Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Na Matinha de Queluz o 25 de Abril são três dias de festa em família
Notícias / Vida urbana

Na Matinha de Queluz o 25 de Abril são três dias de festa em família

queluz

No Dia da Liberdade, 25 de Abril, a Matinha de Queluz vai acolher actividades lúdicas para crianças e jovens. O programa, que inclui jogos tradicionais, paredes de escalada e castelos insufláveis, repete-se nos dias 27 e 28.

As actividades gratuitas, inseridas nas comemorações dos 45 anos da Revolução dos Cravos, arrancam às 10.00, na Matinha de Queluz, espaço natural onde poderá usufruir de um dia em família. Haverá uma pausa para almoço às 13.00 – poderá aproveitar para um piquenique – e a diversão será retomada às 15.00.

A Matinha, antiga tapada de caça do Palácio Nacional de Queluz, cuja plantação remonta à década de 1750, encontrava-se originalmente separada dos seus jardins por uma ponte sobre o rio Jamor, cujo acesso foi suprimido no século XX, aquando da construção do agitado IC19. O espaço verde foi reabilitado pela Parques de Sintra, mantendo o acesso gratuito à população. Com inúmeras espécies arbóreas espontâneas, representa um bosque com uma enorme riqueza biológica, para a qual contribui um povoamento relíquia de sobreiros.

A agenda para os dias 25, 27 e 28 de Abril conta com animação cultural, desporto e jogos infantis, acompanhados por monitores. Todas as actividades são grátis.

+ Coisas para fazer no 25 de Abril em Lisboa

+ Seja um naturalista: passeios e workshops para respirar ar puro

Publicidade
Publicidade

Comentários

1 comments
Afonso C

Um Pais que teve um dos mais ricos imperios e o que mais durou, mais que o Ingles, e nem conseguiu acabar o unico Palacio real na sua capital (o da Ajuda), ja que e uma miniatura daquilo que tinha planeado ter sido.


 E o outro pequeno em Queluz nao sobreviveu aos maus tratos dos Portugueses de 1980/90 que enfiaram uma auto-estrada (ic19) e urbanizacoes (predios gaiola etc) por um dos portoes adentro, dando cabo da propriedade grande em que estava inserido e lhe dava enquadramanto e proteccao... se nao somos um povo burro e sem qualquer sentido estetico entao nao sei o que somos. Uma tristeza mesmo.