A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Proposta para o Martim Moniz
©Junta de Freguesia de Santa Maria Maior

Junta de Freguesia de Santa Maria Maior apresenta um Martim Moniz mais verde

O debate sobre a melhor solução para a Praça Martim Moniz continua em cima da mesa. Agora foi a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior a apresentar uma nova ideia.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

A Junta de Freguesia de Santa Maria Maior (JFSMM) apresentou “Uma ideia para o Martim Moniz”, numa sessão aberta ao público, terça-feira, no Palácio da Independência. A nova proposta está longe da apresentada em 2018 pelo grupo Moonbrigade, que queria instalar contentores com múltiplos usos ao longo da praça e quer precisamente “contrariar o uso comercial intensivo e ruidoso no período nocturno”, apostando por isso num lugar de usufruto e tranquilidade no coração da cidade.

Proposta para o Martim Moniz
©Junta de Freguesia de Santa Maria Maior

Nas imagens apresentadas, e enviadas à Time Out, é clara a aposta num espaço verde, com zonas de estadia e um parque infantil. “A praça deve ser verde, acessível, fluída e enquadrada na envolvente. Os espaços preconizados na ideia da Junta de Freguesia permitem a integração de um parque infantil e a prática de actividades culturais, desportivas e de lazer ao ar livre e a devolução da praça às pessoas”, defende a JFSMM em comunicado. Para o presidente Miguel Coelho, “a praça não é só de quem ali vive, mas se a praça não for acarinhada e não servir o conforto das pessoas que ali vivem, qualquer solução será sempre uma má solução”.

Na sessão, esteve presente Joana Castro de Almeida, vereadora da Câmara Municipal de Lisboa com o pelouro do Urbanismo, assim como algumas associações e movimentos que têm acompanhado o processo de requalificação desta praça.

Proposta para o Martim Moniz
©Junta de Freguesia de Santa Maria Maior

Já passaram quase quatro anos desde que foi apresentada a polémica proposta de instalar uma série de contentores em plena Praça Martim Moniz, uma ideia do então concessionário do espaço, o grupo Moonbrigade (pode recordar aqui). Mas cedo se fizeram ouvir bem alto vozes de contestação ao projecto, em particular numa sessão que teve lugar no Hotel Mundial, por iniciativa da JFSMM, onde esteve presente o anterior vereador do Urbanismo, Manuel Salgado. Como resultado, o Moonbrigade acabou por perder a batalha e no final de 2020 foi lançado um inquérito online, na plataforma Lisboa Participa, onde todos os cidadão interessados puderam dar o seu contributo. Foi com base nos resultados desse processo de participação pública promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, que a JFSMM apresentou a sua visão para o Martim Moniz, que também “resulta da visão estratégica da Junta de Freguesia para a praça”.

+ Fórum Cidadania Lx consegue travar degradação do Palácio Burnay

+ O Quake promete abanar Lisboa a partir desta quarta-feira

Últimas notícias

    Publicidade