A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Fonte dos Anjinhos
DR

CML esclarece: Fonte dos Anjinhos regressa ao Rossio a 23 de Março

A Câmara Municipal de Lisboa tinha retirado a Fonte dos Anjinhos da praça do Rossio para efectuar trabalhos de restauro.

Por Helena Galvão Soares
Publicidade

Alguém acordou um dia, passou pelo Rossio, e "descobriu" que a Fonte dos Anjinhos – que há largos meses foi de lá retirada para restauro – tinha desaparecido. Seguiu-se o que é habitual: um post incendiário no Facebook, com insultos aos "idiotas" da autarquia e palavras lancinantes sobre mais um "assassinato" "nesta cidade que tem perdido a sua beleza". 

A Câmara de Lisboa veio esclarecer nas suas contas oficiais nas redes sociais que a fonte está de boa saúde e a caminho de regressar ao seu posto habitual, na praça do Rossio, publicando fotografias da peça durante os trabalhos de restauro. Recorde-se aliás que, quando retirou a peça, a Câmara de Lisboa instalou no local um painel com fotografias da fonte e a informação de que tinha sido retirada para ser restaurada.

Este bebedouro de origem francesa, tal como as duas fontes monumentais da Praça D. Pedro IV, terá sido ali instalado no final do século XIX, possivelmente por ocasião da transformação dos passeios laterais da praça, a 17 de Maio de 1882, aparecendo a sua localização assinalada numa planta desse plano. O bebedouro, feito na fundição Sommevoire, segue o modelo das populares Fontaines Wallace parisienses, em ferro fundido e de cor verde escura, com as mesmas dimensões, apresentando contudo a diferença de as figuras femininas terem sido substituídas pelos anjinhos que lhe valeram o seu nome popular.

Uma outra característica deste modelo parisiense é que a água não jorra de baixo para cima, como é normal em todos os bebedouros lisboetas, antes cai do topo do bebedouro para a base, permitindo, vá lá, encher uma garrafa, mas não propriamente beber. É uma espécie de contradição nos termos: é um bebedouro onde não se consegue beber. Não é por isso que gostamos menos dela. Venha de lá essa Fonte dos Anjinhos, a reluzir como nova, de volta ao seu local habitual.

+ Uma pérola da publicidade dos anos 60 resiste numa garagem lisboeta

+ Há um unicórnio em Arroios (mas tem um “córnio” muito pequenino)

Últimas notícias

    Publicidade