A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Valorant
©DRCenário do mapa Pearl

Lisboa é a musa do novo mapa do popular videojogo ‘Valorant’

O jogo de tiros online tem um novo mapa inspirado em Lisboa. Damos-lhe as coordenadas desse mapa e de um novo roteiro de arte urbana, esse bem real.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

Mais de 14 milhões os jogadores já pisaram o mundo alternativo de Valorant, um popular jogo de tiros online criado pela Riot Games em 2020. A acção passa-se num futuro próximo e os jogadores têm acesso a uma série de mapas, que conjugam elementos de diferentes culturas, pelos quais podem vaguear na pele de diversos personagens. O mais recente mapa chama-se Pearl e é claramente influenciado pela cidade de Lisboa, apesar de ser um mundo aquático em que os participantes são desafiados a “mergulhar de cabeça”, de acordo com o site oficial.

O mapa ficou disponível para os jogadores europeus a 23 de Junho e tem uma arquitectura inspirada na cultura portuguesa. Apontamentos em azulejo, sinalizações escritas em português, os eléctricos amarelos de Lisboa ou decorações típicas dos arraiais são alguns dos elementos que denunciam a nossa cultura, em particular a alfacinha, num mapa que também inclui áudios em português e um fado criado para Valorant, “Casa de Vidro”, interpretado por Beatriz Silva (e disponível no Spotify). Este novo mapa integra o novo episódio de Valorant, intitulado “Dimension” (porque se situa noutra dimensão), e é o primeiro da chamada Terra Ómega.

Um roteiro mais palpável

O lançamento global de Pearl, que é o oitavo mapa da história de Valorant, vem acompanhado de uma iniciativa local. Os artistas Marcelo Lamarca, LS, Jorge Charrua, Marita, Basílio, Kruella d’Enfer e Akacorleone são agora os autores de um roteiro de arte urbana inspirado no videojogo da Riot Games e que pode ser apreciado em várias artérias de Lisboa. Com um pormenor: os murais de Kruella d’Enfer e Akacorleone estão também disponíveis no mapa do jogo. Uma iniciativa que tem por objectivo valorizar o movimento da arte urbana, criando uma nova rota na cidade, ao mesmo tempo que promove o país, estabelecendo uma ponte entre a nossa cultura e o gaming.

Mas o mapa Pearl, apesar de fictício, foi também apresentado como destino turístico e tem um site oficial próprio. Numa parceria com a TRIBES – Tour Operator, uma agência turística portuguesa, a Riot Games lançou uma plataforma com as principais localizações do mapa Pearl, como o ponto C – Recompensa do Oceano, onde os jogadores podem tomar um pequeno-almoço numa padaria tipicamente portuguesa, ou o ponto B – A Costa, um café que vende pastéis de nata. E é esta plataforma online que pode utilizar para seguir o roteiro de arte urbana pintado ao vivo em Lisboa, onde encontra as localizações e pequenas descrições de cada obra. Por exemplo, o mural de Akacorleone está localizado na Rua Cidade de Liverpool, junto ao n.º 23, enquanto o de Kruella D'Enfer está localizado na Rua do Vale de Santo António, 75B, perto de Santa Apolónia.

Valorant
©DRMural de Akacorleone

“A ideia para esta obra era a de uma comunidade a construir um mural ao longo do tempo, colando cartazes uns por cima dos outros criando uma composição que está em constante evolução… como se o mural fosse um organismo vivo. Desta forma comecei por criar a versão digital deste mural de paste up [técnica de colagem de papel sobre a parede], sabendo que o objectivo seria recriar esta composição numa parede real”, explica Akacorleone à Time Out. Na versão física, procurou “ser o mais fiel possível à versão digital”, utilizando “grandes elementos em papel cortados, rasgados e finalmente colados à parede para criar um aspecto de desgaste, de temporalidade, necessário para a ideia de um mural que foi sendo criado ao longo do tempo por diferentes pessoas.”

Valorant
©DRMural de Kruella d’Enfer

Já Kruella d’Enfer viu aqui uma oportunidade. “Fiquei entusiasmada quando percebi que podia dar uma nova dimensão ao meu trabalho, que ia chegar a uma comunidade com que não tenho contacto”, diz, referindo-se aos gamers. Para este trabalho, onde o pano de fundo é uma cidade submersa afectada pelas alterações climáticas (um tema que já trabalhou anteriormente), desenhou um mural com animais marinhos, plantas aquáticas e elementos com ligação à cultura portuguesa, da guitarra à arquitectura. É a primeira vez que cria uma obra de arte para um videojogo (embora já tenha criado peças NFT) e acredita que é um novo mundo para explorar.

+ Lisboa inaugura o primeiro parque do país dedicado à arte urbana

+ Esta torneira no Parque das Nações alerta para a poluição por plástico

Últimas notícias

    Publicidade