A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Still do filme "O Delfim"
DRStill do filme "O Delfim"

Nimas exibe filmes para recordar Rogério Samora e Lourdes Castro

A sala de cinema lisboeta prepara-se para receber uma série de sessões especiais em memória dos artistas. O cineasta José Álvaro Morais é outro dos homenageados.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

O Cinema Medeia Nimas prepara-se para receber um ciclo de sessões In Memoriam, com filmes sobre artistas já falecidos. Começa este domingo, 23 de Janeiro, e decorre até dia 13 de Fevereiro. O actor português Rogério Samora e a artista plástica Lourdes Castro são dois dos nomes homenageados, assim como o cineasta José Álvaro Morais e o realizador Peter Bogdanovich.

A primeira sessão é dedicada ao actor português que faleceu em 2021. Este domingo, dia 23, às 22.00, o ecrã enche-se com O Delfim (2002), a obra de Fernando Lopes com base no romance homónimo de José Cardoso Pires. Na fita, Rogério Samora interpreta o papel de protagonista. A sessão conta com a presença de Paulo Branco, produtor de cinema e dono da Medeia Filmes, e de alguns actores do filme.

No dia 26 de Janeiro, às 21.00, é tempo de recordar Lourdes Castro. O documentário sobre a artista plástica portuguesa, que partiu no início deste ano, é assinado por Catarina Mourão. Chama-se Pelas Sombras (2010), e decorre no Caniço, Madeira, na casa que Castro construiu com o marido, o artista Manuel Zimbro. A exibição no Nimas vai ser acompanhada pela realizadora e outros convidados. 

No sábado seguinte, 30 de Janeiro, homenageia-se José Álvaro Morais com a exibição do seu Peixe-Lua (2000)"Um filme com personagens em desequilíbrio para a frente, uns mais enérgicos e outros mais preguiçosos. Que a meio parece transformar-se em road movie mas que, afinal, volta ao ponto de partida. Aparentemente. É um filme de Verão, de Verões. Há duas épocas no filme, dois Verões separados por meia-dúzia de anos, os anos do fim da juventude, o tempo que os personagens levam a aperceber-se de que estão a ficar sós", nas palavras do cineasta. A sessão, marcada para as 16.15, inclui a presença do produtor Paulo Branco e de actores como Marcello Urgeghe. 

O último dos tributos programados pela sala lisboeta neste ciclo é ao realizador norte-americano Peter Bogdanovich. Há três obras para ver (ou rever) do cineasta que partiu há duas semanas: A Última Sessão (1971), com exibições a 22 de Janeiro, às 17.00, e a 5 de Fevereiro, às 19.30; Que se Passa Doutor? (1972), para ver a 24 de Janeiro, às 17.30, ou a 13 de Fevereiro, às 22.00; e Lua de Papel (1973), que se mostra a 23 de Janeiro, às 15.00, e a 6 de Fevereiro, às 13.00.  

+ Filmes com bebés ao colo e mais cinema alternativo em Lisboa

+ Filmes em cartaz esta semana

Últimas notícias

    Publicidade