A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Nô Bai
Mariana Valle LimaNô Bai

Nô Bai, uma plataforma para dar visibilidade à comunidade negra. “Unidos é que temos mais força”

Está lançado o Nô Bai (que, no crioulo guineense, significa “vamos”), um site com negócios de propriedade negra que promove a economia circular dentro da comunidade. Sentámo-nos com Mariama Injai, a fundadora do projecto.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

Mariama Injai, 35 anos, há muito que partilhava negócios e projectos de pessoas negras na sua página de Instagram, AfroMary. No último mês, tornou esse desejo de dar visibilidade à comunidade negra um verdadeiro negócio, com a criação do site Nô Bai. “O Afro Mary foi o início e eu agora tornei-o um negócio”, conta à Time Out.

“Quando a Rihanna lançou [uma marca de maquilhagem], olha o impacto que foi. Ela fez uma coisa a pensar nas nossas peles [de pessoas negras], enquanto as outras marcas só muito recentemente estão a fazer isso porque percebem o nosso poder de mercado”, diz. Mariama, que viveu a vida entre Felgueiras, Porto e Mangualde – à boleia da carreira do pai, jogador de futebol –, não tem dúvidas quanto à perpetuação da narrativa de que não existe procura (e oferta) de negócios de propriedade negra em Portugal. “A narrativa vem de quem? A narrativa é mesmo para nós nos ficarmos e não fazermos nada.” Fazendo jus ao nome do projecto (no crioulo guineense, Nô Bai significa “vamos”), ela fez o contrário.

Engenheira do ambiente de formação, mas a trabalhar actualmente em áreas de diversidade e inclusão, candidatou-se a um concurso para mulheres empreendedoras no Impact Lisbon. Foi escolhida e conseguiu a ajuda necessária para tirar a ideia do papel e planificar os passos seguintes. No último mês fez nascer uma plataforma online criada para conectar clientes com negócios de pessoas negras, promovendo a economia circular dentro da comunidade. “Deu-me a oportunidade de ver esta parte de negócio de uma nova forma, elevando a comunidade como eu queria, mas potenciando esta ideia de negócio. Vamos criar as nossas estruturas e as nossas plataformas”, avisa.

No Nô Bai agrega negócios, seja sob a forma de uma lista, seja através de um marketplace, que permite vender e comprar. Além de produtos, oferece também serviços de apoio a negócios, desde a criação de logos e identidade visual até mentoria para a criação de marcas ou consultadoria empresarial em diversidade e inclusão.

Por enquanto tem já 20 negócios associados, quase todos com base em Portugal – muitos deles em Lisboa, da maquilhagem à arte ou à moda. “Quis fazer um site em que todos tenham uma visibilidade colectiva. A visibilidade colectiva é muito importante. Unidos é que temos mais força.” A ideia é, no futuro, ter um directório de tal forma completo que seja possível fazer um mapeamento nacional de negócios de pessoas negras. Mesmo que os empreendedores não queiram vender através do site, podem simplesmente registar o negócio no mapa. “Assim conseguimos ver em vários distritos que negócios é que existem. Se eu quiser ir ao Porto e ver onde é que estão os restaurantes africanos, estão ali. Como não existem dados étnico-raciais, nós não conseguimos ter dados sobre nós. É o que nos mantém reféns. Acredito que o mapeamento vai trazer muitos dados para nós conseguirmos criar soluções a longo prazo”. O objectivo é, no espaço de um ano, ter 500 negócios mapeados e ter entre 50 a 100 empreendedores a vender na plataforma.

No futuro, Mariama pretende ainda criar uma aplicação e um cartão Nô Bai, que dará descontos nos estabelecimentos parceiros. Isso e continuar a dar visibilidade a negócios e a amplificar as vozes de pessoas da comunidade. “Se falarmos do mundo do empreendedorismo em Portugal… Pouco vês de empreendedores negros. Não é porque eles não existem, é porque também acham que esses espaços não podem ser ocupados.” A mensagem é clara: “Nô Bai.”

+ Lisboa Criola: quatro dias de música, arte e gastronomia

The World as a Whole. O primeiro documentário da galeria Underdogs estreia no São Jorge

Últimas notícias

    Publicidade