A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Barbearia Campos
Arlindo CamachoBarbearia Campos

Lisboa perde barbearia histórica, por onde passaram Eça e Pessoa

Barbearia Campos foi fundada em 1886, mas falta de pagamento de rendas ditou o fim do contrato. Empresa de artesanato português será o novo arrendatário.

Escrito por
Rute Barbedo
Publicidade

O fecho era temido há alguns anos, fosse pela mudança de proprietários ou pelas dificuldades da pandemia, mas a histórica Barbearia Campos que até há poucos dias era a mais antiga do país em actividade mantinha as portas abertas no número 4 do Largo do Chiado. Até este mês de Dezembro. “O contrato de arrendamento cessou por incumprimento do arrendatário, tendo este procedido de forma voluntária à entrega das chaves da loja”, declarou à Time Out Ricardo Amantes, da Coporgest, proprietária do imóvel. No lugar da Barbearia Campos vai nascer uma loja de artesanato português, produzido por “uma empresa 100% nacional, de origem familiar”, avança a Coporgest. 

Desde Julho, o valor da renda cobrado à barbearia era de 2900 euros, um patamar alcançado após a subida gradual da mesma desde 2016, altura em que reabriu ao público após as obras de reabilitação realizadas pelos novos proprietários (a empresa Coporgest). No mesmo ano, a empresa abriu no edifício da barbearia apartamentos turísticos e, mesmo ao lado (no número 1), um restaurante da cadeia McDonald’s, causando uma onda de indignação na cidade. “Nos anos de 2014/2015, sem receber qualquer tipo de apoio ou subsídio do Estado ou do município, a Coporgest suportou integralmente os custos de reabilitação", superior a 400 mil euros, afirma Ricardo Amantes, acrescentando: "Sublinhamos que todo este esforço e investimento foram feitos por nossa iniciativa, livre vontade e mero dever de cidadania – nunca o município nos contactou para que fizéssemos fosse o que fosse.” 

A mudança de proprietário, porém, resultou na celebração de um novo contrato de arrendamento no valor de 1000 euros mensais, que seria actualizado a cada ano. Considerando aumentos da mesma grandeza, o acordo significaria um acréscimo de 27% da renda no primeiro ano, ao qual se seguiriam subidas de 271 euros ao ano, culminando então na mensalidade de 2900 euros, valor que o estabelecimento já não conseguiu pagar. “A última renda que recebemos foi a renda vencida em Julho de 2023. E, já antes dessa data, a Barbearia Campos também tinha acumulado dívidas avultadas de rendas relativas a períodos anteriores, perfazendo uma dívida global de 13.880 euros”, esclarece a Coporgest.

A proprietária do imóvel sublinha, ainda, a tentativa repetida de “chegar a acordo com o arrendatário”, afirmando que o mesmo nunca se terá mostrado “disponível”. “Há meses que não atende nem devolve chamadas e não responde à correspondência enviada”, relata Ricardo Amantes. Nos últimos dias, a Time Out tentou, também sem sucesso, contactar os gerentes do negócio para obter mais esclarecimentos.

137 anos de navalhas 

Fundada em 1886 e nas mãos da família do sócio-fundador José Augusto de Campos desde 1910, a Barbearia Campos – ou “cabelleireiro”, com dois L, como se lê na fachada – penteou e aparou barbas e bigodes de muito boa gente, incluindo grandes personalidades da cultura lisboeta. Estão entre eles Fernando Pessoa, Ramalho Ortigão, Eça de Queiroz, Aquilino Ribeiro, Almada Negreiros, António Ferro ou Vasco Santana, uma boa parte habitués da vizinha A Brasileira, onde se desenrolavam tertúlias e poesia.

Em 2016, já com o selo Lojas com História (iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa) e após uma breve passagem pela Rua do Loreto, reabriu portas no Chiado com nova cara e turismo em catadupa a subir pelas escadas do metro Baixa-Chiado – toda uma outra era. Mantiveram-se a bancada e os lavatórios em mármore de Carrara, o mobiliário clássico e o corte à navalha, mas também, nas paredes, fotografias de outro século e a apólice de seguros de 1886. A Barbearia Campos era isto: um dos “lugares que valorizamos e que queremos que permaneçam, enquanto tudo em redor muda”, lê-se ainda na página das Lojas com História, já depois do seu fecho. 

Na sexta-feira, a autarquia decidiu atribuir o selo Lojas com História, que abarca um universo de mais de 80 entidades, a sete estabelecimentos: a loja de roupa masculina Clavis 2000, a pastelaria Leitaria Académica, a Livraria A+A, a casa de fados A Severa, o antiquário Miguel Arruda Antiguidades, a loja de ferragens Carlos A. Santos e o Restaurante Rio Grande. A iniciativa foi criada em 2015 com o intuito de preservar e dinamizar o património e a identidade lisboetas, ao mesmo tempo que prevê apoios financeiros e à promoção de estabelecimentos históricos.

+ Lojas históricas em Lisboa: velhas, mas boas

+ A Terra Treme faz 15 anos. E há 100 filmes para ver na Casa do Comum

Últimas notícias

    Publicidade