A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Dario Argento
©DRDark Glasses, de Dario Argento

Mestres do terror, clássicos e cine-concertos: as primeiras novidades do MOTELX

Um novo filme de Dario Argento, um livro inédito sobre o terror nacional, um programa dedicado a Paulo Branco ou um cine-concerto especial são alguns dos destaques da 16.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa.

Renata Lima Lobo
Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

Foi no Cinema São Jorge, a casa de sempre do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, que decorreu esta terça-feira à noite apresentação da 16.ª edição do festival de terror, onde foram reveladas as primeiras novidades do festival, que acontece entre 6 e 12 de Setembro. Mas antes, como sempre, haverá aquecimento.

Uns dias antes de abrirem as portas do Cinema São Jorge para o arranque oficial do festival, entre 1 e 3 de Setembro acontece o Warm-Up MOTELX, composto pela exibição de três filmes em sessões de entrada livre. É aqui que o festival vai arrancar com a celebração do centenário do clássico Nosferatu (1911), de F.W. Murnau, com o evento A Sinfonia das Trevas, uma “experiência sonora e visual imersiva” que irá acontecer no Convento de São Pedro de Alcântara. Nosferatu também estará presente (como personagem, calma) na sessão ao ar livre do Largo Trindade Coelho, com o filme What We Do In The Shadows (2014), um mockumentary neozelandês realizado por Taika Waititi e Jemaine Clement. Também ao ar livre, no Museu de Lisboa – Palácio Pimenta, e em colaboração com o projecto FILMar (da Cinemateca Portuguesa), será exibido O Fauno das Montanhas (1926), filme português de Manuel Luís Vieira, que será acompanhado ao vivo pela Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Um dos destaques da programação será a estreia nacional da comédia de terror Final Cut (2022), do realizador francês Michel Hazanavicius (The Artist), estreado no último Festival de Cannes e um remake do filme japonês One Cut of Dead (2017). Uma história em torno de uma equipa que enquanto trabalha na rodagem de um filme de baixo custo sobre zombies é atacada por zombies a sério. A programação inclui outro nome de peso: o mestre do terror Dario Argento chega ao MOTELX com Dark Glasses (2022), em estreia nacional, obra que o volta a reunir com a filha Asia Argento, que interpreta e produz este filme sobre uma jovem cega que se apoia num menino chamado Chin para rastrear o assassino que lhe roubou a visão. Também estreado em Cannes, será exibido o filme Holy Spider, de Ali Abbasi (2022), que acompanha a investigação de uma jornalista sobre um assassino em série de profissionais do sexo, na cidade sagrada iraniana de Mashhad.

O cinema português é uma clara aposta nesta edição e a selecção oficial inclui as obras Criança Lobo (2022), de Frederico Serra, um folk horror em estreia mundial, sobre uma lenda numa aldeia portuguesa assustadora; e Os Demónios do Meu Avô (2022), de Nuno Beato, a primeira longa-metragem de animação stop motion feita em Portugal. Filmes que fazem a ponte com o lançamento do livro O Quarto Perdido do MOTELX – Os Filmes do Terror Português (1911-2006), um manual inédito sobre a cinematografia de terror portuguesa que, segundo Pedro Souto e João Monteiro (directores artísticos e programadores do festival), "encerra uma década de pesquisa iniciada em 2009 à procura das raízes de um hipotético terror nacional".

Tiago Guedes e Frederico Serra
©DRCoisa Ruim (2006), de Tiago Guedes e Frederico Serra

Na secção Quarto Perdido, uma surpresa: Paulo Branco, o maior produtor de cinema em Portugal, é também o grande produtor do terror português, tendo sido responsável por filmes como O Convento (1995), de Manoel de Oliveira; O Fascínio (2003), de José Fonseca e Costa; e Coisa Ruim (2006), de Tiago Guedes e Frederico Serra, que serão aqui revisitados. Paulo Branco marcará presença no MOTELX, onde irá partilhar as suas experiências como produtor. Mas o cinema de terror nacional não é coisa de agora e em destaque, no âmbito das Sessões Especiais, estará o primeiro filme de terror português de sempre: Os Crimes de Diogo Alves (1911), de João Tavares, um filme mudo que, no São Luiz, será acompanhado ao vivo pela música de Bernardo Sassetti (1970-2012), interpretada em tempo real por músicos da Escola Superior de Música de Lisboa. Uma homenagem ao pianista, que morreu há precisamente dez anos.

A organização do festival revelou ainda o “recém-baptizado” Prémio SCML MOTELX – Melhor Curta Portuguesa, que irá atribuir o maior prémio monetário para curtas-metragens em Portugal: 5000€, com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) que empresta o nome ao prémio. Esta competição será composta por 12 filmes, como Cemitério Vermelho (2022), de Francisco Lacerda; Matrioska (2021), de Joana Correia Pinto; Quando a Terra Sangra (2022), de João Morgado; ou Uma Piscina (2021), de Carolina Aguiar. E até dia 1 de Agosto continuam abertas as candidaturas para a secção microCURTAS, dedicada a filmes com duração máxima de dois minutos, que podem ser feitos com telemóvel, tablet ou webcam.

+ Onze filmes fantásticos e de terror que ganharam Óscares

+ ‘Resident Evil: A Série’ mergulha o mundo num apocalipse canibal

Últimas notícias

    Publicidade