A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Vítor Graça, Calceteiro, Herói Local
©Manuel MansoVítor Graça

Herói local: Vítor Graça promove a calçada portuguesa

Vítor Graça é mestre da calçada portuguesa, uma profissão que merece ser olhada com mais atenção. Fomos picar conversa com ele.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

Nunca é tarde. Este parece ser o lema de Vítor Graça, que aos 54 anos já encerrou diversos capítulos da sua história. A paixão pela calçada é fresca, tendo em conta o seu percurso de vida, e inspiradora para quem acha que a idade não é bem um posto. Vítor encontrou o seu e não tem tido mãos a medir: este novato já se tornou um verdadeiro mestre do ofício, numa arte em vias de extinção.

Há cinco anos, formou-se na Escola de Calceteiros de Lisboa e é hoje figura de proa na promoção da calçada, por indicação da própria escola, que viu em Vítor uma importante peça na construção do futuro deste património. “Ao princípio éramos 21 e no fim só cinco pessoas acabaram o curso”, conta, após mais um trabalho de calcetagem em Alverca, onde vive e trabalha por conta própria. “Eu já ia com aquela vontade de fazer e aprender, porque é logo meio caminho andado. Nós quando queremos e gostamos é diferente”, defende o homem que só baixa os braços para partir pedra. Em Alverca quer deixar a sua marca e já começou com um José Saramago em calçada, ao qual se seguirá Fernando Pessoa.

Mas Vítor é também mestre na arte da reinvenção. Já teve uma empresa de pescado, abriu um restaurante em Cabo Verde e trabalhou nos Países Baixos durante seis anos. Aí passou por uma estufa de orquídeas, por um restaurante, por uma serralharia... Foi precisamente no país das tulipas que começou a ler sobre a calçada portuguesa, decidindo regressar para aprender a trabalhá-la. “Isto não é chegar e meter a pedra, tem técnica. Tudo tem o seu quê e o seu porquê”, explica.

Vítor Graça, Calceteiro, Herói Local
©Manuel Manso

Chegou a trabalhar em Lisboa, na Junta de Freguesia de Santo António, e até reparou a calçada em frente à Sociedade Nacional de Belas Artes. “Mas há muita calçada histórica em que só a Brigada dos Calceteiros da Câmara pode mexer”, explica Vítor. Mas poucos eram os incentivos para se juntar à equipa responsável por cuidar deste património. “A ver se começa a ser vista com outros olhos e se há mais iniciativas para atrair as pessoas. Só que para isso tem de haver a outra parte, de dar mais regalias salariais. Senão é difícil atrair pessoas para trabalhar nisto”, lamenta.

Em Junho foi convidado pela Escola de Calceteiros a rumar a Budapeste, onde deixou o símbolo de Lisboa em calçada no Parque Europa, por ocasião da Presidência Portuguesa do Conselho Europeu. Uma iniciativa promovida pela Embaixada e o Instituto Camões. “É bom, é um sinal de reconhecimento”, diz orgulhoso.

+ Lisboa é a primeira cidade da Europa com torres rotativas de agricultura vertical

+ ‘A Mensagem’ torna-se o primeiro jornal português a dar notícias em crioulo

Últimas notícias

    Publicidade