A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Para acabar com o julgamento de deus
© Daniela GandraPara acabar com o julgamento de deus

Celebrações dos 20 anos do Temps d’Images começam já em Maio

O primeiro momento do festival de artes performativas e visuais decorre entre 5 de Maio e 19 de Junho e tem quatro peças em estreia absoluta. Em Outubro há mais.

Escrito por
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

No ano em que a organização celebra os 20 anos do Temps d’Images, o festival que existe na intersecção das artes performativas e das artes visuais volta a dividir-se por dois momentos. O primeiro arranca a 5 de Maio, com a estreia em Lisboa de DeGELO – Diamante Bruto, de João Bento, e prolonga-se até 19 de Junho. O segundo momento está agendado para o Outono.

A peça de João Bento fica na Appleton até dia 12. Segue-se a estreia absoluta de Documentário, dos SillySeason, em cena no Teatro Meridional entre 19 e 22 de Maio. E há mais duas obras para ver pela primeira vez antes do mês chegar ao fim: Leonor Cabral leva Ciclone à Black Box do Centro Cultural de Belém entre 26 e 27; e Isadora Alves apresenta Mas Onde Está a Espada?, um trabalho site-specific, no Parque do Vale do Silêncio e no Alvito, nos dias 27 e 28.

A última estreia absoluta, e o ponto alto deste primeiro momento da 20.ª edição do Temps d’Images, é a apresentação de Para acabar com o julgamento de deus, obra-testamento do maldito e visionário autor Antonin Artaud, por Jenna Thiam, Catarina Rôlo Salgueiro e Surma, de 3 a 5 de Junho no TBA. Neste espetáculo, que é emissão de rádio e experiência sensorial para o público, queremos dar uma resposta a Artaud: amar o poeta e revoltarmo-nos contra ele, no mesmo gesto artístico; recriar Para acabar com o julgamento de deus e ao mesmo tempo acabar com o nosso conceito de génio e de obras-primas, escrevem as criadoras. Quem lê estas palavras fica curioso para ver o que vão fazer.

O primeiro momento do 20.º Temps d’Images conhece o seu desfecho no CAL – Centro de Artes de Lisboa, entre 16 e 19 de Junho. Anima, de Pedro Baptista, é o último espectáculo levado à cena. Pelo menos até Outubro.

Os bilhetes para esta edição vão ser colocados à venda em breve.

+ Festival Política. Conversas e arte para combater a desinformação

+ Chefs on Fire. Mais mulheres, novo formato e pop-ups ao longo do ano

Últimas notícias

    Publicidade