 4

Fundado pela Rainha D. Leonor (1458-1525), que desejava aqui instalar a Ordem de Santa Clara, desde 1980 que o convento acolhe a colecção do Museu Nacional do Azulejo, um dos mais importantes do país e o detentor desta peça. Nesse ano se emancipou finalmente do Museu Nacional de Arte Antiga, do qual era anexo. Da igreja do convento, destaque para os dois coros barrocos que conjugam talha dourada com azulejos. As pinturas das paredes e do tecto são da autoria de Bento Coelho da Silveira. Mas atenção: a visita à igreja é feita com bilhete do museu na mão.

+ O maravilhoso mundo dos azulejos em Lisboa

Publicidade
  • Atracções
  • Chiado

Os estilos maneirista e barroco dominam a igreja de São Roque, um dos raros edifícios em Lisboa a sobreviver ao terramoto de 1755, quase sem sofrer um arranhão. De tal forma que tanto a igreja como a residência auxiliar foram cedidas à Santa Casa da Misericórdia, para substituir os seus edifícios e igreja destruídos no sismo. O vínculo mantém-se até hoje, com a igreja a centralizar as atenções de turistas e não só. Afinal, falamos de uma das mais belas da cidade, mandada edificar no final do século XVI, em colaboração com Afonso Álvares e Bartolomeu Álvares.      

  • Atracções
  • Edifícios e locais religiosos
  • Castelo de São Jorge

O terramoto de 1755 não a beliscou muito, mas agora esta igreja anda a precisar de mimos. A defesa deste património, que inclui mais de 40 telas de Bento Coelho da Silveira, é feita através do projecto Arte Por São Cristóvão, num templo que está ainda integrado na World Monuments Fund, uma lista de 50 monumentos em risco por todo o mundo. E está cheia de tesouros, entre eles a Capela dos Miranda, uma família nobre que aqui construiu os seus túmulos no século XV.

Publicidade
  • Atracções
  • Edifícios e locais religiosos
  • Santa Maria Maior

Da próxima vez que passar à porta desta igreja, não deixe mesmo de entrar (não seja calão, não tem de subir nem um degrau). Primeiro, porque os seguidores das pastorinhas Lúcia e Jacinta podem ver parte do lenço de uma e o terço da outra. Segundo, porque o que começou por ser um convento mandado construir por D. Sancho II, teve três inundações e alguns terramotos que lhe renderam intervenções dos notáveis arquitectos João Frederico Ludovice e Carlos Mardel. Em 1959, o interior foi destruído por um incêndio. Só reabriu em 1994 com uma original opção de recuperação que evoca este último desastre: as paredes foram deixadas sem pintura, as estátuas desfiguradas, as pedras quebradas e o tecto e altares foram pintados em tons de terracota.

Publicidade
  • Atracções
  • Estrela/Lapa/Santos

A construção do edifício começou em finais do século XVIII, na sequência de um voto de D. Maria I no dia do seu casamento: se tivesse um filho varão com D. Pedro, construiria uma convento para freiras carmelitas dedicado ao Coração de Jesus, o primeiro templo do mundo com esta devoção. A rainha está sepultada na Basílica da Estrela, sendo a única monarca da dinastia de Bragança cujo túmulo não se encontra na Igreja de São Vicente de Fora.

  • Atracções
  • São Vicente 

A Igreja e Mosteiro de São Vicente de Fora é um dos pontos obrigatórios na zona de Alfama, homenageando o padroeiro da cidade desde o remoto ano de 1173. Reza a história que as origens do mosteiro fazem-nos recuar ainda mais nos anos. Diz-se até que D. Afonso Henriques e as suas tropas terão acampado por aqui quando tomaram Lisboa aos Mouros, em 1147. O edifício, no entanto, foi construído apenas entre 1582 e 1629, seguindo o plano de Filippo Terzi. 

+ O melhor de Alfama: 10 paragens obrigatórias

Outras atracções obrigatórias

  • Museus

Edifícios relativamente novos, com linhas que são uma perdição para a fotografia, e clássicos da cidade que patrocinam autênticas viagens no tempo. Destaque-se ainda os inúmeros e regulares workshops e eventos que promovem para adultos e crianças, ou mesmo as cafetarias e brunches que também são pequenas obras de arte. Deixamo-lo com uma visita guiada aos melhores museus em Lisboa, dando razões para redescobrir endereços obrigatórios e ideias para explorar colecções surpreendentes. A lista de melhores museus em Lisboa não pára de crescer e nós estamos cá para actualizá-la. 

Publicidade
Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade