A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
lisboeta vs turista
Ilustração: José Carlos Fernandes

Como fazer inimigos em Lisboa

Por
Luis Leal Miranda
Publicidade

Quer irritar um alfacinha? É fácil. Questione a qualidade da "luz de Lisboa", pergunte em que ano foi a Expo 98 e exponha as suas teorias sobre o que realmente aconteceu naquela manhã de 1 de Novembro de 1755. Eles vão adorar. Eis as 17 dicas infalíveis para tirar do sério os lisboetas a sério. 

  • Diga que os pastéis de Nata e os pastéis de Belém são a mesma coisa.
    “Os esquimós têm mais de 40 maneiras diferentes de dizer 'neve', os lisboetas usam várias palavras para se referir aos seus bolos”.
  • Refira-se a Lisboa como “a margem Norte” de Almada.
    “A parte melhor de estar na margem Norte de Almada é a vista para o Cristo Rei”.
  • Lembre toda a gente que a célebre “luz de Lisboa” é um acaso geográfico feliz e não fruto do mérito dos seus cidadãos.
    “Podem gabar-se à vontade, mas vocês não fizeram nada para merecer isto”.
  • Peça um fino em vez de uma imperial.
    “Um fino é mais elegante.”
  • Convide os seus amigos a ir andar no eléctrico 28
    “Vamos de eléctrico que é mais rápido.”
  • Peça molhos para as suas sardinhas
    “Mostarda, ketchup ou um bocadinho dos dois. Por que é que estás a olhar para mim com essa cara? O que é que vais fazer com a minha faca de serrilha?”
  • Peça uma faca de serrilha para comer peixe.
    “E era também uns cubos de gelo para o meu vinho.”
  • Pergunte que santo é aquele com o menino ao colo
    “E qual deles é o santo, o maior ou o mais pequenito?”
  • Exponha a sua teoria sobre como o terramoto de 1755 nunca existiu.
    “Foi tudo um inside job da Maçonaria para dar mais poder ao Marquês de Pombal e desvalorizar os terrenos da Baixa”.
  • Pergunte que pássaros se guardam dentro de uma gaiola pombalina.
    “E já agora, a grelha da Baixa serve para grelhar carne ou peixe?”
  • Diga “rua garrê” em vez de “rua gárrete”.
    E refira-se ao Chiado sempre como “Quiado”, à italiana.
  • Refira ao período de domínio espanhol como “os bons tempos”.
    “Isto é bonito, só pode ser obra dos Filipes.”
  • Vá a uma casa de fado e acompanhe os refrões
    “Poooovooo que laaavaass no riooo….isto devia ter as letras como no karaoke”
  • Elogie efusivamente a arquitetura das Amoreiras.
    “Que bonito, parece um caixote gigante para guardar prédios”
  • Pergunte em que ano foi a Expo 98
    “Este ano também há Expo 98?”
  • Tente perceber onde fica o D. Maria I.
    “Já percebi que o D. Maria II fica no Rossio, mas o outro, o primeiro de todos?”
  • Sugira ir almoçar à Padaria Portuguesa
    “Vi lá uns pombos a comer na esplanada e eles pareciam satisfeitos”. 

+ Uma carta aberta à pessoa que buzina assim que o sinal fica verde

+ Uma carta aberta ao restaurante que chama “Água da Casa” à água da torneira

Últimas notícias

    Publicidade