• Notícias
  • Vida urbana
0 Gostar
Guardar

Experiência Pilar 7: a nova vida da Ponte 25 de Abril começa quarta-feira

Experiência Pilar 7: a nova vida da Ponte 25 de Abril começa quarta-feira
Fotografia: Arlindo Camacho

Diz o ditado que Setembro ou seca as fontes ou leva as pontes. No caso de Lisboa, o mês não levou, mas elevou a Ponte 25 de Abril a miradouro e centro interpretativo. E vai levar, sim, na certa, milhares de pessoas às entranhas do Pilar 7, encimado por um novo miradouro mesmo junto ao tabuleiro rodoviário.

Localização: Pilar 7. A ponte inaugurada em 1966 tem 14 pilares, mas o pilar que interessa agora fica na Avenida da Índia, nas traseiras do Village Underground. Agora que já ninguém se perde, a novidade: a nova atracção turística de Lisboa inaugura já na próxima quarta-feira, dia 27 de Setembro, e vai levar os visitantes ao interior deste pilar para uma experiência sensorial que lhe diz tudo o que precisa de saber (e sentir) sobre uma das pontes mais bonitas do mundo.

Fomos ver o que valeram 5,3 milhões de euros, onde metade do investimento foi pescado da taxa turística.

Arlindo Camacho

 

Esta viagem pela história, números e espaços até agora inacessíveis ao público começa cá fora, onde encontrámos grandes discos de metal encastrados no chão com informações relativas à construção da ponte. Mas há mais aprendizagem a caminho. Numa primeira sala o público tem acesso pela primeira vez à maqueta original da ponte, a peça central de uma cronologia que começa em 1824 com a aprovação da patente do cimento Portland, que marcou o início da era do betão na construção. E sabia que em 1876 foi apresentada a primeira proposta para uma ponte que ligasse as duas margens? Ou que em 1919 a empresa H. Burnay & Cia propôs um estudo sobre a construção de um túnel com a mesma finalidade? Só em 1959 é que o governo aprovou a construção da Ponte Sobre O Tejo e o concurso público lançado no ano seguinte. Os spoilers históricos acabam aqui, até porque agora passamos para o chamado maciço central do Pilar 7.

Após um controlo de segurança, o visitante entra na Sala dos Trabalhadores. Projectados nas paredes, vídeos em 360º mostram as intervenções feitas durante a construção da ponte. Na parede, junto aos trabalhadores, vai-se lendo "14 pilares no meio da cidade", "180 metros de altura", "2272m2 de comprimento". E sons, muitos sons, entre gaivotas, fortes marteladas e sons metálicos que se transformam em vibrações debaixo dos nossos pés.

Arlindo Camacho

A sala seguinte é mais calminha. Aí os visitantes são envolvidos numa atmosfera azul, como se debaixo de água estivessem, uma experiência imersiva, mas amiga dos claustrofóbicos (tínhamos dois connosco que validaram a situação). Mesmo ao lado há um elevador que nos leva a uma segunda plataforma. Aí sentimos, ouvimos e vemos a aproximação do comboio projectada na parede e ganhamos acesso a duas salas gémeas onde moram as principais amarrações dos cabos de sustentação da ponte. Para a sua construção foram usados 54196km de fio de aço ao longo de 76 dias sem parar. Cada cabo tem 11248 fios de aço. Está lá tudo explicado.

 

Subimos uma escada suspensa que dá acesso a outra área. E damos um alerta: não fique logo com tonturas, porque a profundidade aqui é apenas uma ilusão criada por espelhos instalados no chão e no tecto. E depois saímos, mas não acabou. A próxima etapa é um passadiço, a 10,72 metros de altura, que conduz ao elevador que o vai levar ao miradouro, mesmo ao lado do tabuleiro rodoviário da ponte, a 80 metros de altura. Feito parcialmente em vidro, oferece-lhe uma nova perspectiva sobre Lisboa, a mesma que tem ao atravessar a ponte, mas agora para ver nas calmas, sem o pé no acelerador.

Arlindo Camacho

Há mais. Vistas as vistas, ao terminar a visita é convidado a entrar num espaço dedicado à realidade virtual. Com óculos e auscultadores na cabeça, é iniciada uma viagem virtual em 360º que acompanha os técnicos de manutenção até ao ponto mais alto da Ponte 25 de Abril. Só não dá para tirar selfies: afinal, aqui, estamos no mundo do faz-de-conta.

Arlindo Camacho

 

Veja aqui o vídeo da experiência:

 

 

 

Avenida da Índia. Maio a Setembro 10.00-20.00, Outubro a Abril 10.00-18.00. Encerra a 25 de Dezembro. Bilhete normal: 6€. Gratuito para crianças até aos 5 anos; + 65 anos, grupos com mais de 10 pessoas e estudantes: 4€. Realidade Virtual: 1,5€ (gratuito para crianças até aos 5 anos e portadores do Lisboa Card)

+ 5 coisas que não sabe sobre... a Ponte 25 de Abril

+ Os melhores miradouros em Lisboa

Publicidade
Publicidade

Comentários

2 comments
Nuno M

Mais um grande investimento de 5.3 milhões... Mas afinal qual é a utilidade deste investimento? Porque não terem feito a passagem pedonal entre margens, como a homóloga ponte Golden Gate Bridge em São Francisco?

Claudio V

@Nuno M Não faz sentido a passagem pedonal devido a:

DIstância entre margens!

Perigo, se já saltam do tabuleiro, o que fariam se pudessem caminhar livremente pela ponte.

Quanto custaria esse investimento e manutenção? já lá passam comboios e automóveis, vamos colocar pessoas a pé também?