A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Pátio das Antigas, Lisboa Antiga, Palácio Mayer
©PicasaPalácio Mayer

O Pátio das Antigas: da batota à diplomacia

Coisas e loisas da Lisboa de outras eras

Por Eurico de Barros
Publicidade

O Palácio Mayer foi um afamado e “perigoso” clube nocturno, antes de passar, não sem escândalo, a Consulado de Espanha.

Entre o final da década de 10 e o da década seguinte do século passado, o edifício desta foto (datada dessa altura), o Palácio Lima Mayer, era considerado pelas senhoras da boa sociedade lisboeta como um lugar algo “perigoso”. O que não impedia algumas delas de lá entrarem, sob anonimato. Isto porque o Palácio Mayer, situado na Avenida da Liberdade, e que viria a dar nome ao Parque das revistas à portuguesa, foi, entre 1918 e 1927, um dos mais conhecidos e falados clubes nocturnos de Lisboa, onde além de muita e alta jogatana, havia espectáculos, dançava-se o tango e podia-se jantar e cear até tarde.

Construído em 1900 por Adolfo Mayer, o palácio homónimo, Prémio Valmor em 1902, foi, depois da sua morte, vendido pelos herdeiros à sociedade Avenida Parque, que lá instalou o perigoso Club Mayer, do jogo, das danças e das jantaradas. Era igual a muitos outros que então havia em Lisboa (a mesma sociedade estaria também na origem do Parque Mayer, antes e muito brevemente, Avenida Parque). Em 1930, o edifício foi comprado pelo governo de Espanha para instalar o seu Consulado, que ainda ali funciona hoje. O negócio foi rodeado de escândalo. O intermediário espanhol terá metido dinheiro ao bolso, o que o levou à cadeia no seu país. Por isso, escreveu-se então na imprensa alfacinha: “A burla substituiu a batota no Palácio Mayer.”

Lisboa de outras eras:

+ O dia dos brinquedos de Natal

+ O café do grande letreiro

+ Os Olivais em construção

Últimas notícias

    Publicidade