A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Carpintarias de São Lázaro
Duarte Drago

Carpintarias de São Lázaro vão ter painel de azulejos de AkaCorleone

A obra vai nascer no terraço e faz parte de uma campanha de financiamento da programação deste polo cultural. Todos podem contribuir: azulejo a azulejo.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

O terraço das Carpintarias de São Lázaro (CLS), em Lisboa, ainda não tem cor. Mas, em breve, um dos muros, virado para a Graça e para o Castelo, estará coberto por um painel de azulejos com 17 metros de largura. A obra é do artista visual Pedro Campiche (AkaCorleone) e faz parte do Projecto Azulejo, uma campanha de angariação de fundos para este centro cultural lisboeta, no qual qualquer pessoa ou empresa pode participar, comprando um ou mais azulejos.

"A ideia era criar aqui uma narrativa em que, à medida que os azulejos vão sendo instalados, se perceba que existe um fio condutor. O fio começa com esta vista de Lisboa e depois começa a caminhar para o que são as Carpintarias, o que se pode encontrar, o que são os seus valores, e aí também o meu universo visual”, revela à Time Out o artista, que optou por fugir ao azul, cor habitualmente presente na azulejaria portuguesa.

Akacorleone
DR

"O distanciamento foi propositado. A minha visão era mais a de criar um azulejo mais contemporâneo. As cores saturadas, as transparências, são elementos característicos do meu trabalho, por isso para mim fazia todo o sentido que a paleta de cores fosse identificativa do meu trabalho e não tanto do que existe como legado do azulejo tradicional”. 

Por enquanto, é preciso imaginar. É que esta nova obra de arte pública será construída tal qual um puzzle, azulejo a azulejo, até chegar aos 500 quadrados de 15cm que finalizam o painel. Cada mecenas, desde pessoas individuais a empresas, pode comprar um ou mais azulejos. À medida que estes forem comprados vão sendo adicionados à obra. “A ideia é mesmo aproveitar um pouco este momento da construção para demonstrar que o painel só estará completo com o contributo das pessoas e das instituições. Por isso, esta ideia de ir ver um painel que está inacabado durante algum tempo foi propositada e foi mesmo para transmitir esta ideia de que algo está a ser construído”, explica AkaCorleone, que já havia trabalhado com este material noutras ocasiões. Desta vez, a produção dos azulejos está a cargo da Fábrica dos Azulejos, em Oeiras.

Carpintarias de são lázaro
Duarte Drago

 

Quem comprar um azulejo não garante apenas a finalização da obra. “Todos os azulejos que vão estar aplicados no painel vão ter uma réplica que vai pertencer a quem comprou o azulejo em específico. Vão sempre ser feitos dois azulejos de cada parcela do painel, um que vai ser instalado na parede e outro que fica como que uma lembrança, um registo físico da contribuição feita por cada um que ajude", explica o artista.

Ser mecenas deste projecto custa, pelo menos, mil euros, o valor de um azulejo (IVA incluído). “São cerca de 400 mil euros no total do painel”, revela à Time Out Fernando Belo, um dos directores das Carpintarias de São Lázaro e o coordenador-geral do Projecto Azulejo, que está a ser desenvolvido há mais de um ano os produtores culturais José Meneses e Andreas Galsterer. A receita obtida deverá ser canalizada "essencialmente para desenvolvimento de programação do espaço", que neste momento é "um misto entre programação própria e parcerias", adiciona.

Em 2019, 60% da programação das CSL veio de propostas de parceiros. Em 2020, em plena pandemia, o valor terá caído para quase metade. "Tivemos de pôr praticamente toda a programação em standby, tivemos uma programação de recurso que conseguimos implementar não furando as expectativas. Mas tivemos que reduzir bastante”, admite Fernando Belo, que está à frente da Associação Cultural e Recreativa das Carpintarias de São Lázaro, uma associação cultural sem fins lucrativos que, em 2014, ganhou o concurso público para explorar o espaço durante 30 anos. 

Por agora, os primeiros azulejos que darão cor ao terraço já foram comprados. Entretanto, já se fizeram ajustes de produção, nomeadamente quanto ao tamanho, "para conseguir ter a assinatura de quem ajuda a financiar o azulejo", sem prejudicar a leitura da obra, explica Belo. "Fazemos questão de referenciar, a não ser que as pessoas queiram manter o anonimato, mas queremos que haja um certo orgulho em apoiar a cultura, não só por parte das empresas, mas por parte das pessoas individuais, porque achamos que isso pode dar o exemplo para contagiar outras a fazer o mesmo". 

E quando estará completo o mural? "Isso é uma incógnita", diz o director das Carpintarias, rematando: "É um projecto para três anos, eu diria". 

O futuro do terraço 

Os planos para o terraço das Carpintarias de São Lázaro vão além do painel que complementa a vista privilegiada sobre a cidade. Reaberto desde 2019, depois de um período de obras, o espaço cultural permite, desde o final de Agosto, o acesso a esse piso exterior no topo do edifício.

Ganhou o nome “Miradouro de Baixo”. "Tem todos os outros miradouros à sua volta. É o miradouro da Graça, do Castelo, da Penha de França, de Nossa Senhora do Monte, vemo-los todos”, explica Fernando Belo. Além de lugar para observar Lisboa, o terraço pretende desdobrar-se, tal como as Carpintarias, servindo diferentes áreas. Por agora, tem "uma parte de restauração e gastronomia, mas é uma coisa que pretende ser trabalhada de uma forma mais temática, mais leve”, explica o director das CSL. “Pode ser visto como a cafetaria e com projectos gastronómicos complementares”, sugere. Neste momento, funciona de quinta-feira a sábado, para jantares, e serve almoços ao domingo. 

Mas há mais planos para a dinamização do terraço. “Vamos lançar em 2022 uma residência artística para DJs, vamos ter cinema e exposições de artes visuais ao ar livre”. O objectivo é claro: que o terraço seja "também uma extensão do próprio centro cultural". 

Rua de São Lázaro, 72 (Martim Moniz). Exposições: Qui-Dom 12.00-18.00. Miradouro: Qui-Sáb 18.30-23.00 e Dom 12.30-17.00. 

+ Carpintarias de São Lázaro: um pólo cultural com vistas incríveis para a cidade

+ A agenda cultural de Lisboa que não pode perder

Últimas notícias

    Publicidade