Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right No L’os à Moelle há carne maturada com influência francesa
Notícias / Comida

No L’os à Moelle há carne maturada com influência francesa

L'os à Moelles
Fotografia: Inês Félix

O L'os à Moelle, o novo restaurante do Páteo Bagatela, cruza influências da cozinha nacional e francesa, mas o forte é mesmo a carne maturada. Também há peixe, petiscos e opções vegetarianas.

Ricardo Pinto não é novo nestas andanças, mas a vontade de abrir um espaço seu sempre lhe cirandou atrás da orelha. Passou pelo Le Chat, em Santos, e pelo restaurante Vestigius, na zona ribeirinha do Cais do Sodré, onde esteve à frente dos respectivos bares. Até que conheceu Eric e Patricia Charlet, um casal francês que lhe materializou o desejo: eis o L'os à Moelle.

Eric é o chef, Patrícia uma das sócias dos restaurantes, juntamente com Ricardo. O casal oriundo de Estrasburgo detém dois restaurantes, mas resolveu embarcar nesta aventura com o português. “Depois de trocarmos algumas ideias, fizeram-me uma proposta mais concreta: abrir um restaurante que tivesse na sua base a maturação de carnes”, conta Ricardo.

Além da influência francesa, o novo espaço teria de representar a gastronomia nacional. “A ideia foi criar uma sala de corte diferente das restantes”, explica. No L’os à Moelle, o corte da carne é feito diante dos clientes. O objectivo, explica-nos, é “desmistificar a carne maturada”. A peça é depois pesada e encaminhada para a cozinha, onde Eric divide o fogão com o chef madeirense Joel Jardim.

Fotografia: Inês Félix

A carne, na maior parte de origem portuguesa, é comprada a produtores locais e cumpre todos os requisitos de qualidade necessários para que mature bem. No restaurante do Páteo Bagatela, serve-se acém e T-bone (100 gramas, 8,50€). Depois, rega-se a carne com um dos vários molhos caseiros: o clássico demi-glace ou o bearnês com gema de ovo, manteiga, vinagre e chalota. O prato vem ainda com dois acompanhamentos à escolha, podendo optar por um arroz de grelos na caçarola, batatas fritas ou um puré de batata trufado.

Se quiser fugir à carne maturada, tem sempre a tradicional posta mirandesa, que é servida sobre um ratatouille com arroz de grelos e molho de azeite aromatizado (17€). O bife à bourguignon (15€), confeccionado lentamente num molho de vinho tinto, é acompanhado por batata saloia, cenoura assada e cebola caramelizada e um dos mais afamados pela clientela.

 

Corte t-bone rouge de pes, vindo de França
Fotografia: Inês Félix

 

Nas sobremesas, o riz au lait (7€), uma criação que mistura o arroz doce tradicional com a bolacha francesa e o caramelo salgado, ganha a forma de um charuto em alusão aos vários tipos de rum disponíveis no bar. 

Durante a tarde, o restaurante mantém-se aberto e há petiscos para o que der e vier, como o paté de Campagne (8,50€), uma terrina de porco acompanhada de tostas e saladas, ou o petisco l’os à moelles, carne do tutano assada com sal e pimenta e guarnecida com duxelle de cogumelos e amendoim torrado. 

Rua Artilharia 1, 51 (Rato). 92 752 4965. Seg-Sáb 12.00-00.00.

Os melhores restaurantes de carne em Lisboa

+ Os melhores sítios para comer carne maturada em Lisboa

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments